O Rio Tejo está “por um fio”

Nuno Veiga / Lusa

Autarcas, ambientalistas e pescadores do Alto Alentejo estão preocupados com o cenário do caudal do rio Tejo. O último inverno foi quente e o quarto mais seco do século.

O caudal do rio Tejo está transformado num pequeno fio de água em várias zonas do seu trajeto, sendo a seca o principal motivo deste cenário que preocupa autarcas, ambientalistas e pescadores do Alto Alentejo e Ribatejo.

Além da seca, a retenção de águas em albufeiras, açudes e o “escrupuloso” cumprimento por parte das autoridades espanholas em relação aos limites acordados quanto aos caudais são outras das preocupações de quem vive entre Gavião (Portalegre) e Mação (Santarém).

Manuela Martins permanece há 56 anos junto às barracas dos pescadores, na zona do paredão da Barragem de Belver, em Ortiga, no concelho de Mação (Santarém) e, em declarações à Lusa, diz que o rio Tejo “está no fundo” porque “há três anos” que não chove.

O mesmo sentimento de tristeza de Manuela Martins, antiga vendedora de peixe do rio, é partilhado pelo antigo pescador Camilo Vidal, que afirma que este período de seca está a ser difícil para os pescadores no ativo, uma vez que “não apanham peixe nenhum” para poderem sobreviver.

Ricardo Vermelho é um dos poucos pescadores ainda no ativo, está também ligado ao setor da restauração em Mação, e “aponta o dedo” a Espanha, sustentando que as autoridades do país vizinho retêm a água do rio nas suas barragens, situação que tem provocado um rio Tejo “sempre seco” naquela zona ribatejana.

“Há mais de um ano que o Tejo está sempre seco, sempre seco, de dia e de noite. Aí a 30 ou 40 metros de água, de manhã às sete horas mete um bocadito, às oito ou nove da noite mete mais um bocadito, o resto do dia sempre seco, de inverno, de verão, há mais de um ano está sempre seco”, relatou.

Arlindo Marques, conhecido como o “guardião do Tejo” pela sua luta em defesa do rio, distinguido em 2018 pela Confederação das Associações de Defesa do Ambiente com o Prémio Nacional do Ambiente, diz à Lusa que a situação “não é normal”.

“Numa altura destas, acabou o inverno há meia dúzia de dias, e o rio já está assim, eu não prevejo nada de bom futuramente, e são mais seis ou sete meses sem chuva, a chover em outubro… Isto é uma questão para continuarmos a acompanhar, claro que não podemos fazer nada, mas a minha experiência de andar aqui com esta gente toda é que isto é um ano dramático”, alertou.

Em pleno leito seco do rio Tejo, o ambientalista relata ainda que recentemente passou a pé entre as duas margens e que a água tinha uma altura “acima dos tornozelos”. “É um fio (caudal). Eu tenho um barco de coluna curta, nunca podia por ali o barco, bate nas pedras, não dá. Só com uma canoa ou um caiaquezinho e eu já ai passei com ele, tem uma barbatana por baixo que tive de tirar porque roça nas pedras”, acrescentou.

O também dirigente do Movimento pelo Tejo defende que os acordos entre Portugal e Espanha deveriam estipular um valor diário de caudal, em vez de ser apenas enviado um determinado volume de água na época de inverno.

“Eles (autoridades espanholas) têm x para mandarem de caudal, eles mandam na parte do inverno e está mandado o caudal, que devia ser diário, um pouquinho de cada vez, porque a barragem de Alcántara (Espanha) ainda tem 60% de água. Alcántara é tão grande, basta um centímetro de água para nos meter aqui um bom caudal durante uns dias, agora se não há água em Espanha eles também não vão mandar”, disse.

Para manter o caudal ecológico, Arlindo Consolado Marques espera que as autoridades portuguesas libertem alguma água armazenada nas albufeiras de Parcana, Belver e Fratel, para “evitar” que o rio seque nos próximos tempos.

O presidente da Câmara de Gavião (Portalegre), José Pio, mostra-se igualmente preocupado com a situação, principalmente com o cenário “dramático” em que se encontram os pescadores da região, numa altura em que a lampreia deveria “reinar” nas mesas dos restaurantes, mas por falta de água tem de ser adquirida noutras zonas do país e no estrangeiro.

“Eu penso que, sobretudo, temos de melhorar as convenções que temos com Espanha”, começou por referir à Lusa, defendendo ainda que os autarcas das zonas ribeirinhas devem unir-se em prol desta causa.

“Todos nós, autarcas das zonas ribeirinhas, devíamos começar a pensar de uma forma global e termos a capacidade de, em conjunto, fazermos aquilo que se impõe que é manifestarmo-nos junto do Governo português numa primeira instância e, de seguida, junto das entidades europeias para que o rio volte a ter a sua água normal”, defendeu.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Sporting 1 - 4 Lask | “Leão” goleado diz adeus sem glória

O Sporting despediu-se das competições europeias sem glória. No “play-off” de acesso à fase de grupos da Liga Europa, os “leões” foram goleados por 4-1 recepção da noite desta quinta-feira ao LASK Linz. Trauner, Raguz, …

JAXA e GITAI fazem a primeira demonstração mundial de robótica espacial do setor privado

A startup de robótica espacial GITAI e a Japan Aerospace Exploration Agency (JAXA) estão a unir esforços para produzir a primeira demonstração de robótica no Espaço por uma empresa privada. O acordo assinado pela GITAI e …

Resort da Tailândia processa norte-americano por causa de avaliação negativa no Tripadvisor. Arrisca dois anos de prisão

Um resort de uma ilha da Tailândia processou um norte-americano por causa de uma análise negativa no Tripadvisor. Se for considerado culpado, o homem pode ser condenado a até dois anos de prisão. Wesley Barnes …

Em 2020, o Ártico teve a segunda menor extensão de gelo já registada

A 15 de setembro de 2020, o gelo do mar Ártico atingiu a sua extensão mínima anual, a segunda menor já registada. A região do Ártico em geral está a aquecer três vezes mais depressa …

Assassinato em série por resolver. Vacas podem estar a pisar coalas até à morte

Afinal, as vacas podem não ser herbívoros inofensivos. Um novo estudo revela que estes animais podem estar a pisar - e a matar - coalas em toda a Austrália. Os coalas enfrentam muitas ameaças, mas raramente …

Em apenas dois dias, duas mulheres "dalit" morreram vítimas de violação na Índia

De acordo com a polícia local, uma segunda mulher dalit morreu na Índia após ter sido violada por dois homens. Outro caso semelhante aconteceu esta semana, depois de uma jovem de 19 anos, do mesmo …

A Casa Branca contratou para a NOAA cientistas que defendem que as mudanças climáticas "são uma mentira"

Funcionários do governo norte-americano terão abordado cientistas com historial de críticas regulares sobre as mudanças climáticas causadas pelo homem, aos quais foram propostos cargos de gestão na NOAA. Segundo especialistas citados pela E&E News, esta …

United quase pede para Dalot sair

Adeptos pensavam que o português nunca mais ia jogar pela equipa principal do Manchester United. Jogou na Taça da Liga e não convenceu. O Manchester United seguiu para os quartos-de-final para a Taça da Liga inglesa, …

Testemunhas revelam que agentes de inteligência dos EUA consideraram sequestrar (e envenenar) Assange

Testemunhas anónimas revelaram em tribunal que planos para envenenar ou sequestrar Julian Assange da embaixada do Equador foram discutidos entre fontes da inteligência dos Estados Unidos e uma empresa de segurança privada que espiou o …

"Assassino do Twitter" assume ter matado 8 mulheres que partilharam pensamentos suicidas

O caso está a chocar o Japão. Perante o Tribunal de Tóquio, Takahiro Shiraishi declarou-se culpado, após ter assassinado e esquartejado oito mulheres e um homem em 2017. O assassino conheceu as vítimas através da rede …