16 anos depois ainda se pergunta se Savimbi está no cemitério do Luena

Paulo Julião / Lusa

Homenagem a Jonas Savimbi nos 16 anos da sua morte

Dezenas de pessoas prestaram este sábado homenagem a Jonas Savimbi no cemitério municipal do Luena, província do Moxico, mas a dúvida sobre se os restos mortais do líder fundador da UNITA estão mesmo naquela campa persistem, 16 anos depois.

Morto em combate naquela província do leste de Angola a 22 de fevereiro de 2002, as cerimónias do aniversário da morte do histórico guerreiro angolano decorreram este sábado em todo o país, mas foram mais sentidas no cemitério do Luena, onde, na versão oficial, foi enterrado, depois de ter sido abatido na mata pelas forças governamentais.

Totalmente fechada, em cimento, e sem qualquer símbolo do partido do ‘galo negro’, a campa de Jonas Savimbi no Luena foi este sábado palco de emoções, como a Lusa constatou no cemitério.

Mesmo que o local, para muitos, seja apenas simbólico, por ainda se acreditar que os restos mortais podem ter sido colocados noutro local pelo Governo angolano, liderado pelo MPLA.

Ninguém sabe o MPLA se o corpo está aqui ou não. Nós aceitamos porque foi nesse local onde nos indicaram, que foi ali que sepultaram o corpo do nosso dirigente. Portanto, temos efetuado essas honras anualmente”, explicou à Lusa, junto à sepultura, o “mais velho” Afonso Nzimba, brigadeiro que combateu ao lado de Savimbi entre 1966 e 2002.

Aos 75 anos, Nzimba é um dos que visita a campa do fundador da UNITA no Luena regularmente, sobretudo nos dias especiais, e ainda não esqueceu a notícia da morte: “O dia 22 de fevereiro para mim foi um dia de grande tristeza porque vi-me isolado. E o povo angolano também”.

Liderava então operações da UNITA na região 29, no sul de Angola, quando ouviu o Governo reclamar vitória. A mesma que o brigadeiro, 16 anos depois, relativiza, emocionado.

“O Governo pensou assim, que a morte do doutor Savimbi constituiu vitória. Mas, para nós, constituiu uma grande perda, ao povo angolano. Porque até agora o povo angolano continua sem a verdadeira paz, continua na miséria”, desabafa, rodeado de outros veteranos da guerra que comparecem hoje no cemitério do Luena, a mais de 1.200 quilómetros de Luanda, juntamente com dezenas de jovens.

Como é hábito, no cemitério, no interior e no exterior, marcaram presença vários agentes policiais, que seguiram de perto as cerimónias, as quais decorreram durante uma hora, nas línguas tradicionais e em português.

Jonas Malheiro Savimbi morreu aos 67 anos, acossado por uma ofensiva das tropas governamentais, a lutar, tal como o fizera ao longo da vida, primeiro contra o regime colonial português, depois contra o imperialismo soviético.

Ao longo de quase 40 anos perseguiu o ideal de resgatar a etnia ovimbundo, maioritária no centro e leste de Angola, onde nasceu, da tradicional dominação dos kimbundos, dominantes na região de Luanda e centro norte.

Foi derrubado por 15 tiros próximo do rio Lungué Bungo, e os seus restos mortais permanecem no cemitério de Luena, leste de Angola. “Supostamente”, aponta à Lusa o líder da UNITA no Moxico, João Caweza.

“Estamos ainda com grandes dúvidas. É verdade que quem mandou executar o doutor Savimbi, ele, mais que nós, conhece o verdadeiro local onde é que o doutor Savimbi se encontra neste momento”, afirma.

Passados 16 anos da morte, que levou dois meses depois à assinatura dos acordos de paz, a UNITA e a família continuam sem fazer o funeral prometido, no cemitério familiar, na aldeia de Lopitanga, município do Andulo, a cerca de 130 quilómetros a norte do Kuito, província do Bié.

“Caberá agora às autoridades, 16 anos dá para se fazer um processo, porque a reconciliação nacional é um processo, mas que tem de ser seguido com atos. E o Governo, que diz estar em condições para uma reconciliação genuína, já que nós estamos a fazer também 16 anos de paz, esperamos que nos diga que o doutor Savimbi está aqui ou se encontra noutro local”, desabafa, à Lusa, João Caweza, também deputado eleito pelo Moxico nas listas da UNITA.

Da incerteza sobre a correta localização do corpo de Savimbi à falta de autorização do Governo para a exumação do corpo ou mesmo devido ao facto de o cemitério de Lopitanga ainda permanecer parcialmente minado, tudo tem ajudado a dificultar o processo.

A própria UNITA saberá se assumir. Levaremos os restos mortais dos nossos entes queridos, outros dirigentes também mortos em 2002, dos nossos dirigentes, para serem sepultados nos locais mais condignos, conforme, também, a pretensão da própria família”, sustenta João Caweza.

Líder da UNITA no Moxico desde 2005, diz que os contornos da morte ainda lhe “reservam grandes dúvidas”, até porque foi também no Moxico onde Jonas Savimbi fundou a UNITA e onde acabaria por falecer.

“Mas porque razão manter uma pessoa morta, mas escondida? Será que o doutor Savimbi continua a lutar sozinho?”, questiona.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Afinal comer um ovo por dia é mau outra vez

Afinal, comer um ovo por dia não é assim tão bom para a saúde como estudos recentes sugeriam. O maior consumo de ovos e colesterol pode aumentar o risco de doenças cardíacas e de morte …

Na Colômbia, há um "arco-íris líquido" que é descrito como a 8ª maravilha do mundo

Escondido nos confins da Serra da Macarena, na Colômbia, está o rio Caño Cristales. De dezembro a maio, o curso de água é como outro qualquer, apesar de estar rodeado de um dos ecossistemas mais …

Com uma nova interface neural, a telepatia já é possível

Uma equipa internacional de cientistas deu um passo adiante no desenvolvimento de interfaces neuronais para propor uma interface que envolve a transferência de informação entre as pessoas diretamente. As interfaces cérebro-computador podem melhorar as habilidades individuais …

Bombeiros profissionais ameaçam deixar de prestar serviço voluntário nas corporações

Os bombeiros voluntários das associações humanitárias admitem deixar de prestar serviço voluntário nas corporações, caso a Liga dos Bombeiros Portugueses continue por concluir o acordo coletivo de trabalho, que está em negociação há mais de …

Baleia encontrada morta nas Filipinas com 40 quilos de plástico no estômago

Uma baleia foi encontrada morta na sexta-feira, na costa sudeste das Filipinas, com 40 quilos de plástico no estômago, informou a imprensa local. O cetáceo, uma baleia-bicuda-de-cuvier, apareceu na sexta-feira à beira-mar no município de Mabini, …

Macron convoca reforços após novos confrontos de coletes amarelos

A nova manifestação de "coletes amarelos", no sábado, registou distúrbios violentos na capital francesa. Como resposta, o presidente francês Emmanuel Macron convocou um reforço das forças de segurança. O dia de sábado marcou mais um protesto …

Pedidos de nacionalidade portuguesa aumentaram 50% em dois anos

Nos últimos dois anos, o número de pedidos de nacionalidade portuguesa aumentou cerca de 50%, avança o jornal Público esta segunda-feira. Se em 2016 foram 117.629 os cidadãos estrangeiros que pediram a nacionalidade portuguesa, em 2018 …

Não há democracia na Coreia do Norte? "É uma opinião", diz Jerónimo

Jerónimo de Sousa evitou classificar o regime de Kim Jong-un em termos "de ser ou não ser" uma democracia. A Coreia do Norte é ou não uma democracia? "É uma opinião", respondeu Jerónimo de Sousa. Numa …

Afinal, o esparguete à bolonhesa não existe

Quando se trata de refeições italianas clássicas, a maioria das pessoas pensa em pratos simples como uma pizza Margherita, lasanha e esparguete à bolonhesa. Contudo, segundo Virginio Merola, presidente de Bolonha, em Itália, o esparguete à bolonhesa …

Javalis tomaram o lugar dos coelhos. "Muitos animais estão doentes"

Para já, não há perigo de saúde pública, mas os javalis carregam doenças que podem passar a outros animais. Se antes se matavam mil coelhos, abatem-se agora 10 javalis. Jacinto Amaro, presidente da Fencaça - Federação …