Rúben Ribeiro pensou que ia morrer em Alcochete, Gelson recebeu SMS a avisar do ataque

Octávio Passos / Lusa

Rúben Ribeiro e Gelson Martins foram ouvidos, esta sexta-feira, na 22.ª sessão do julgamento, que decorre no tribunal de Monsanto, em Lisboa.

“Sinceramente, pensei que ia morrer, foi um cenário de horror, estavam constantemente a dizer: ‘vamos matar-vos'”, disse Rúben Ribeiro, esta sexta-feira, na 22.ª sessão do julgamento.

O jogador, que depois do ataque rescindiu unilateralmente com o Sporting num processo que ainda não está resolvido, afirmou ter temido também pela estabilidade da família: “Quando cheguei a casa e deparei-me com a minha esposa e os meus filhos a chorar, principalmente o mais velho”.

Rúben Ribeiro, que se constituiu assistente no processo, explicou que no dia seguinte ao ataque, retirou os filhos do colégio e mandou a família para o Porto.

O médio, que foi ouvido por videoconferência a partir do tribunal de Matosinhos, afirmou inicialmente, quando questionado pela juíza, que alguns elementos do plantel terão dito aos restantes para não falarem com o então presidente, Bruno de Carvalho, afirmação que não confirmou quanto interrogado pelo advogado Miguel Fonseca, defensor do ex-dirigente.

“Depois do ataque, na sala de convívio o ‘mister’ ou o Rui Patrício, não me lembro qual, disseram para não falar com o presidente”, disse, numa primeira versão, afirmando, mais tarde, que “ninguém disse isso”.

Rúben Ribeiro explicou que “as cerca de 30 ou 40 pessoas” que entraram no balneário gritavam e insultavam os jogadores.

“Estavam a gritar, a dizer que nos iam matar. Chamavam-nos nomes e diziam: ‘Vocês não merecem vestir a camisola’ e ameaçavam que se não ganhássemos no domingo [final da Taça de Portugal] íamos ver o que nos acontecia”.

O futebolista explicou que os invasores “dirigiram-se primeiro ao Acuña, que foi agredido com socos na zona da cabeça”, disse ter “levado um estalo” e ter visto os companheiros Misic e William Carvalho serem agredidos, e ainda ferimentos “na cabeça de Bas Dost e no lábio e num dos olhos de Jorge Jesus”.

O futebolista, que depois de ter saído do Sporting esteve meses sem clube, referiu que quando iam a sair os agressores disseram: “vamos embora, vamos embora que isto deu para o torto”.

Rúben Ribeiro / Facebook

O jogador Rúben Ribeiro

Durante a tarde foi ouvido Gelson Martins, que admitiu ​​​​​​​em tribunal ter recebido uma mensagem no telemóvel, que só leu posteriormente, a avisá-lo de que algo ia acontecer na academia em Alcochete, no dia da invasão.

Recebi a mensagem a avisar que estavam a invadir a academia, mas, como não estamos sempre com o telemóvel, só a vi depois. Era de um amigo que passou junto da academia e viu o grupo de adeptos a aproximar-se”, disse o jogador, ouvido por Skype.

O médio, que alinha no Mónaco por empréstimo do Atlético de Madrid, mostrou alguma relutância em identificar o amigo que lhe enviou a mensagem, garantindo que já o tinha feito durante a fase de inquérito, mas acabou por fazê-lo a pedido da juíza.

Gelson, de 24 anos e que representou o Sporting durante sete, disse ter “sentido muito medo” e ficado “paralisado” quando a academia do clube foi invadida.

“Tive medo, paralisei perante a situação. Foi uma situação mesmo muito difícil, e acho que até hoje ainda sinto alguma dificuldade em lidar com isso, foi muito difícil para mim e para a minha família”, referiu, acrescentando: “depois daquilo, nunca andava sozinho na rua.”

Gelson Martins disse ter estado perto de Acuña, que foi agredido “com pontapés, socos e chapadas”, e lembrou que um dos agressores lhe disse para não ter medo, que não lhe ia acontecer nada.

“Quando estavam a bater no Acuña, estava um rapaz à minha frente, que não fez nada, e disse-me para eu ficar ao pé dele que não me ia acontecer nada. Como tinham todos a cara tapada não o reconheci”, disse.

Perante o coletivo de juízes, e depois de ter visto, a pedido da advogada Sandra Martins, a cara do arguido Domingos Monteiro, que descreveu “como um amigo da namorada”, disse que, “pela lógica”, só podia ter sido essa a pessoa que o protegeu.

O médio confirmou declarações anteriores de outros futebolistas e membros da equipa técnica de que os “seguranças tentaram fechar as portas, mas não conseguiram evitar a entrada do grupo” e que os agressores tinham como principais alvos Battaglia, Acuña, William Carvalho e Rui Patrício.

Gelson referiu ainda ter visto uma “tocha a atingir o preparador físico” e disse só se ter apercebido “do som do alarme de incêndio no final do ataque”.

O julgamento prossegue na próxima quarta-feira, 29 de janeiro, com as audições dos jogadores Piccini e Fábio Coentrão e o enfermeiro Carlos Mota.

Na sexta-feira, dia 31, deverão ser ouvidos André Geraldes, ex-team manager do Sporting, que aguarda resposta ao pedido para ser ouvido por videoconferência, e William Carvalho, atual jogador do Bétis e um dos capitães dos leões à data dos factos.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Mais seis mortos nos protestos em Myanmar. Embaixador na ONU afastado

Seis manifestantes foram mortos em Myanmar, este domingo, por forças de segurança que dispersavam com violência as manifestações pró-democracia. Três manifestantes foram mortos em Dawei (no sul do país), enquanto dois adolescentes, de 18 anos, morreram …

Siza Vieira anuncia que Programa Apoiar vai ser reforçado e alargado

O programa Apoiar, destinado a empresas afetadas pela pandemia da covid-19, vai ser reforçado e alargado a novas situações, anunciou o ministro da Economia, indicando que as medidas vão ser anunciadas na próxima semana. "Queremos reforçar …

Embaixadora deixa Venezuela na terça-feira. UE chama embaixador em Cuba

A embaixadora da União Europeia na Venezuela vai sair do país na terça-feira, informou à agência Lusa fonte diplomática europeia, sem adiantar mais detalhes. Na última quarta-feira, a Venezuela decidiu expulsar Isabel Brilhante Pedrosa, em retaliação …

EUA aprovam vacina unidose da Johnson & Johnson. Nova Zelândia volta ao confinamento

O regulador do medicamento norte-americano aprovou, este sábado, a vacina contra a covid-19 da Johnson & Johnson, a terceira autorizada nos Estados Unidos. A vacina em causa da Johnson & Johnson é de dose única e junta-se …

Estes traços psicológicos podem ajudar a identificar pessoas vulneráveis ao extremismo

As características dos cérebros das pessoas podem oferecer pistas sobre as suas crenças políticas, sugere um novo estudo científico. Num estudo com cerca de 350 cidadãos norte-americanos, uma equipa de investigadores examinou a relação entre as …

Fóssil de lula vampiro perdido durante a Revolução Húngara foi redescoberto

Em 2019, uma equipa de investigadores encontrou o fóssil que estava perdido nas coleções do Museu de História Natural da Hungria, enquanto procurava fósseis de ancestrais de chocos. Contudo, o fóssil foi descoberto originalmente em 1942 …

Após escalada de suicídios, Japão nomeia Ministro da Solidão

O Japão nomeou um Ministro da Solidão após um recente aumento no número de suicídios, exacerbado pela crise provocada pela pandemia de covid-19. Estudos recentes mostraram que o Japão tem altos níveis de isolamento social, em …

Grande carruagem cerimonial descoberta quase intacta em Pompeia

Uma grande carruagem cerimonial de quatro rodas, com elementos de ferro, decorações de bronze e estanho, restos de madeira mineralizada e vestígios de elementos orgânicos, como cordas, foi encontrada quase intacta na área arqueológica de …

FC Porto 0-0 Sporting | Nulo com sabor a vitória para o "leão"

O “clássico” do Dragão, entre FC Porto e Sporting, terminou sem golos, sem grande futebol, e com um “leão” cada vez mais perto do título, apesar de ainda faltar muito campeonato.  A igualdade permite à formação …

Adolesceste entusiasta por pirotecnia construiu o seu próprio simulador profissional de fogos de artifício

O FWsim foi lançado pela primeira vez em 2010 como um software de planeamento de fogos de artifício, voltado para profissionais de pirotecnia e entusiastas de fogos de artifício. Em 2006, conta o Vice, Lukas Trötzmüller …