Ronaldo pode deixar de jogar já daqui a um mês. Com uma condição

Miguel A. Lopes/EPA

Cristiano Ronaldo em treino da selecção

A ideia do português é jogar mais três anos, no máximo. Mas se levantar mais um troféu no Qatar e se a final tiver um determinado desfecho…

2025 deverá ser o ano de despedida dos relvados de Cristiano Ronaldo, disse o próprio: “Quero jogar mais dois ou três anos, no máximo. Quero terminar aos 40 anos (nasceu em 1985), é uma boa idade”.

“Mas nunca se sabe o futuro. A vida é dinâmica”, avisou o futebolista português na entrevista na TalkTV.

Para já, vem aí o Mundial 2022, “provavelmente” o seu último Mundial. “Vai ser difícil estar no Mundial 2026“.

“Para este Mundial, estou muito optimista. Temos um treinador fantástico e uma grande geração de jogadores. Estou convicto de que vamos fazer um grande torneio”, acredita.

Depois de mais de 30 títulos, ser campeão do mundo seria a cereja no topo do bolo da sua carreira? A resposta foi às prestações: “Eu não… Eu não… Nunca sonh… Bem, sonhei uma vez em ser campeão mundial”.

“Vai ser difícil, muito difícil, mas tudo é possível. Claro que vamos lutar, é difícil vencer Portugal. Não somos favoritos, nunca somos. França, Espanha, Alemanha, Argentina e Brasil são favoritos. Inglaterra e Portugal têm possibilidade”, analisou o avançado, que agora defende que todos se devem focar no futebol. Pensar sobre a escolha do Qatar deveria ter sido antes.

O entrevistador Piers Morgan apresentou ao português um cenário: final do Mundial 2022, Portugal-Argentina, Ronaldo e Messi já tinham marcado dois golos, o jogo estava empatado, e aos 93 minutos, Ronaldo marca o golo da vitória na final.

“Isso seria bom demais. Se isso acontecesse, posso dizer que terminaria logo a minha carreira. 100% de certeza”, assegurou o capitão da selecção nacional, entre sorrisos.

Sem sorrisos, afirmou que será a “pessoa mais feliz do mundo” se Portugal for campeão mundial daqui a um mês. “Mesmo que seja o guarda-redes a marcar”.

Messi, um dos melhores de sempre

Já se esperava que Lionel Messi aparecesse na conversa. Cristiano repetiu os elogios ao argentino, um dos melhores que já viu jogar. Só ao nível de Zidane.

“Como jogador é extraordinário, mágico, de topo. Partilhámos o relvado 16 anos. Tenho uma boa relação com ele. Não somos amigos de falar ao telefone ou de ir a casa um do outro, mas é como se fosse um colega de equipa e respeito-o”, comentou.

“Nunca jantei com ele. Mas um dia vai acontecer, daqui a uns anos. Adoro conhecer pessoas, partilhar ideias e aprender coisas e novas histórias e cérebros. Farei isso. Sou boa pessoa, tenho um bom coração e não gosto de criticar as pessoas. Não é a forma como levo a vida”, finalizou.

Sair de Manchester, Arsenal campeão

Cristiano Ronaldo disse que se arrependeu de ter saído mais cedo do jogo de pré-temporada entre Manchester United e Rayo Vallecano. “Mas outros oito jogadores fizeram o mesmo e só falaram sobre mim. Sou a ovelha negra“, queixou-se.

Depois de tantos episódios e de tantas críticas, dificilmente o português vai voltar a jogar pelo United: “Talvez seja o melhor para o clube e para mim ter um novo capítulo. Se voltar, irei ser o mesmo Cristiano, mas espero que as pessoas estejam do meu lado e me deixem brilhar”.

Em relação à Premier League, Cristiano espera que o Arsenal seja campeão. Caso não seja o Manchester United, claro.

O avançado revelou que, no Verão deste ano, recusou uma proposta de 350 milhões de euros por duas épocas, proveniente da Arábia Saudita.

 

  Nuno Teixeira da Silva, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.