Saldos já terão novas regras no próximo Natal

Foi publicada esta quarta-feira a alteração à lei dos saldos. A medida, comunicada em maio ao Conselho Nacional de Consumo, aprovada em Conselho de Ministros em junho e promulgada em julho pela Presidência da República, torna mais exigente aos comerciantes a realização de saldos.

O objectivo dos saldos continua a ser “promover o escoamento acelerado das existências”. Mas os conceitos de saldos e promoção são submetidos a definições adicionais: o valor pedido pelos produtos e de serviços nestas épocas é “um preço inferior ao preço mais baixo anteriormente praticado”; e este é “o preço mais baixo a que o produto foi vendido, fora de eventuais períodos de saldo ou de promoção, nos 90 dias anteriores ao dia em que é posto à venda em saldo ou em promoção”.

Se um comerciante quiser saldar stocks ou fazer promoções, passa, a partir de agora, a ter de o fazer a preços mais baixos do que os faturados aos consumidores nos três meses anteriores. E tem de provar que a vantagem “é real e concretizável”.

Ao estabelecer 90 dias como prazo de referência, o legislador tenta assim combater as situações de “falsos” saldos, em que um preço possa ser artificialmente inflacionado imediatamente antes dos saldos, enganando os consumidores com a publicitação de um preço que não vigorou por um espaço maior de tempo antes do escoamento de stocks.

Os saldos  mantêm um limite temporal anual: não podem ultrapassar “no seu conjunto, a duração de 124 dias por ano”. A anterior designação era de “duração de quatro meses por ano”. Ao publicar um decreto-lei que “entra em vigor 60 dias após a data da sua publicação” o Governo dá dois meses aos comerciantes para se prepararem.

O grande teste para saldar stocks sob a nova regulamentação vai ser o Natal, já que, com as novas regras em vigor a partir de meados de outubro, o momento coincide com a contagem dos 90 dias que servirão de referência para a aferição do patamar abaixo do qual têm de estar os preços dos saldos de janeiro.

As promoções, diferentes de saldos porque são uma alienação “promovida com vista a potenciar a venda de determinados produtos ou o lançamento de um produto não comercializado anteriormente” num determinado estabelecimento, são igualmente sujeitas à comparação de preços nos 90 dias imediatamente anteriores.

Ao contrário da lei atualmente em vigor, saldos e promoções passam a partir de agora a ser feitos ao mesmo tempo. Sendo que as promoções não têm que ser declaradas pelo comerciante à ASAE no prazo mínimo de cinco dias úteis; e “podem ocorrer em qualquer momento considerado oportuno pelo comerciante”.

As novas regras estabelecem ainda que a emissão prévia do comerciante à ASAE de declaração de ocorrência de saldosou liquidações passa a ser feita “através do portal ePortugal”, quando antes era no “Balcão do empreendedor”. Uma norma transitória constante do novo decreto-lei permite que, “até ao dia 30 de junho de 2020” as notificações à ASAE possam ser feitas pelos comerciantes “através de qualquer meio de comunicação legalmente admissível”, lê-se no novo diploma.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

OE2021 ainda não foi votado, mas já se espera um aumento da despesa em mais de 300 milhões

Entre a entrega da proposta e a votação, o Governo voltou a negociar com os partidos, mostrando abertura para medidas na especialidade que deverão custar pelo menos mais 300 milhões de euros. O Orçamento do Estado …

Portugal é dos 10 países com melhores políticas de integração de migrantes

Portugal está no grupo dos dez países com melhores políticas de integração de migrantes, segundo uma avaliação de 52 estados que destaca o combate à discriminação ou a reunificação familiar como pontos fortes. Segundo o Índice …

Lukashenko classifica grevistas e manifestantes como terroristas. Mais de 600 pessoas foram detidas

O Presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, comparou com terrorismo a atitude de manifestantes e grevistas que participaram na greve nacional convocada pela oposição e nos protestos de cidadãos para exigir a sua renúncia. "Estamos a começar …

"Não acredito que cumpra as nossas leis". Trump diz que voto por correspondência é "inapropriado"

O Presidente dos Estados Unidos (EUA) disse que é "inapropriado" os estados levarem vários dias a contar os votos por correspondência, defendendo que o vencedor deve ser declarado na noite das eleições. "Seria muito, muito apropriado …

Reservas de sangue O+ e A+ com níveis críticos. Federação apela à dádiva

A Federação Portuguesa de Dadores Benévolos de Sangue (FEPODABES) alertou, esta terça-feira, que as reservas nacionais estão com níveis críticos dos tipos O+ e A+, apelando aos portugueses para darem sangue. Em comunicado, a FEPODABES refere …

Madeira quer visitantes infetados a ajudar nas despesas da estadia. "É aquilo que é justo"

O presidente do Governo madeirense anunciou esta terça-feira que decorrem diligências para encontrar mais uma unidade hoteleira para acolher doentes com covid-19, defendendo que os visitantes infetados devem ajudar a custear as despesas da sua …

Filhos de pais separados não podem circular entre concelhos no fim-de-semana

Os filhos de pais separados não poderão deslocar-se entre concelhos para efetuar trocas de residência entre os progenitores entre 30 de outubro a 3 de novembro, o próximo fim-de-semana que abrange o Dia de Todos …

Receita fiscal cai 2.822,7 milhões arrastada pela quebra do IVA e IRC

A receita fiscal do subsetor Estado registou uma redução de 2.822,7 milhões de euros até setembro, recuando 8,3% face ao mesmo período de 2019, refletindo os efeitos da pandemia, segundo a Síntese de Execução Orçamental. “No …

Novo Banco põe à venda carteiras de malparado (e têm nomes de jogadores de râguebi)

Depois de ter cancelado o projeto “Nata 3”, com crédito malparado no valor de 1,2 mil milhões de euros, o Novo Banco prepara agora a venda de carteiras de dimensões mais reduzidas. A revelação foi feita …

"Racismo cultural". Com França e Turquia em rota de colisão, Charlie Hebdo publica caricatura de Erdogan

Numa altura em que França e Turquia estão em rota de colisão, a publicação satírica Charlie Hebdo colocou o presidente turco Recep Tayyip Erdogan na capa a levantar as vestes de uma mulher. De acordo com …