Salvini acusa o “hipócrita” Macron de já ter recusado 48 mil imigrantes

european_parliament / Flickr

Matteo Salvini, líder da Liga e novo ministro do Interior italiano

O ministro do Interior italiano acusou o Presidente francês de querer dar lições de solidariedade a Itália e assegura que França já recusou 48 mil imigrantes, desde 2017, na fronteira italo-francesa.

“Desde o início de 2017 até hoje, a França do bom Emmanuel Macron recusou mais de 48 mil imigrantes na fronteira com Itália, incluindo mulheres e crianças”, criticou o ministro do Interior italiano, Matteo Salvini, nas redes sociais.

O político italiano acrescentou: “É esta a Europa solidária e que acolhe de que fala Macron e os benfeitores? Antes de dar lições aos outros, convidaria o hipócrita Presidente francês a reabrir as suas fronteiras e acolher os milhares de refugiados que prometeu receber”.

Segundo um documento enviado por fontes do Ministério do Interior, desde o início do ano foram recusados na fronteira 6.561 imigrantes com documentos de residência válidos em Itália e outros 10.915 estrangeiros sem documentos.

Organizações humanitárias têm denunciado em várias ocasiões as “múltiplas violações de direitos” que sofrem os imigrantes na fronteira de Ventimiglia, em Itália, ao serem recusados pelas autoridades francesas.

Macron respondeu na quarta-feira ao primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, e a Salvini, que se reuniram em Milão, que o consideraram o seu “principal opositor” na Europa, em matéria de migração.

“Neste momento, na União Europeia, há dois blocos, um liderado por Macron (…), que é o chefe dos partidos que apoiam a imigração, e do outro lado estamos nós, que queremos travar a imigração ilegal. Esta é a situação atual”, disse Orban numa conferência de imprensa conjunta realizada após o encontro.

Confrontado com estas declarações, Macron respondeu: “Se eles queriam apontar-me como o seu principal adversário, têm razão“. “Não cederei nada aos nacionalistas e àqueles que defendem esse discurso de ódio”, acrescentou o chefe de Estado francês em Copenhaga, no segundo dia da sua visita à Dinamarca. Segundo Macron, “está a estruturar-se uma oposição forte entre nacionalistas e progressistas” na Europa.

As duas partes têm, no entanto, um ponto em comum: querem fazer desta questão um marco nas eleições europeias, agendadas para maio de 2019.

O Presidente francês enfrentará a intenção de um dos seus principais opositores, o líder da França Insubmissa (extrema-esquerda), Jean-Luc Mélenchon, de transformar o escrutínio num “referendo anti-Macron”.

Ludovic Marin / EPA

O Presidente francês, Emmanuel Macron

O ministro do Interior italiano, insistindo em que o seu país não será “o campo de refugiados da Europa”, forma uma frente comum com Orban. “Estamos a concentrar-nos num eixo, veremos o que será possível fazer em conjunto. Estamos todos a trabalhar para a construção de uma outra Europa“, declarou.

Ao mesmo tempo, Emmanuel Macron procura aliados dentro da União Europeia (UE) para constituir um “arco progressista”, um dos objetivos da sua visita à Dinamarca e à Finlândia até quinta-feira.

“Os extremos cresceram e os nacionalismos despertaram. É uma razão para desistir? Com certeza que não. De facto, é preciso redobrar os esforços“, sustentou Macron na segunda-feira, ao apresentar o seu programa diplomático aos embaixadores franceses, advertindo de que esse combate, que “acabou de começou”, será “longo e difícil”.

Em Copenhaga, o chefe de Estado francês insistiu na “seriedade” e no “espírito de responsabilidade” que são necessários “para lidar com” a questão das migrações “em profundidade” e “permanecendo fiéis aos valores” europeus.

“Ora, não é isso que Orban e Salvini propõem”, observou. Para Macron, estes últimos são “oportunistas” da Europa que beneficiam dos seus subsídios mas rejeitam as obrigações. “Os “xenófobos não trazem qualquer solução para o mal que denunciam”.

O diálogo anuncia-se tenso no próximo encontro dos dirigentes europeus, que se reunirão a 20 de setembro em Salzburgo para um conselho informal parcialmente dedicado à questão dos migrantes.

Na sua última cimeira, em junho, chegaram a acordo para promover a criação de “centros controlados” em território da UE e “plataformas regionais de desembarque” na bacia mediterrânica.

Roma subiu de tom na semana passada ameaçando parar de contribuir para o orçamento da UE se não for encontrada uma solução para resolver a situação do “Diciotti”, um navio retido no porto de Catânia, na Sicília, com cerca de 150 pessoas a bordo.

Os migrantes acabaram por desembarcar na madrugada de domingo, na sequência de um acordo entre a Igreja italiana, a da Albânia e a da Irlanda para dividirem entre si o apoio a dar-lhes.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Salvini talvez esteja a tentar salvar a Itália de uma invasão muçulmana como aquela que já existe em França e para a qual os franceses já não têm solução, estão condenados culturalmente, economicamente e civilizacional mente, daí haver cada vez mais vozes a levantarem-se contra esta forma de governar na Europa a qual até tem tido algumas culpas na desgraça de muitos destes refugiados ao meter o nariz onde não são chamados, recordo as Primaveras árabes e o resultado daí tirado sobretudo na Síria.

RESPONDER

Cientistas convertem água em combustível solar

Uma equipa de investigadores britânicos usou uma metodologia única que permite transformar água em combustível solar, que pode ser uma solução para energia renovável. Esta metodologia única utilizada por uma equipa de cientistas da Universidade de …

"Em Casa d’Amália": RTP comemora cententário da fadista

A Fundação Amália Rodrigues junta-se à RTP para assinalar o centenário da fadista. O programa Em Casa d’Amália tem estreia marcada para a próxima sexta-feira (10) e reúne várias figuras da música portuguesa da atualidade. O …

Desapareceram 21 milhões de números de telefone na China. Mas o mistério foi resolvido

O porta-voz de uma das três maiores operadoras chinesas confirmou o desaparecimento dos utilizadores, mas deu uma explicação para este mistério. Nos últimos dias, surgiram vários relatos de notícias que davam conta de que, entre janeiro …

Mercadona doa 20 mil quilos de chocolate aos profissionais de saúde e aos mais carenciados

A Mercadona anunciou, esta quarta-feira, a doação de 20 mil quilos de chocolate ao Banco Alimentar Contra a Fome do Porto. O objetivo é proporcionar uma Páscoa mais doce aos mais carenciados e aos que …

"Paciente 1" em Itália recupera (e dá as boas-vindas a Giulia, a sua filha recém-nascida)

Giulia, a filha recém-nascida do "paciente 1" de Itália, veio para trazer alguma esperança ao país, em plena pandemia de covid-19. Mattia, de 38 anos, foi internado no dia 20 de fevereiro no hospital de Codogno, …

Investigadores transformaram o coronavírus em música (e já o podemos ouvir)

Uma equipa de investigadores do Instituto de Tecnologia de Massachussets (MIT) conseguiu transformar em som a estrutura da proteína spike, que permite que o novo coronavírus adira às células para infetá-las. Até agora, já pudemos ver …

Autoeuropa quer recorrer ao lay-off (e retomar produção a 20 de abril)

A administração da Autoeuropa quer promover um regresso gradual ao trabalho a partir de 20 de abril, pretendendo recorrer ao lay-off simplificado para os trabalhadores que não regressem ao trabalho nessa data. “O regresso ao trabalho …

Ex-mulher de astronauta acusada de mentir sobre o "primeiro crime espacial"

A ex-mulher da astronauta da NASA Anne McClain, Summer Worden, foi acusada formalmente de mentir sobre o "crime espacial" que McClain terá cometido. Em agosto de 2019, o jornal norte-americano The New York Times noticiou que …

Em Singapura, os parques de estacionamento são agora quintas urbanas

A pandemia de covid-19 está a obrigar alguns países a adaptarem-se. É o caso de Singapura, que está a transformar os parques de estacionamento em quintas urbanas para aumentar a produção alimentar. Só 1% do território …

O empresário mais odiado do mundo quer sair da prisão (para desenvolver um medicamento para a covid-19)

Martin Shkreli, o empresário mais odiado do mundo, quer sair brevemente da prisão para ajudar a desenvolver um tratamento para a covid-19. Num artigo publicado no site da empresa de Shkreli, Prospero Pharmaceuticals, juntamente com outros …