Só a Troika e a Segurança Social aqueceram debate entre Passos e Costa

Manuel de Almeida / Lusa

-

O recurso à ‘troika’ e o futuro da Segurança Social aqueceram hoje o debate entre o secretário-geral do PS, António Costa, e o presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, com o socialista ao ataque.

Num frente a frente transmitido por RTP, SIC e TVI, o secretário-geral do PS acusou a coligação PSD/CDS-PP de querer promover a especulação financeira através do plafonamento da Segurança Social, o que comparou a lançar os contribuintes “na situação em que estão os lesados do BES”.

Pedro Passos Coelho voltou a acenar com a anterior governação do PS: “Especulação foi aquilo que o Estado fez e ia fechando em 2011”.

O presidente do PSD negou a intenção de fazer cortes de 600 milhões nas pensões, mas insistiu que é preciso um acordo para encontrar poupanças nesse valor e considerou que não será difícil, apontando o programa no PS: “Verificamos que há várias medidas que se destinam a reforçar a Segurança Social, e perfazem muito mais do que 600 milhões por ano”.

O secretário-geral do PS, António Costa, começou ao ataque o debate com o presidente do PSD, acusando-o de pôr o país a regredir, mas Passos Coelho contrapôs que António Costa repete a receita “socrática” de “desastre” de 2009.

Estas posições foram trocadas na fase inicial do primeiro e único debate televisivo entre os líderes do PSD e do PS antes das eleições legislativas de 4 de outubro, realizado no Museu da Eletricidade, em Lisboa, transmitido em simultâneo na RTP, na SIC e na TVI e Moderado pelos jornalistas João Adelino Faria, Clara de Sousa e Judite de Sousa.

Pedro Passos Coelho foi o primeiro a falar para sustentar que os portugueses conseguiram ultrapassar um período muito difícil (2011/2014) na sequência da crise internacional e da aplicação do memorando da ‘troika’ em Portugal, abrindo-se agora, na sua perspetiva, “uma janela para futuro” com a consolidação da recuperação económica.

O líder socialista, logo na sua primeira intervenção, deu uma resposta dura, acusando o primeiro-ministro de não ter cumprido aquilo a que se comprometeu em 2011 perante os eleitores ao aumentar impostos, cortar salários e impostos, e subir a dívida.

“Entra para a História como o primeiro chefe de Governo que entrega ao seu sucessor um país com menos riqueza do que recebeu.

Nesta última legislatura, o Produto Interno Bruto caiu 4%“, sustentou o secretário-geral do PS, com o presidente do PSD a contrapor, de imediato, que países sob assistência financeira como a Irlanda e Grécia tiveram piores desempenhos em termos de destruição da riqueza.

Pedro Passos Coelho referiu-se aos dois executivos socialistas liderados por José Sócrates para sustentar que, entre 2005 e 2011, a dívida cresceu a um ritmo mais acentuado do que na última legislatura.

Mas o presidente do PSD aproveitou uma questão colocada por Judite de Sousa a António Costa sobre a herança económico-financeira dos governos socialistas para responder aos ataques do secretário-geral do PS.

Costa tinha antes dito que o programa atual do PS é diferente daquele que foi apresentado pelo seu partido em 2011, esse assente em obras públicas, o que levou Passos a observar que o líder socialista tivera “dificuldade em responder a uma parte da pergunta”.

“Disse que o programa do PS atual não tem as obras faraónicas do TGV ou outras consideradas essenciais por José Sócrates, mas tem posições parecidas com as do programa de 2009, como o estímulo ao consumo. Essa abordagem está no seu programa eleitoral, mas conduziu o país ao desastre”, afirmou o presidente do PSD.

Está enganado“, reagiu o secretário-geral do PS.

/Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Eu não vi o debate por vontade própria mas o vencedor deve ter sido a gravata pois ouvi falar bastante em «qual seria a côr da gravata» antes do debate. Já agora o verdadeiro frente a frente vai ser com o povo nas urnas.

  2. Os jornalistas estiveram muito mal representados. Como se apenas as respostas estivessem sujeitas aos crivo do espectador!
    Naquele tipo de debate as perguntas não requerem nem introduções nem enquadramentos supérfluos. Não deveriam contribuir para o maçudo debate quando muito se esperava, tanto das questões como da moderação – ineficaz e até com interrupções extemporâneas.
    Não se fazem introduções às perguntas que diziam ser “directas” e até “objectivas”… O que é não se apregoa.
    No fim, nos canais de notícias, era suposto os entrevistados corresponderem ao desafio – Análise individual ao debate! Pois, um sujeitou-se à curiosidade do painel de jornalistas e o outro, limitou-se a capitalizar o tempo de antena num rebuscado intimismo com a câmera finalizado com um ‘obdo’ em desprezo pelos jornalistas que o aguardaram!

RESPONDER

Sporting 2-2 Belenenses SAD | Líder salva virgindade nos descontos

A Belenenses SAD esteve a segundos de cumprir a promessa de Petit, que na antevisão da partida apontava para a primeira derrota do Sporting. Os “azuis” estiveram a vencer por 2-0, graças a uma eficácia …

Quatro anos depois, Danny recuperou a sua prancha. Estava a 2700 quilómetros

Um surfista australiano recuperou a sua prancha quatro anos depois de a ter perdido. Estava a 2700 quilómetros do sítio onde a tinha visto pela última vez. Danny Griffiths, um surfista habituado a ondas grandes, perdeu …

Os astronautas precisam de um frigorífico. Engenheiros trabalham num que funciona de "cabeça para baixo"

Para que os astronautas façam longas missões à Lua ou a Marte, precisam de um frigorífico, mas estes eletrodomésticos não são projetados para funcionar em gravidade zero. Os astronautas precisam de frigoríficos para as missões prolongadas …

A maior "cidade-fantasma" da China voltou a florescer (graças à educação)

Kangbashi, na Mongólia Interior, é considerada há muitos anos a maior "cidade-fantasma" da China. Agora, tem muito a agradecer a uma jogada inesperada, mas muito eficaz: o setor da Educação. Há alguns anos que Kangbashi, uma …

Carro da Tesla ajuda o FBI a capturar homem suspeito de atear fogo em igreja

As câmaras de um Tesla ajudaram as autoridades a prender um homem suspeito de atear fogo numa igreja na cidade de Springfield, no estado de Massachusetts. A congregação foi atacada mais de uma vez em …

Destemida e aventureira. Com apenas 18 anos, Simone Segouin ajudou a França a derrotar os nazis

Quando tinha apenas 18 anos, Simone Segouin juntou-se à Resistência Francesa para capturar as tropas nazis, sabotar os planos alemães e lutar contra o fascismo no seu país. Apesar de ter abandonado a escola bastante cedo, …

Orgulho e ciúmes. Corrida armamentista entre Coreias coloca ambiente de paz em risco

A relação entre a Coreia do Norte e a Coreia do Sul é conhecida por ser bastante conturbada, sendo que nos últimos anos já ocorreram alguns incidentes entre os países. Agora, as duas nações peninsulares …

"Estória mal contada": a saída de João Marques do Famalicão

Perto do final do campeonato feminino de futebol, o treinador das candidatas ao título abandona o emblema minhoto. Provavelmente porque vai liderar outra equipa minhota. Adeptos não gostaram. A Liga BPI, a primeira divisão nacional feminina …

Livre cede lugares à IL e ao Volt. Vasco Lourenço fala em "chicana política"

O Livre cedeu, esta quarta-feira, quatro lugares da sua comitiva no desfile que assinala o 25 de Abril à Iniciativa Liberal e ao Volt Portugal, depois da comissão promotora os ter informado de que não …

Pena de morte diminuiu. Execuções globais atingem o número mais baixo numa década

Globalmente, foram executadas 483 pessoas em 2020, o número mais baixo registado pela Amnistia Internacional (AI) numa década, marcando uma redução de 26% em relação a 2019 e 70% comparativamente a 2015. Segundo um artigo da …