Seca histórica provoca “guerra da água” entre São Paulo e Rio de Janeiro

A escassez de água provocada pela falta de chuvas deste ano e pela ausência de políticas de preservação no sudeste brasileiro está a provocar um conflito político entre São Paulo e Rio de Janeiro.

Com a crise no sistema de represas Cantareira, responsável pelo abastecimento de 15 milhões de pessoas, mais de oito milhões na região metropolitana de São Paulo, o Estado anunciou uma proposta de transpor cinco mil litros de água do rio Paraíba do Sul para um de seus reservatórios.

No entanto, essa decisão foi logo polémica porque o Paraíba do Sul fornece água para 10 milhões de pessoas na região metropolitana do Rio de Janeiro.

O impasse pode parar no Supremo Tribunal Federal brasileiro, a mais alta instância judicial do país, já que, na última quinta-feira, a Justiça Federal no Rio de Janeiro informou ser incompetente para julgar o caso, por se tratar de um conflito que envolve mais de um Estado.

Enquanto isso, jornais do Rio de Janeiro e de São Paulo noticiam que já há falta água nas torneiras de moradores de algumas regiões dos dois Estados.

A esse contexto soma-se o facto de este ser um ano de eleições tanto para presidente como para governadores, o que torna a questão da água essencial para as campanhas políticas.

O especialista em recursos hídricos Samuel Barrêto afirmou que a falta de água é causada por uma série de factores, e que as crises e disputas políticas são “o pior cenário” possível.

visionshare / Flickr

Efeitos da seca na Amazónia, Brasil

Efeitos da seca na Amazónia, Brasil

Ano de seca histórica

“Se todo o mundo usasse bem o recurso, poupava-se. A escassez já passou dos limites, e temos de reverter esse cenário”, afirmou Barrêto, coordenador do Movimento Água para São Paulo, vinculado à organização “The Nature Conservancy” (TNC), que procura soluções para desafios de conservação ambiental em 35 países.

Segundo Barrêto, 2014 é um ano de secas históricas no sistema Cantareira, mas a escassez de água também é resultado da concentração populacional, da contaminação dos mananciais, do desmatamento e das perdas de água durante a distribuição, tanto por ineficácia como por roubo de água.

A região metropolitana de São Paulo, que possui mais de 20 milhões de habitantes, tem uma procura de água 4% acima da sua capacidade de oferta, afirma o especialista. Em dez anos, essa diferença pode subir para 15%.

Barreto defende que o tratamento da água privilegie não só as obras de engenharia, mas também combata o desperdício e a recupere os reservatórios.

O Movimento Água para São Paulo está a captar investimentos para recuperar uma área equivalente a 14 mil campos de futebol, com projectos de diminuição do assoreamento de sedimentos nos rios, recomposição florestal e manejo de solo.

Hendrik Mansur, especialista em conservação na TNC no Rio de Janeiro, realçou que é necessário trabalhar em soluções de curto prazo, com a gestão da água feita pelos comités ambientais, e de longo prazo, com o fortalecimento de políticas públicas.

Um exemplo a ser seguido, afirma, é o programa de Pagamento por Serviços Ambientais na bacia do rio Guandu, que apoia os produtores que ajudem a restaurar e a conservar hectares.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

"Mais próximos do normal". Espanha levanta obrigação de máscaras no exterior na próxima semana

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, anunciou hoje que as máscaras vão deixar de ser obrigatórias nos espaços exteriores em Espanha a partir de sábado, dia 26 de junho. "Este será o último fim de semana com …

"É o Governo que tem poder de decidir", diz Marcelo sobre Lisboa

O Presidente da República, que se encontra nos Estados Unidos, escusou-se a comentar as medidas sanitárias decretadas pelo Governo em relação à Área Metropolitana de Lisboa. O Chefe de Estado voltou a frisar à RTP que …

Em Portugal, cinco pessoas morreram após terem vacinação completa. Números não são "preocupantes"

Segundo a Direção-Geral de Saúde, 1.231 pessoas ficaram infetadas com covid-19 já depois de ter concluído o processo de vacinação há 14 dias, 26 delas estão internadas. A Direção-Geral da Saúde (DGS) reportou a existência de …

Aulas acabam hoje para 240 mil alunos. Ano correu "melhor que o anterior, com menos aprendizagens perdidas"

O ano letivo termina hoje para os 9.º, 10.º e 11.º anos.Para cerca de 240 mil alunos hoje é dia de despedidas, depois de mais um ano afetado pela covid-19 que levou a que parte …

Benfica pode perder Grimaldo e Nuno Tavares, mas tem trunfo do Brasileirão na manga

Confrontado com a possibilidade de perder os seus dois laterais-esquerdos, Álex Grimaldo e Nuno Tavares, o Benfica estuda a contratação de Guilherme Arana. O Benfica pode perder dois laterais-esquerdos neste mercado de transferências. A situação de …

Se Portugal tiver 11 Sérgios Conceição "pode estar muito perto de ganhar" à Alemanha

A última vitória de Portugal frente à Alemanha foi no Euro 2000, na Holanda, com uma goleada de 3-0 graças a um hat-trick de Sérgio Conceição. Na antecipação do novo embate entre as duas equipas …

Rui Moreira recandidata-se ao último mandato com a promessa de um "futuro ainda melhor" para o Porto

O atual presidente da Câmara do Porto afirmou, esta quinta-feira, querer concluir os projetos que a pandemia da covid-19 "atrasou" e ter condições para "projetar um futuro ainda melhor" para a cidade. "Quero concluir os projetos …

Nomeações para o Estado são uma "prática abusiva" e estão "viciadas"

Sete em cada dez dirigentes da Administração Pública nomeados pelo Governo, após passarem o crivo da Comissão de Recrutamento e Seleção para a Administração Pública (Cresap), já ocupavam o cargo em regime de substituição. Neste regime, …

Genk e Antuérpia querem "roubar" Vertonghen a custo zero

Genk e Antuérpia estão a tentar que o Benfica rescinda contrato com Jan Vertonghen para que possam avançar para a contratação a custo zero do internacional belga. Aos 34 anos de idade, Jan Vertonghen não caminha …

Em 2013, Costa decidiu que a CML só enviaria dados à PSP e MAI. Ordem não foi respeitada

António Costa, então presidente da Câmara de Lisboa, decidiu em 2013 que não competia à autarquia estabelecer medidas de segurança, pelo que a partir dali a única coisa que os serviços iriam fazer era reencaminhar …