Supremo britânico decide que Brexit só avança se passar pelo Parlamento

surreynews / Flickr

Theresa May, primeira-ministra britânica

Theresa May, primeira-ministra britânica

O Supremo Tribunal do Reino Unido decidiu hoje que o Governo britânico terá de obter a aprovação do Parlamento antes de iniciar os procedimentos de saída da União Europeia, em mais uma derrota política para a primeira-ministra Theresa May.

Anunciada esta manhã, a decisão do Supremo foi aprovada por maioria, mas sem unanimidade.

“Hoje, por uma maioria de oito votos contra três, o Supremo Tribunal determina que o Governo não pode acionar o artigo 50 sem uma decisão parlamentar que o autorize a fazê-lo”, afirmou David Neuberger, presidente do tribunal.

O Supremo Tribunal decidiu também que o Governo não terá de consultar a Escócia, o País de Gales ou a Irlanda do Norte antes de iniciar o processo de saída.

Não é esperado que o Parlamento decida em sentido diferente do referendo de junho do ano passado, mas deverá impor alterações ao plano já anunciado por Theresa May.

Esta decisão poderá atrasar o processo de saída do Reino Unido da União Europeia, depois de a governante ter manifestado intenção de acionar o Artigo 50º do Tratado de Lisboa da União Europeia e iniciar os procedimentos para o Brexit no final de março.

Decisão de Supremo Tribunal “não muda nada” no calendário

O Governo britânico afirmou que a decisão do Supremo Tribunal britânico de obrigar Downing Street a obter a aprovação do Parlamento sobre o lançamento das negociações de saída da União Europeia “não muda nada” no calendário do Brexit.

“Os britânicos votaram a favor da saída da União Europeia e o Governo cumprirá essa vontade, ativando o artigo 50.º antes do final de março, como previsto. A decisão de hoje não muda nada”, afirmou o Governo britânico num comunicado divulgado pelas agências internacionais.

O ministro britânico responsável pelas negociações do Brexit, David Mills, fará hoje uma declaração no Parlamento britânico pelas 12h30 sobre os próximos passos, sendo que não é expectável que o Governo de Theresa May venha anunciar a aprovação de legislação de emergência para a aprovação do início do processo de saída da UE.

“Respeitamos a decisão do Supremo Tribunal e anunciaremos em breve ao Parlamento os próximos passos”, afirmou hoje um porta-voz do Nº 10 da Downing Street.

“É importante recordar que o Parlamento apoiou o referendo por uma margem de seis para um e já manifestou o seu apoio ao início dos procedimentos de saída [da EU] no calendário que estabelecemos”, acrescentou o porta-voz de Theresa May.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

EUA deu o mote. Mais empresas cortam relações com a Huawei

Depois de os Estados Unidos terem proibido negociações com a Huawei, empresas do Reino Unido e Japão estão também a cortar relações com a fabricante de telemóveis chinesa. Os Estados Unidos concederam 90 dias às empresas …

Renda acessível pode pôr casas a 650 euros em Lisboa e 500 no Porto

Numa altura em que o mercado imobiliário está ao rubro, com os preços em máximos, as rendas estão em níveis cada vez mais incomportáveis para a maioria das famílias que poderão encontrar neste programa uma …

Governo deverá anunciar medidas para bloquear coleção Berardo após as eleições

Num momento em que se tornou público que a Fundação Berardo corre risco de falência, três ministérios estudam as medidas para preservar a coleção do empresário e mantê-la aberta ao público. "Será em breve", garantiram os …

Europeias: PS com candidatos "escondidos", CDU só observa e Rangel já faz rimas ao primeiro-ministro

A dias do escrutínio para o Parlamento Europeu, PS acusou o BE de ser ambíguo, CDS critica respostas de Costa sobre Tancos e PSD quer ver "candidatos escondidos" do PS. Até já há rimas para …

Na corrida às Europeias, o PS está à frente do PSD (e o Bloco já vale o dobro do CDS)

O PS e a Esquerda crescem, o PSD e a Direita perdem. Segundo uma sondagem da Pitagórica para o Jornal de Notícias e TSF, os socialistas somam 32,4% da intenção de voto, enquanto o PSD …

CGD ainda é dos bancos que têm mais crédito para investir em ações

Os bancos cortaram nos empréstimos para a compra de ações desde a crise. Mas têm ainda um valor elevado de financiamentos deste tipo. Este crédito é visto com cautela pelos supervisores e levaram a que bancos …

Partido de Modi a caminho de resultado histórico na Índia

O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, e o seu partido nacionalista hindu lideram a contagem de votos nas legislativas do país. Às 10h05 (05h35 em Lisboa), o Partido Bharatiya Janata (BJP, ou Partido do Povo Indiano, no …

Hells Angels saem em liberdade (mas com várias proibições)

Os 17 elementos do grupo Hells Angels detidos pela Polícia Judiciária na terça-feira saíram todos em liberdade, após primeiro interrogatório judicial no Tribunal de Instrução Criminal (TIC) de Lisboa, disseram à agência Lusa advogados no …

Arqueólogos resolveram o mistério dos "porcos" de Barbados

Em Barbados, país insular soberano nas Pequenas Antilhas, existe um mistério histórico desde que os primeiros colonos ingleses chegaram em 1627. À chegada, os exploradores encontraram o que pensavam ser uma vara de porcos europeus selvagens. …

230 professores que pediram pré-reforma ainda não tiveram luz verde

Foram 230 os pedidos de professores interessados em pedir a pré-reforma que chegaram à Direção-Geral da Administração Escolar (DGAE). Mas até agora nenhum deles teve luz verde para avançar. A pré-reforma com suspensão da prestação de …