16 anos depois ainda se pergunta se Savimbi está no cemitério do Luena

Paulo Julião / Lusa

Homenagem a Jonas Savimbi nos 16 anos da sua morte

Dezenas de pessoas prestaram este sábado homenagem a Jonas Savimbi no cemitério municipal do Luena, província do Moxico, mas a dúvida sobre se os restos mortais do líder fundador da UNITA estão mesmo naquela campa persistem, 16 anos depois.

Morto em combate naquela província do leste de Angola a 22 de fevereiro de 2002, as cerimónias do aniversário da morte do histórico guerreiro angolano decorreram este sábado em todo o país, mas foram mais sentidas no cemitério do Luena, onde, na versão oficial, foi enterrado, depois de ter sido abatido na mata pelas forças governamentais.

Totalmente fechada, em cimento, e sem qualquer símbolo do partido do ‘galo negro’, a campa de Jonas Savimbi no Luena foi este sábado palco de emoções, como a Lusa constatou no cemitério.

Mesmo que o local, para muitos, seja apenas simbólico, por ainda se acreditar que os restos mortais podem ter sido colocados noutro local pelo Governo angolano, liderado pelo MPLA.

Ninguém sabe o MPLA se o corpo está aqui ou não. Nós aceitamos porque foi nesse local onde nos indicaram, que foi ali que sepultaram o corpo do nosso dirigente. Portanto, temos efetuado essas honras anualmente”, explicou à Lusa, junto à sepultura, o “mais velho” Afonso Nzimba, brigadeiro que combateu ao lado de Savimbi entre 1966 e 2002.

Aos 75 anos, Nzimba é um dos que visita a campa do fundador da UNITA no Luena regularmente, sobretudo nos dias especiais, e ainda não esqueceu a notícia da morte: “O dia 22 de fevereiro para mim foi um dia de grande tristeza porque vi-me isolado. E o povo angolano também”.

Liderava então operações da UNITA na região 29, no sul de Angola, quando ouviu o Governo reclamar vitória. A mesma que o brigadeiro, 16 anos depois, relativiza, emocionado.

“O Governo pensou assim, que a morte do doutor Savimbi constituiu vitória. Mas, para nós, constituiu uma grande perda, ao povo angolano. Porque até agora o povo angolano continua sem a verdadeira paz, continua na miséria”, desabafa, rodeado de outros veteranos da guerra que comparecem hoje no cemitério do Luena, a mais de 1.200 quilómetros de Luanda, juntamente com dezenas de jovens.

Como é hábito, no cemitério, no interior e no exterior, marcaram presença vários agentes policiais, que seguiram de perto as cerimónias, as quais decorreram durante uma hora, nas línguas tradicionais e em português.

Jonas Malheiro Savimbi morreu aos 67 anos, acossado por uma ofensiva das tropas governamentais, a lutar, tal como o fizera ao longo da vida, primeiro contra o regime colonial português, depois contra o imperialismo soviético.

Ao longo de quase 40 anos perseguiu o ideal de resgatar a etnia ovimbundo, maioritária no centro e leste de Angola, onde nasceu, da tradicional dominação dos kimbundos, dominantes na região de Luanda e centro norte.

Foi derrubado por 15 tiros próximo do rio Lungué Bungo, e os seus restos mortais permanecem no cemitério de Luena, leste de Angola. “Supostamente”, aponta à Lusa o líder da UNITA no Moxico, João Caweza.

“Estamos ainda com grandes dúvidas. É verdade que quem mandou executar o doutor Savimbi, ele, mais que nós, conhece o verdadeiro local onde é que o doutor Savimbi se encontra neste momento”, afirma.

Passados 16 anos da morte, que levou dois meses depois à assinatura dos acordos de paz, a UNITA e a família continuam sem fazer o funeral prometido, no cemitério familiar, na aldeia de Lopitanga, município do Andulo, a cerca de 130 quilómetros a norte do Kuito, província do Bié.

“Caberá agora às autoridades, 16 anos dá para se fazer um processo, porque a reconciliação nacional é um processo, mas que tem de ser seguido com atos. E o Governo, que diz estar em condições para uma reconciliação genuína, já que nós estamos a fazer também 16 anos de paz, esperamos que nos diga que o doutor Savimbi está aqui ou se encontra noutro local”, desabafa, à Lusa, João Caweza, também deputado eleito pelo Moxico nas listas da UNITA.

Da incerteza sobre a correta localização do corpo de Savimbi à falta de autorização do Governo para a exumação do corpo ou mesmo devido ao facto de o cemitério de Lopitanga ainda permanecer parcialmente minado, tudo tem ajudado a dificultar o processo.

A própria UNITA saberá se assumir. Levaremos os restos mortais dos nossos entes queridos, outros dirigentes também mortos em 2002, dos nossos dirigentes, para serem sepultados nos locais mais condignos, conforme, também, a pretensão da própria família”, sustenta João Caweza.

Líder da UNITA no Moxico desde 2005, diz que os contornos da morte ainda lhe “reservam grandes dúvidas”, até porque foi também no Moxico onde Jonas Savimbi fundou a UNITA e onde acabaria por falecer.

“Mas porque razão manter uma pessoa morta, mas escondida? Será que o doutor Savimbi continua a lutar sozinho?”, questiona.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Se não pararmos de comer carne, vamos acabar com o planeta

Cada cidadão deverá reduzir em 75% o seu consumo de carne de vaca, 90% de carne de porco, comer metade da quantidade de ovos e triplicar o consumo de sementes e frutos secos. Segundo um estudo …

Encontrado o mais antigo registo sobre Jerusalém

Especialistas da Autoridade de Arqueologia de Israel (AAI) encontraram uma pedra com uma inscrição de dois mil anos de idade na qual se lê "Jerusalém" em hebraico. Encontrada numa escavação subterrânea por baixo do Centro de …

NASA tem esperança que os ventos de Marte reanimem a Opportunity

Os ventos fortes, que se fazem sentir em Marte num determinado período do ano, poderão ajudar a limpar a poeira dos painéis solares do rover Opportunity, que está adormecido desde junho. De acordo com a …

Dormir muito é tão prejudicial como dormir pouco

Um novo estudo descobriu que dormir muito pode ter consequências tão prejudiciais para a saúde como dormir pouco, reduzindo igualmente as capacidades cognitivas.  Um grupo de cientistas da Universidade norte-americana de Ontario conduziu em junho de 2017 …

Cientistas desenvolveram uma retina humana em laboratório

Cientistas da Johns Hopkins University, nos Estados Unidos, desenvolveram a partir do zero tecido da retina humana para aprender como é que são compostas as células que nos permitem ver o mundo a cores. Os cientistas …

Asteróide deixa cientistas perplexos com a sua superfície incomum

Cientistas receberam os primeiros dados e fotos do rover MASCOT, que pousou recentemente na superfície do asteroide Ryugu, e ficaram completamente perplexos. Os dados obtidos apontam para uma quantidade extremamente baixa de poeira na superfície do …

Ossadas contam história de criança neandertal devorada por pássaro gigante da Idade do Gelo

Arqueólogos descobriram os restos humanos mais antigos já encontrados na Polónia. Análises posteriores revelaram pertencerem a uma criança neandertal que terá sido devorada por um pássaro gigante. Apesar de as ossadas terem sido recuperadas há já …

Cientistas descobrem de que são feitos os exoplanetas semelhantes à Terra

Investigadores da Universidade de Zurique analisaram a composição e estrutura de exoplanetas distantes usando ferramentas estatísticas. A sua análise indica se um planeta é parecido com a Terra, se é composto por rocha pura ou …

10% dos homens são daltónicos

Um em cada 10 homens sofre de daltonismo, uma perturbação caracterizada pela incapacidade de diferenciar todas ou algumas cores. O daltonismo, também conhecido como discromatopsia ou discromopsia, é uma perturbação da perceção visual caracterizada pela incapacidade …

O fundador da Ethereum prevê uma crise financeira até 2021

Vitalik Buterin, fundador da Ethereum, não é um entendido em economia global, mas prevê uma crise financeira até 2021. Vitalik Buterin, o prodígio de programação de apenas 24 anos que inventou a plataforma Ethereum aos 19 anos, …