Segurança Social com défice de 132 milhões de euros

Rodrigo Gatinho / Portugal.gov.pt

Ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, José António Vieira da Silva

Ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, José António Vieira da Silva

As contas da Segurança Social continuam com um assinalável défice, conforme a análise do Tribunal de Contas que detectou necessidades de financiamento, para pagar as pensões, da ordem dos 132,3 milhões de euros.

Estes dados constam do Relatório de Acompanhamento da Execução do Orçamento da Segurança Social, relativo ao período entre janeiro e junho de 2016, que foi efetuado pelo Tribunal de Contas (TdC).

O saldo de execução efetiva, no primeiro semestre de 2016, situou-se em 1,229 mil milhões de euros, incorporando 385,9 milhões de transferência extraordinária do Orçamento de Estado (OE) para financiamento do défice do sistema previdencial.

Desde 2012 que este sistema tem sido financiado com transferências extraordinárias do OE, sem as quais, nos anos de 2013 e 2014, os saldos efetivos globais do sistema de Segurança Social (SS) seriam deficitários.

“As necessidades de financiamento do sistema de pensões passaram de 508,9 milhões, em 2012, para 132,3 milhões no primeiro semestre do ano passado”, conforme frisa o Correio da Manhã, salientando que “o número mais elevado foi registado em 2013 – 1055 milhões –, sendo que em 2015 o buraco cifrou-se em 817,9 milhões”.

O Fundo de Estabilização Financeira da SS (FEFSS) estava avaliado em 14,041 mil milhões de euros, 118,7% da despesa com pensões do sistema previdencial de 2015.

Durante o semestre, apesar de ter recebido 10,1 milhões de euros, o FEFSS desvalorizou 59 milhões de euros (0,4%) e manteve a concentração (78,5%) da carteira em dívida emitida ou garantida pelo Estado Português.

Prestações sociais absorveram 93% dos recursos

As prestações sociais absorveram no primeiro semestre do ano passado 93,3% dos recursos da SS, com uma execução de 46,4% face ao previsto, segundo os dados divulgados pelo TdC.

De acordo com o Relatório de Acompanhamento da Execução do Orçamento da SS de janeiro a junho de 2016, estas despesas apresentaram uma variação homóloga de 0,8%, “influenciadas pelo decréscimo acentuado das prestações imediatas substitutivas dos rendimentos do trabalho, que recuaram 15,3%”.

Já as prestações sociais diferidas (pensões e complementos) apresentaram uma variação homóloga crescente (mais 2,7%), assim como as prestações sociais que consubstanciaram as políticas destinadas ao combate à pobreza e à exclusão social (Rendimento Social de Inserção com 13,4% e Complemento Solidário para Idosos com 6,3%).

As prestações destinadas ao apoio familiar cresceram (abono de família, 2,1%; deficiência, 9,3%, parentalidade, 9,0%), à exceção do subsídio por morte, que regrediu face ao período homólogo (menos 10,6%).

“O comportamento destas despesas está em linha com as medidas de política aplicadas e a evolução do ciclo económico”, sinaliza o TdC.

A despesa com pensões e complementos totalizou os 7,458,3 mil milhões de euros, mais 2,7% que no período homólogo anterior (66,1% da despesa efetiva), abaixo da variação implícita ao OE/2015 (mais 3,2%), na sua maior parte (78,1%) destinada a fazer face aos encargos com pensões de velhice.

As pensões de invalidez e sobrevivência representaram, no seu conjunto, no período em referência, 21,9% do total da despesa com pensões, continuando as pensões de invalidez a constituir a menor parcela (8,1%).

O OE para 2016 manteve as medidas com vista à redução da despesa pública e à recuperação da receita fiscal e contributiva, tendo introduzido outras, direcionadas ao crescimento económico e ao reforço da coesão social, de que se destacam as relativas a política salarial pública e prestações sociais (rendimento social de inserção, complemento social para idosos, prestações familiares e pensões).

De acordo com o TdC, o comportamento das receitas efetivas durante o período de vigência do PAEF (entre 2011 e 2014) ficou a dever-se sobretudo às transferências do OE, que foram sendo sucessivamente reforçadas.

Durante o mesmo período, a despesa com pensões e complementos foi sendo objeto de um conjunto de medidas de natureza regressiva com o objetivo de a colocar e manter num contexto estrutural sustentável.

Porém, refere, “a rigidez do sistema, o meio social e económico que o envolve e a precariedade das medidas aplicadas, mais centradas no objetivo de curto prazo, constituíram fatores determinantes para que esta despesa não regredisse de forma consistente e continuada”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Poisssss !!!!
    O dinheiro não dá pra tudo !!!!
    Ou se baixa o deficit ou se pagam pensões !!!!
    E os outros é que foram além da Troika !!!
    E isto deve ser só a ponta do iceberg, daqui a 2 anos vamos descobrir mais “necessidades de financiamento” noutras áreas, como a Saúde, o Ensino, etc !!!!

    • Mister Beaver: Claro que ñ dá para tudo, principalmente para as reformas obscenas e subvenções vitalícias dos políticos, bem como de uns outros tantos quejandos: banqueiros, gestores públicos, magistrados, etc

  2. Nenhum Problema. Costa tem o assunto pensado. Quando Portugal pedir novo empréstimo à Troika, vai disser que a culpa é do BE e PCP. Estes dizem que nada sabem . O Ministro das Financas diz que houve um erro de calculo. Quem vai pagar???????????? Ok, são sempre os mesmos…………….

  3. Tantas contas para justificar as saídas de dinheiros e “fazer a cabeça” à opinião pública. Como já vários dirigentes que estiveram na SS, esta é sustentável, assim não “saquem muito do pote”. Ainda falta falar das prestações que a SS se furta a pagar com exigências absurdas aos beneficiários, como pensões por morte e subsídios de funeral, essa aconteceu na minha família… Tantas contas são para justificar o logro ao contribuinte, contas que não temos como conferir, e a roubalheira irá continuar. É a vida.

RESPONDER

Os olhos são (mesmo) o espelho da alma. Estudo revela que experiências traumáticas afetam as pupilas

Uma nova investigação acaba de revelar que as pupilas podem revelar se uma pessoa sofreu uma experiência traumática no passado. Recentemente, uma equipa de investigadores da Universidade de Swansea, no Reino Unido, descobriu que as pupilas …

No Japão, é possível contratar um agente privado para sabotar a sua própria relação

Na Terra do Sol Nascente, é possível contratar um agente privado para sabotar a sua própria relação (sem ter de arcar com as culpas). De acordo com a BBC, estes agentes privados chamam-se "wakaresaseya" e têm …

Arqueologia estelar revela restos de antigo enxame globular. É o "último do seu género"

Uma equipa de astrónomos, incluindo Ting Li e Alexander Ji do Instituto Carnegie, descobriu uma corrente estelar composta pelos restos de um antigo enxame globular que foi dilacerado pela gravidade da Via Láctea, há 2 …

Petição para Reino Unido incluir Portugal no corredor aéreo com quase 30 mil assinaturas

O jornal em língua inglesa com maior circulação em Portugal lançou uma petição pela Internet a pedir ao Governo britânico para reconsiderar e incluir Portugal no corredor aéreo com o Reino Unido, já assinada por …

eBussy é o novo elétrico modular que se transforma em 10 carros diferentes

10 em 1. O eBussy, um veículo elétrico projetado pela alemã ElectricBrands, permite variar a carroçaria numa dezena de configurações diferentes. A fabricante alemã ElectricBrands revelou o seu mais recente carro-conceito: o eBussy, um elétrico modular capaz …

República Dominicana nega que Juan Carlos tenha entrado no país

A imprensa espanhola noticiou, esta terça-feira, que o rei emérito de Espanha estaria na República Dominicana, depois de ter anunciado que ia viver para fora. Mas as autoridades deste país negam essa informação. De acordo com …

Fome causada pelo coronavírus mata 10 mil crianças todos os meses

A cada mês que passa, 10 mil crianças morrem devido à fome causada pela pandemia do novo coronavírus. Há ainda 500 mil crianças malnutridas todos os meses. A pandemia do novo coronavírus está a intensificar problemas …

Lava Jato usou os mesmos métodos de espionagem clandestina que o FBI

A operação Lava Jato usou os mesmos métodos de espionagem utilizados por John Edgar Hoover, o temível líder do FBI durante quase 50 anos. Durante quase 50 anos, John Edgar Hoover liderou o FBI, ficando conhecido …

Por três dólares, já é possível comer refeições de avião em casa

A empresa Tamam Kitchen, líder na produção de alimentos para várias companhias aéreas de Israel, decidiu vender ao público e a baixo custo as refeições que habitualmente vende a empresas de aviação e que depois …

Ministério Público está a investigar acidente com Alfa Pendular em Soure

O Ministério Público está a investigar o descarrilamento do comboio Alfa Pendular, em Soure, que, na última sexta-feira, provocou dois mortos, oito feridos graves e 36 feridos ligeiros. Questionada na sexta-feira pela agência Lusa, a Procuradoria-Geral …