“Tão lentamente quanto humanamente possível”. Site simula como era usar a Internet nos anos 90

1

Se é jovem e gostaria de experimentar as velocidades lentas da Internet dos anos 90, está com sorte. Um novo site simula a experiência dolorosa à qual já não estamos habituados com as redes atuais.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Nos anos 90, se alguém na sua casa precisasse de usar o telefone ao mesmo tempo, a Internet tinha de ser desligada. Nessa época, a humanidade progrediu ao ponto de desenvolver foguetes e energia nuclear, mas não era possível usar a Internet e um telefone ao mesmo tempo.

O site https://slowww.ml/ foi criado por Terence Eder e simula a velocidade da Internet nos anos 90.

“Uma coisa que a maioria dos sites tenta fazer é tentar exibir a página o mais rápido possível. Portanto, decidi fazer o oposto. Criei um servidor da Web (a brincar) que funciona tão lentamente quanto humanamente possível“, escreveu o criador do site Terence Eder, numa publicação de blogue.

“Isso fornece uma página a cerca de 175 bits por segundo. Sim, bits. Não bytes”, escreveu Eder. “Está deliberadamente configurado para ser tão rápido quanto um humano adulto pode ler. Por que precisa que as suas páginas sejam entregues mais rapidamente do que se consegue ler?”

O projeto oferece uma experiência autêntica de carregamento de imagens, além de explicar como tudo funciona, e vale auma quantidade absurda do tempo que demora a carregar.

Eder disse que, inicialmente, queria usar o site como um auxiliar de ensino de HTML – antes de decidir torná-lo um exercício de frustração e paciência.

“Retardar as coisas pode tornar a web mais calma e menos perturbadora? Será um lugar mais atencioso para dialogar? Parece bom”, disse Eder. “Provavelmente, o confinamento deixou-se meio maluco”, rematou.

  ZAP //

1 Comment

  1. Até sou de antes desse tempo… e sei bem do que escreve… Carregamento de jogos via cassetes áudio e gravador de cassetes portátil… bem bom!!! E a barulheira que aquilo fazia a carregar? Discos rígidos? nem pensar, não existiam. Começaram pelas hard-cards nos Schneider – Amstrad CPC 6128 – Europc, cujo teclado era ao mesmo tempo consola com placa gráfica, board, memória, saídas RS232, LPT1, drive de disquetes 3,5″ e com monitor ambar ou verde.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.