//

Stephen King salvou a secção de crítica literária de um jornal através do Twitter

Um jornal da terra natal de Stephen King lançou-lhe um desafio e o escritor norte-americano decidiu aceitar, conseguindo angariar os assinantes necessários para financiar a continuidade da secção de crítica literária.

Um jornal local norte-americano viu-se obrigado a efetuar cortes financeiros para conseguir sobreviver e suportar as despesas de funcionamento. Assim, como consequência, decidiu encerrar a secção de crítica literária. A história seria igual a tantas outras que assolam os jornais locais de todo o mundo, se Stephen King não tivesse entrado na equação.

O escritor norte-americano conseguiu reunir, através do Twitter, novos assinantes para que o jornal da sua terra natal – o Portland Press Herald – não acabasse com a secção.

No Twitter, Stephen King pediu ao jornal: “NÃO FAÇAM ISSO”, e escreveu alguns apelos para que os utilizadores da rede social partilhassem a mensagem, fossem ou não residentes no Estado do Maine. Os seguidores do escritor depressa fizeram chegar a mensagem a mais de 8 mil pessoas.

Segundo o Público, depois de saber que o escritor tinha mostrado no Twitter o seu desagrado face ao encerramento da secção de crítica literária, o jornal desafiou Stephen King a ajudá-lo a angariar novos assinantes para cobrir os custos da secção.​

A diretora do jornal, Lisa Desisto, lançou então uma campanha promocional, que oferecia uma subscrição de 12 semanas por apenas 15 euros. Os novos subscritores usariam assim as palavras “King” e “Carrie”, em alusão ao escritor e ao seu primeiro livro publicado.

“Se nos conseguires 100 assinantes, iremos reincorporar a crítica de livros imediatamente. Usa o código promocional KING. Combinado?”: o jornal escreveu e Stephen King concretizou.

Pouco depois do anúncio na rede social do escritor, o Portland Press Herald anunciou que tinha subscrições mais do que suficientes para cumprir o seu objetivo de manter a secção de crítica literária viva. Uma história com um final feliz.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.