Seis novos sauditas indiciados na Turquia pela morte de Khashoggi

pomed / Flickr

O Jornalista saudita Jamal Khashoggi

Os seis sauditas, indiciados a alguns dias do segundo aniversário do homicídio, não se encontram na Turquia e devem ser julgados à revelia.

O procurador de Istambul indiciou, esta segunda-feira, seis novos sauditas suspeitos de envolvimento na morte do jornalista dissidente Jamal Khashoggi em 2018.

O procurador pediu uma pena de prisão perpétua para dois dos suspeitos implicados e cinco anos para os restantes quatro arguidos, pelo seu envolvimento no assassínio e desmembramento de Khashoggi no consulado saudita de Istambul a 2 de outubro de 2018, avançaram os meios de comunicação turcos.

Os seis sauditas não se encontram na Turquia e devem ser julgados à revelia.

A 3 de julho um tribunal de Istambul iniciou o julgamento à revelia de 20 outros sauditas, incluindo dois suspeitos próximos do príncipe herdeiro da Arábia Saudita Mohammed ben Salmane, também indiciados pelo seu presumível envolvimento na morte.

Entre estes 20 acusados, dois são identificados pelos investigadores turcos como os mentores do crime: Saoud al-Qahtani, um ex-conselheiro do príncipe herdeiro, e o general général Ahmed al-Assiri, um antigo número dois dos serviços de informações sauditas.

Khashoggi, um colaborador do The Washington Post e crítico do regime saudita após ter estado próximo dos círculos do regime, foi assassinado e o seu corpo desmembrado em outubro de 2018 no consulado da Arábia Saudita em Istambul, onde se deslocou para recuperar um documento. Tinha 59 anos, e os seus restos nunca foram encontrados.

A morte de Khashoggi originou uma das mais graves crises diplomáticas na Arábia Saudita e degradou a imagem do príncipe herdeiro Mohammed ben Salmane, designado “MBS”, apontado por responsáveis turcos e norte-americanos como o principal mandante da morte.

Após ter negado o assassínio e avançado com diversas versões dos factos, Riade afirmou que foi cometido por agentes sauditas que atuaram sem terem recebido ordem dos seus superiores.

Na sequência de um processo opaco na Arábia Saudita, cinco sauditas foram condenados à morte em dezembro e três outros a penas de prisão pelo assassinato, num total de 11 pessoas indiciadas. Não foi emitida qualquer acusação contra al-Qahtani, enquanto al-Assiri foi absolvido.

No início de setembro, um tribunal de Riade anulou o seu veredicto final das penas de morte pronunciadas e condenou os cinco sentenciados a 20 anos de prisão, e três outros a penas de entre sete e 10 anos de prisão.

Este veredicto surgiu após os filhos de Jamal Khashoggi terem decidido em maio conceder o seu perdão aos executores do crime.

Lusa // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Tweet de Elon Musk afunda Bitcoins (e dá força à criptomoeda que nasceu como meme)

A Tesla vai deixar de aceitar Bitcoins como forma de pagamento. A revelação foi feita por Elon Musk numa publicação no Twitter e levou à queda do valor da criptomoeda no mercado. A par disso, …

Investigadores criam nova solução para óculos de realidade virtual e aumentada

Uma equipa de investigadores criou uma nova tecnologia para fornecer óculos de realidade virtual que não parecem "olhos de inseto". Num novo artigo publicado na Science Advances, os especialistas descrevem a impressão de ótica de forma …

Genética da população portuguesa pode explicar deficiência de vitamina D

Investigadores portugueses concluíram que a população portuguesa tem uma prevalência superior à média europeia de algumas alterações genéticas que levam a uma predisposição para o défice de vitamina D. Este estudo, coordenado pelo Centro Cardiovascular da …

Polónia quer comprar casa de campo francesa (para recuperar o legado de Marie Curie)

A Polónia quer comprar e renovar a casa de campo francesa de Marie Curie e transformá-la num museu, naquele que é um esforço para reivindicá-la como génio científico e pioneira polaca. Embora tenha nascido na Polónia, …

Min Nyo é jornalista, cobriu os protestos em Myanmar e foi condenado a 3 anos de prisão

Min Nyo, um jornalista birmanês de 51 anos, foi condenado a três anos de prisão pela sua cobertura dos protestos na sequência do golpe de Estado em Myanmar. Min Nyo, que trabalhava para a DVB (Voz …

McDonald's e Casa Branca unem-se para sensibilizar população a ser vacinada

Numa parceria com a Casa Branca, a cadeia de fast food norte-americana também está a dar o seu contributo para sensibilizar a população para a vacinação contra a covid-19. A ideia é promover informações relevantes sobre …

Voo "para lado nenhum" esgota em tempo recorde. Bastaram 2,5 minutos

A companhia aérea australiana Qantas vendeu os bilhetes para o próximo "voo para lugar nenhum" em tempo recorde: 2,5 minutos. A Qantas está a promover um novo "voo para lugar nenhum" que dará aos famintos por …

Todos queriam "O Senhor dos Anéis". Mas cinemas chineses foram obrigados a exibir filmes de propaganda

Pequim ordenou que os cinemas chineses divulgassem propaganda em homenagem ao Partido Comunista. Os cinéfilos do país, que clamam pelos filmes de Hollywood, revoltaram-se. A 1 de abril, no dia em que entrou em vigor um …

Presidente da República condecorou Jorge Coelho a título póstumo

Marcelo Rebelo de Sousa condecorou, a título póstumo, o antigo ministro e dirigente socialista Jorge Coelho com a grã-cruz da Ordem do Infante D. Henrique. O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, condecorou esta quinta-feira, …

Comer caladas, autocarro sem parque, pavilhão sujo: assim foi uma final europeia

Episódios quase inacreditáveis rodearam a final feminina da Taça EHF. O diretor da equipa vencedora conta tudo o que aconteceu (e há muito para contar). O Rincón Fertilidad Málaga conquistou a Taça EHF feminina desta época. …