Seis novos sauditas indiciados na Turquia pela morte de Khashoggi

pomed / Flickr

O Jornalista saudita Jamal Khashoggi

Os seis sauditas, indiciados a alguns dias do segundo aniversário do homicídio, não se encontram na Turquia e devem ser julgados à revelia.

O procurador de Istambul indiciou, esta segunda-feira, seis novos sauditas suspeitos de envolvimento na morte do jornalista dissidente Jamal Khashoggi em 2018.

O procurador pediu uma pena de prisão perpétua para dois dos suspeitos implicados e cinco anos para os restantes quatro arguidos, pelo seu envolvimento no assassínio e desmembramento de Khashoggi no consulado saudita de Istambul a 2 de outubro de 2018, avançaram os meios de comunicação turcos.

Os seis sauditas não se encontram na Turquia e devem ser julgados à revelia.

A 3 de julho um tribunal de Istambul iniciou o julgamento à revelia de 20 outros sauditas, incluindo dois suspeitos próximos do príncipe herdeiro da Arábia Saudita Mohammed ben Salmane, também indiciados pelo seu presumível envolvimento na morte.

Entre estes 20 acusados, dois são identificados pelos investigadores turcos como os mentores do crime: Saoud al-Qahtani, um ex-conselheiro do príncipe herdeiro, e o general général Ahmed al-Assiri, um antigo número dois dos serviços de informações sauditas.

Khashoggi, um colaborador do The Washington Post e crítico do regime saudita após ter estado próximo dos círculos do regime, foi assassinado e o seu corpo desmembrado em outubro de 2018 no consulado da Arábia Saudita em Istambul, onde se deslocou para recuperar um documento. Tinha 59 anos, e os seus restos nunca foram encontrados.

A morte de Khashoggi originou uma das mais graves crises diplomáticas na Arábia Saudita e degradou a imagem do príncipe herdeiro Mohammed ben Salmane, designado “MBS”, apontado por responsáveis turcos e norte-americanos como o principal mandante da morte.

Após ter negado o assassínio e avançado com diversas versões dos factos, Riade afirmou que foi cometido por agentes sauditas que atuaram sem terem recebido ordem dos seus superiores.

Na sequência de um processo opaco na Arábia Saudita, cinco sauditas foram condenados à morte em dezembro e três outros a penas de prisão pelo assassinato, num total de 11 pessoas indiciadas. Não foi emitida qualquer acusação contra al-Qahtani, enquanto al-Assiri foi absolvido.

No início de setembro, um tribunal de Riade anulou o seu veredicto final das penas de morte pronunciadas e condenou os cinco sentenciados a 20 anos de prisão, e três outros a penas de entre sete e 10 anos de prisão.

Este veredicto surgiu após os filhos de Jamal Khashoggi terem decidido em maio conceder o seu perdão aos executores do crime.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Teresa Leal Coelho admite processar ex-vereador Fernando Nunes da Silva

A vereadora da Câmara Municipal de Lisboa Teresa Leal Coelho admitiu que poderá vir a processar o antigo vereador Fernando Nunes da Silva, devido às declarações sobre a reposição dos sentidos de circulação na Avenida …

Linha de Fundo: Benfica reforça liderança, mais recados de Conceição, um jardim de infância especial e João “rosa” Almeida

Era uma vez um Clássico... Deu empate o primeiro clássico da época 2020/21. Em Alvalade, Sporting e FC Porto igualaram-se a duas bolas, num jogo que valeu pelas mudanças de resultado, mas que nem sempre foi …

CDS critica PS por obrigar portugueses a pagar "buraco" da TAP para servir apenas Lisboa

O CDS está "chocado" por a TAP ir abandonar as quatro rotas que opera no Aeroporto Francisco Sá Carneiro e critica o PS por obrigar portugueses a pagar "buraco" da TAP para servir apenas Lisboa. O …

Contratos de associação dos colégios privados. Ministério da Educação vence todos os 55 processos judiciais

Em todos os 55 processos judiciais que os colégios privados moveram contra o Ministério da Educação em 2016, na sequência da polémica dos contratos de associação, todas as 55 decisões foram favoráveis ao Governo. O jornal …

Famílias numerosas podem pedir desconto no IVA da luz a partir de março

As famílias com cinco ou mais elementos só poderão usufruir da redução do IVA da eletricidade a partir de 1 de março e terão de o requerer junto do seu fornecedor, segundo uma portaria esta …

Vacina da gripe disponível para mais grupos. Farmácias temem não ter stock suficiente

A vacina da gripe está, a partir desta segunda-feira, disponível para mais grupos populacionais com o início da segunda fase da campanha, que estende a vacinação a pessoas com 65 ou mais anos e pessoas …

Franceses em protesto para homenagear professor decapitado. Autoridades procuram radicais islâmicos

Milhares de pessoas reuniram-se no domingo no centro de Paris numa demonstração de repúdio pela decapitação do professor que mostrou aos seus alunos desenhos do Profeta Maomé. Os manifestantes da Praça da República ergueram cartazes onde …

Proud Boys acreditam na vitória de Trump: "Vamos Ganhar". Voto antecipado começa hoje na Florida

O líder do grupo Proud Boys disse à Lusa, durante uma manifestação em Miami, que Donald Trump vai vencer as eleições presidenciais norte-americanas, e rejeitou a acusação de que é dirigente de uma organização extremista. …

Projeto desenvolve testes rápidos de baixo custo para detetar imunidade

Um consórcio de universidades e uma empresa querem desenvolver "testes rápidos e de baixo custo" para detetar a resposta imunitária ao vírus SARS-CoV-2. O projecto TecniCov, que "obteve um financiamento de 450 mil euros da Agência …

"Medo constante". Human Rights Watch denuncia tortura na Coreia do Norte

Uma organização não-governamental denunciou esta segunda-feira que o sistema norte-coreano de detenção pré-julgamento e de investigação é cruel e arbitrário, com ex-detidos a descreverem tortura sistemática, corrupção e trabalhos forçados não-remunerado. No relatório de 88 páginas, …