45% dos portugueses só acredita voltar à normalidade no verão

Snapshooter46 / Flickr

Quase metade dos portugueses acredita que só poderá voltar à sua vida normal no verão, de acordo com uma sondagem feita pelo ICS/ISCTE.

Numa sondagem do ICS/ISCTE, para o Expresso e a SIC, a maioria dos inquiridos (45%) acredita que só no verão poderá voltar à sua vida normal. 18% estão mais otimistas, dizendo que o fim das restrições vai acontecer já no final de abril. Por outro lado, 17% prevê que isso só vai ocorrer no fim do ano e 4% só esperam mesmo a normalidade daqui a um ano ou mais.

Relativamente ao tempo que esperam aguentar este “novo estilo de vida”, uma parte significativa dos participantes (25%) não se compromete. 27% dizem estar preparados até ao final de abril e 32% até ao verão. Porém, a percentagem cai para os 8% face à eventualidade de terem de se aguentar até ao fim do ano ou durante um ano ou mais.

De acordo com o semanário, 44% dos inquiridos dizem que ainda não sentiram sinais de cansaço, afirmando mesmo que tem sido “relativamente fácil” lidar com esta situação do estado de emergência.

31% assume que tem sido “relativamente difícil” aguentar as restrições e apenas 8% admitem que está a ser “muito difícil”. Há ainda 16% que diz que tem sido “muito fácil”.

64% acha que a população está a reagir “de forma adequada” às medidas impostas pelo Governo, 25% considera que os portugueses não estão a levar os riscos “suficientemente a sério” e 10% acha que tudo não passa de um exagero, estando “a levar os riscos demasiado a sério”.

Dois terços concordam com estado de emergência

Mais de dois terços dos portugueses concordam com a declaração do estado de emergência devido à pandemia e consideram boas ou razoáveis as medidas do Governo para lidar com a situação.

Na sondagem da Eurosondagem, para o Porto Canal e o jornal i, 77,2% dos inquiridos afirmam concordar com a declaração do estado de emergência, contra 5,2% que discordam e 17,6% que tem dúvidas ou não sabe responder.

Quanto às medidas do Governo português para combater a pandemia do novo coronavírus, 48% considera serem boas e 24,8% razoáveis, enquanto 10% acha que são más e 17,2% tem dúvidas ou não ou quer responder.

Sobre o impacto da crise da Covid-19 na economia e no emprego, a esmagadora maioria dos entrevistados (80%) não tem dúvidas de que vai ser muito grande (69%) ou grande (11%). Neste ponto, 7,2% dos inquiridos consideram que o impacto não será muito grande e 12,8% tem dúvidas ou não sabe ou quer responder.

O estudo da Eurosondagem foi realizado a partir de 710 entrevistas telefónicas validadas, realizadas entre os dias 20 e 23 de março.

Além dos órgãos de comunicação já referidos, o estudo foi feito também para o Açoreano Oriental, Correio do Minho, Diário de Aveiro, Diário de Coimbra, Diário Insular, Diário de Leiria, Diário de Notícias da Madeira, Diário de Viseu e Oeiras Actual e Postal do Algarve.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Na África do Sul, há uma associação entre violência sexual e gravidez indesejada

Na África do Sul, as meninas que sofreram violência sexual têm maior probabilidade de relatar uma gravidez indesejada em comparação com aquelas que nunca sofreram violência sexual. Na África do Sul, a taxa de gravidez na …

Hackers russos associados ao ataque em hospital alemão que resultou na morte de uma paciente

O ataque informático num hospital alemão na semana passada, que resultou na morte de uma paciente em estado crítico, pode ter sido causado por um grupo russo com ligações ao crime cibernético. A informação é …

Paços 0-2 Sporting | “Leão” competente estreia-se com triunfo

Após o adiamento do jogo da primeira jornada ante o Gil Vicente, devido a vários casos de Covid-19 nas duas equipas, o Sporting estreou-se na Liga NOS 2020/21 e não vacilou. Na visita ao Paços de …

Medicamentos para a tensão arterial diminuem mortalidade em doentes com covid-19

Um estudo de meta-análise concluiu que medicamentos para a tensão arterial, ao contrário do que se pensava, reduzem a mortalidade em pacientes com covid-19. No início da pandemia, havia a preocupação de que certos medicamentos para …

A ilha mais povoada do Hawai pode perder 40% das suas praias até 2050

A subida do nível das águas do mar pode fazer com que a ilha mais povoada do Havai perca 40% das suas praias, alerta uma nova investigação. Em causa está a ilha de Oahu, a …

Pela primeira vez em 10 anos, a Wikipédia vai mudar de aparência

A icónica Wikipédia vai, pela primeira vez em 10 anos, ser modificada para tornar o site mais acessível - e menos "assustador" - para novos utilizadores. A Wikipédia tem sido parte integrante da cultura da web …

Encontrados medicamentos ilegais em suplementos para o cérebro

Cientistas encontraram medicamentos ilegais, não aprovados nos Estados Unidos, em suplementos que alegadamente melhoram o desempenho cognitivo. Clareza mental, criatividade aprimorada e uma memória extremamente nítida são algumas das promessas feitas a quem compra suplementos de …

Voluntários oferecem-se para cumprir pena de jovem acusado de blasfémia

Num ato de solidariedade, 120 voluntários pediram para cumprir a pena de um jovem nigeriano condenado a 12 anos de prisão por blasfémia. Entre os voluntários está o diretor do Memorial de Auschwitz. Ao todo, 120 …

ADN ajuda a identificar assassino em série num dos mais infames casos da Austrália

Uma amostra de ADN ajudou a justiça australiana a considerar um homem como culpado pelo assassinato de duas mulheres na década de 1990, encerrando um caso que permaneceu sem solução durante quase 25 anos. Durante quase …

Mais 665 casos e nove mortes por covid-19 em Portugal

Portugal regista, este domingo, mais 665 novos casos positivos e nove mortes por covid-19, segundo boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Assim, desde o início da pandemia, Portugal conta com 73.604 infetados e 1.953 …