Mais de 400 corpos em valas comuns. Rússia “repetiu em Izium o que fez em Bucha”, diz Zelenskyy

5

Roman Pilipey / EPA

O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, denunciou a situação na cidade de Izium, no Leste da Ucrânia, onde as forças ucranianas encontraram centenas de corpos em valas comuns.

Os cadáveres de centenas de pessoas começaram a ser lentamente retirados de um pinhal próximo de Izium onde as autoridades ucranianas encontraram uma imensidão de cruzes espetadas na terra.

Trabalhadores com fatos azuis e brancos, pás e capacetes passaram todo o dia de sexta-feira a exumar os corpos um a um e a guardá-los em sacos de plástico para serem examinados.

A polícia disse ter identificado à volta de 450 sepulturas numeradas, que se julgam serem na maioria individuais, e pelo menos uma vala comum que continha a inscrição “Exército ucraniano, 17 pessoas. Morgue de Izium”. O assessor da Presidência ucraniana, Mykhailo Podoliak, avançou a mesma informação.

“Na região de Kharkiv, estão em curso ações de investigação nas áreas que foram libertadas da ocupação russa. Todos os crimes dos apoiantes da Rússia estão a ser registados, as provas da sua culpa estão a ser reunidas”, afirmou o líder ucraniano, no seu discurso na sexta-feira à noite.

Zelenskyy destacou ainda que “câmaras de tortura, nas quais foram abusados habitantes pacíficos de cidades e vilas ocupadas, e instalações em que pessoas foram mantidas [reféns] – até mesmo estrangeiros – foram encontradas”.

“O mundo deve reagir a tudo isto. A Rússia repetiu em Izium o que fez em Bucha”, disse, acrescentando que “agora começamos a conhecer toda a verdade sobre o que estava a acontecer nesta parte da região de Kharkiv”.

O Presidente ucraniano sublinhou a importância de a Organização das Nações Unidas (ONU) estar a preparar uma visita de um grupo de especialistas ao local, que poderá testemunhar e reportar “o que os terroristas russos fizeram”.

No Telegram, Zelenskyy já tinha dito: “a Rússia provoca apenas morte e sofrimento. Assassinos. Torturadores. Privados de tudo o que é humano”.

Wagner recruta reclusos para combater na Ucrânia

Yevgney Prigozhin, fundador do grupo Wagner, uma rede de mercenários com ligações a Vladimir Putin, foi filmado numa prisão a tentar recrutar reclusos para lutar na guerra na Ucrânia. “Ninguém volta a ficar atrás das grades”, prometeu.

“Se servirem seis meses, estão livres”, explicou, indicando que só seriam considerados homens entre os 22 e os 50 anos de idade. “Se chegarem à Ucrânia e decidirem, no primeiro dia, ‘estou num sítio onde não quero estar’, são designados desertores e segue-se uma execução pelo pelotão de fuzilamento”, referiu.

O vídeo, que começou a circular esta semana no Telegram, confirma os relatos sobre visitas do grupo a prisões em várias regiões russas para recrutar reclusos.

“Temos muito cuidado com aqueles [reclusos] condenados por crimes sexuais”, disse Prigozhin, acrescentando: “mas percebemos que os erros acontecem.”

O grupo Wagner é acusado há anos de crimes de guerra em África, na Síria e na Ucrânia. Recentemente, vários mercenários da rede foram ligados ao massacre na cidade ucraniana de Bucha, onde centenas de civis foram executados a tiro.

Num comunicado partilhado nas redes sociais pouco depois de o vídeo se ter tornado viral, Prigozhinn declarou: “ou são empresas militares privadas e reclusos, ou são os vossos filhos – decidam”.

  ZAP //

5 Comments

  1. No cemitério em questão estão os corpos de soldados ucranianos mortos em combate e abandonados pelas tropas ucranianas, e que foram dignamente enterrados pelas autoridades russas. O que é de condenar é a forma como o exército ucraniano abandonou os corpos dos seus soldados mortos em combate. Só selvagens fazem isso.

    • Tu tens um sério problema mental para resolver…
      Então, pela tua ideia terão sido os ucranianos a torturar os próprios compatriotas?! Olha… procura ajuda.

      • Não houve qualquer tortura, a não ser no guião da propaganda ucraniana. Os ucranianos abandonam od seus soldados mortos em combate.

        • Estás baralhado. Quem tem feito isso são precisamente os russos. Ainda há pouco tempo, os ucranianos trocaram mortos russos por presos ucranianos.
          Faz um favor a ti mesmo e procura ajuda. Ainda pode ser que vás a tempo!

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.