Suícidio de duas raparigas reacende debate sobre bullying em França

A morte prematura e trágica de duas adolescentes desencadeou um debate em França sobre a melhor forma de proteger os jovens do bullying e, ao mesmo tempo, ensiná-los a respeitarem-se uns aos outros. 

Émilie, de 17 anos, matou-se em janeiro. Marion tinha 13 anos quando tirou a própria vida, em 2013. Ambas cometeram suicídio depois de terem sido vítimas de bullying na escola.

O sofrimento de Émilie tornou-se público quando um jornal francês reproduziu excertos do diário da adolescente divulgados pelos seus pais.

Em seguida, um canal de televisão exibiu o filme “Marion, para sempre 13“, uma dramatização da vida de Marion Fraisse, que morreu há três anos.

O filme de 90 minutos mostra como o seu sofrimento foi crescendo gradualmente, de forma imperceptível para quase todos à sua volta. Numa sala cheia de alunos, Marion fica marcada como uma das raparigas boazinhas. Aos poucos, vai perdendo as amigas e passa a ser vítima de rumores, insultos e isolamento.

A dada altura, Marion é abordada no corredor da escola por um grupo de rapazes, que a agarram, reviram e atiram os seus sapatos para longe. “Ela estava a pedir para isso acontecer”, afirma uma rapariga que testemunhou a cena.

Após o sucedido, Marion fica abalada e chora. A partir desse momento, o filme mostra como a miúda entra em desespero, rende-se à depressão e, por fim, toma a decisão radical de acabar com a própria vida.

Filhos, esses desconhecidos

DR

Antes do filme, a história de Marion já tinha sido contada num livro escrito pela mãe da adolescente, que expôs o bullying na escola

Antes do filme, a história de Marion já tinha sido contada num livro escrito pela mãe da adolescente, que expôs o bullying na escola

O filme exibido na televisão francesa foi adaptado do livro escrito pela mãe de Marion, Nora Fraisse. Depois de encontrar uma carta da filha, Nora decidiu publicar a história da adolescente.

O relato é comovente, já que um dos elementos mais marcantes da história é a forma como os pais de Marion narram saber o que estava a acontecer com a filha.

Entrevistada por um jornal francês para divulgar o lançamento da dramatização, a atriz Julie Gayet, que interpreta Nora, descreve que o filme traz dois pontos de vista: o de Marion e o da mãe.

Segundo a atriz, o guião “mostra que os pais nunca conhecem realmente os filhos“. “Metade da vida de uma criança lhes escapa”, observou Gayet.

Mais de quatro milhões de pessoas assistiram ao filme, cuja exibição na televisão foi sucedida por um debate de uma hora. Muitos levaram a discussão para as redes sociais, onde compartilharam as suas histórias e expressaram as suas opiniões.

“Não é suicídio, é assassinato”, escreveu uma utilizadora do Twitter que se identificou como Sara, citada pela BBC. Outro utilizador sugeriu que o filme fosse exibido nas escolas.

Muitos descreveram as suas próprias experiências com bullying, narrando que o trauma os perseguiu por muitos anos, mesmo depois de saírem da escola.

“Querido diário”

(d.r.) La Voix Du Nord

Émilie matou-se aos 17 anos. Excertos do seu drama pessoal, registados num diário, foram divulgados na semana passada

Émilie matou-se aos 17 anos. Excertos do seu drama pessoal, registados num diário, foram divulgados na semana passada

Quando Émilie morreu, era quatro anos mais velha do que Marion.

Considerada uma aluna brilhante, estudava numa escola particular na cidade francesa de Lille quando o assédio sobre si começou.

Os seus pais narram que desde os 13 anos Émilie era discriminada pelos colegas: não era considerada suficientemente fixe, não seguia o que estava na moda e era uma leitora voraz.

Um dia, atingiu o seu limite e abandonou a escola.

Ao longo dos três anos em que tentou outros colégios e até ensino à distância, Émilie desenvolveu uma fobia de escolas.

Os pais acreditam que a sua morte esteja ligada à depressão como resultado de anos de bullying. Parte do seu sofrimento foi registado num diário, no qual relata algumas das dificuldades do seu dia a dia:

Esquivando-me de golpes, rasteiras e cuspidelas. Fechando os ouvidos para insultos e piadas. Mantendo-me atenta à carteira e ao cabelo. Segurando as lágrimas. De novo e de novo.

– Ei, sabem da maior?, um rapaz exclamou alto o suficiente para todos ouvirem na sala menos o professor. Aparentemente, vão premiar os marrões mais feios de todos os países. – Ai é?, reagiram os colegas, a rir-se. Aposto que temos o vencedor na nossa turma.

Eu não quero que os meus pais saibam o quão patética eu sou. Acho que eles deram à luz a um bocado de lixo.

Combatendo o bullying

As estatísticas oficiais indicam que todos os anos cerca de 700 estudantes sofram casos sérios de bullying em França, país que tenta conscientizar os alunos sobre as consequências e, ao mesmo tempo, oferecer apoio às vítimas.

Uma nova lei antibullying foi aprovada em 2014, sendo também criada uma linha telefónica para receber informações sobre incidentes envolvendo alunos.

Mesmo assim, os ativistas que lutam contra o assédio nas escolas afirmam que a França não enfrenta o problema de forma adequada.

“A resposta das autoridades está a melhorar muito lentamente,” – afirma a psicóloga e ativista Catherine Verdier – “mas comparada a outros países, a França está a arrastar-se. Se olharmos para a Finlândia e a Suécia, onde o bullying é uma causa nacional, nesses países houve um verdadeiro esforço vindo de cima para mudar as coisas”.

Willy Pierre, que dirige uma entidade chamada “Vocês São Heróis”, criada após a morte de Marion para quebrar o tabu à volta do bullying, diz que “algumas escolas melhoraram” em França, “mas não o suficiente”.

“A linha telefónica funciona apenas em horário escolar e agendar uma conversa entre a criança e um adulto pode levar semanas ou meses”, descreve Pierre.

Os ativistas pressionam as autoridades para que combatam também o cyberbullying – o assédio pela internet -, que ocorre do lado de fora dos portões da escola. Willy Pierre diz que a solução só virá quando pais, professores e alunos discutirem o problema abertamente.

Um relatório da UNICEF publicado ​​há dois anos identifica o bullying como um problema mundial que “existe em algum nível e de alguma forma em todos os países“.

As crianças que são maltratadas, relata o documento “Hidden in Plain Sight” (Escondido à vista de todos), são propensas a um largo espectro de efeitos negativos, incluindo “depressão, ansiedade e pensamentos suicidas“.

Se suspeitar que o seu filho é vítima de bullying, fale com a criança e aborde a escola para, conjuntamente, serem encontradas soluções.

ZAP / BBC

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Flagelo dos dias de hoje…
    Atenção também para situações de bullying para com professores mas também destes relativamente a alguns alunos. Conheço pelo menos dois casos em que professores usam do seu poder discricionário para ridicularizar alunos e ameaçar surdamente com o chumbo. Triste a falta de civismo entre colegas, mas ainda mais triste quando vinda de alguém que deveria constituir um exemplo.

  2. O problema dificilmente terá solução, se reparar-mos são aqueles talvez mais concentrados e talvez mais estudiosos as principais vítimas deste flagelo, a inveja aliada à libertinagem são devastadoras num grupo onde basta um mal intencionado incendiar todo o grupo e arrastá-lo para a insurreição, sempre assim foi a tendência do mal dominar sobre o bem; em casa muitos não recebem a educação devida, por outro lado os pais perdem o direito à repreensão e são punidos caso esta atinja umas bofetadas bem merecidas, os professores vão pelo mesmo caminho e passaram eles a ser vítimas dos alunos, a liberdade autorizada e incentivada por interesses económicos hoje dada aos jovens em todos os sentidos incluindo drogas, álcool e noitadas perdidas, tudo isto vai no caminho da completa irresponsabilidade e de uma perca de valores que apenas conduzirão a uma sociedade cada vez mais desumanizada violenta e indiferente ao que se passa a seu lado esquecendo-se mesmo de que amanhã poderá ser a sua vez, aos políticos cabe a maior fatia desta herança desastrosa.

  3. Este fenómeno é expressão de uma sociedade acéfala e incapaz de lidar com a diferença. Os filmes e séries que as crianças vêm estão carregadas de veneração e aprovação implícita de Bullying. A praxe académica 90% das vezes resume-se a isso, no entanto ainda há quem lhe chame tradição. A incoerência provoca danos graves no tecido social e os seus resultados não se fazem esperar…

  4. O que me choca é a falta de humanidade por parte dos colegas! Eu na escola sempre defendi os mais fracos, não deixava que fizessem bullying sobre eles, e não era para me armar em herói! Será que numa escola inteira, só há “bullyers” e as respectivas vítimas, enquanto os restantes outros estudantes são incapazes de defender um(a) colega?

RESPONDER

Criança com anemia aplástica grave submetido a transplante inédito em Portugal

Um menino de quatro anos com anemia aplástica grave foi submetido a um transplante com células estaminais de sangue do próprio cordão umbilical, um tratamento inédito em Portugal realizado no Instituto Português de Oncologia (IPO) …

Renováveis baixaram fatura da luz em 2,4 mil milhões na última década

A produção de eletricidade a partir de fontes renováveis permitiu ao sistema elétrico português acumular uma poupança de 2,4 mil milhões de euros ao longo dos últimos 10 anos. Esta é a principal conclusão de um …

Constitucional chumba barrigas de aluguer pela segunda vez

O Tribunal Constitucional chumbou, esta quarta-feira, pela segunda vez, o diploma do Parlamento sobre gestação de substituição, depois de um chumbo no ano passado. O BE apresentou uma proposta em que se previa "que a gestante …

Furacão Humberto ganha força a caminho das Bermudas

O furacão Humberto aumentou de intensidade nas últimas horas e atingiu a categoria 3 a caminho das Bermudas, informou o Centro Nacional de Furacões dos EUA (NHC) nesta quarta-feira. O terceiro furacão da temporada no Atlântico, …

Brasil é o país lusófono com mais refugiados. Já Portugal tem as maiores remessas dos emigrantes

Um relatório das Nações Unidas (ONU) revelou que o Brasil é o país lusófono que acolhe mais refugiados, Portugal é o que recebe mais remessas dos emigrantes e Moçambique teve o maior aumento de estrangeiros …

Ryanair deixa de voar entre Porto e Lisboa em outubro (mas fica com base mais reduzida em Faro)

A transportadora aérea irlandesa Ryanair vai deixar de voar entre Porto e Lisboa a partir de 25 de outubro devido a “razões comerciais”. A confirmação foi dada pela empresa ao Jornal de Notícias. Em abril, a …

Frente-a-frente entre Costa e Rio teve menos 633 mil espectadores do que o debate entre Costa e Passos em 2015

O frente-a-frente entre António Costa e Rui Rio, os líderes dos dois maiores partidos, teve menos audiência do que o confronto de há quatro anos, entre António Costa e Pedro Passos Coelho. Cerca de de …

EDP condenada a multa de 48 milhões por abuso de posição dominante na produção de energia

A Autoridade da Concorrência (AdC) condenou a EDP por abuso de posição dominante. A coima de 48 milhões de euros foi aplicada à EDP Produção por manipular a oferta de serviços de sistema que regula …

Há sete anos que a média de secundário dos colocados no Ensino Superior não era tão alta

Há sete anos que a média de secundário dos colocados no ensino superior não era tão alta. Relativamente aos alunos de cursos científico-humanísticos, a média dos colocados tem vindo a aumentar desde 2015, tendo atingido …

Futebolistas internacionais russos Kokorin e Mamayev saíram da prisão

Pavel Mamayev e Alexander Kokorin foram detidos depois de atacarem dois homens, um responsável do governo, num estacionamento de um hotel, e um outro num café. Deixam a prisão por "bom comportamento". Os futebolistas internacionais russos …