Kiev diz ter encontrado “câmara de tortura” na cidade libertada de Balakliya

Ministério da Defesa ucraniano / Twitter

Ministério da Defesa ucraniano divulgou uma imagem do que diz ser uma “câmara de tortura”

O Ministério da Defesa ucraniano divulgou esta quarta-feria uma imagem de uma parede com o Pai Nosso inscrito, informando que se trata de uma “câmara de tortura” na cidade de Balakliya, recuperada pelas forças de Kiev.

“Câmara de tortura russa em Balakliya libertada. O Pai Nosso foi esculpido na parede por prisioneiros ucranianos. A Rússia deve ser responsabilizada por este flagrante genocídio”, lê-se na mensagem do Ministério da Defesa ucraniano que acompanha a foto partilhada no Twitter.

Ao Guardian, o chefe do departamento de investigação da Polícia Estadual da região de Kharkik, Serhii Bolvinov, disse que cerca de 40 pessoas estiveram detidas durante a ocupação russa. À BBC, um homem contou que esteve encarcerado durante 46 dias, tendo sido torturado com choques elétricos.

“Os investigadores têm informações sobre os moradores mortos da cidade. Sabe-se que foram baleados no posto de controlo pelos russos no último dia da ocupação”, afirmou Bolvinov, referindo que ainda estão a decorrer as investigações.

“Os investigadores têm informações sobre os moradores mortos da cidade. Sabe-se que foram baleados no posto de controlo pelos russos no último dia da ocupação”, afirmou Bolvinov, referindo que ainda estão a decorrer as investigações.

Os serviços de emergência ucranianos afirmaram que há muito trabalho a fazer nos territórios recém-libertados da região de Kharkiv, onde está localizada a cidade de Balakliya, uma vez que não há eletricidade, água e em algumas zonas não há gás.

“A desminagem dos objetos mais importantes da infraestrutura crítica da cidade já começou hoje, para permitir que outros serviços de emergência e serviços públicos trabalhem para restaurar as condições de vida seguras e normais para seus moradores”, disseram autoridades ucranianas, de acordo com Guardian.

Balakliya faz parte dos territórios reconquistados na contraofensiva de Kiev, que reclama milhares de quilómetros quadrados libertados das forças russas. A Ucrânia garante que recuperou o controle de milhares de quilómetros quadrados no leste e no sul em duas semanas.

  ZAP //

 

 

 

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.