Rio e Relvas nunca duvidaram da inocência de Miguel Macedo

Tiago Petinga / Lusa

O antigo ministro da Administração Interna, Miguel Macedo

O presidente do PSD, Rui Rio, afirmou esta sexta-feira que sempre acreditou que Miguel Macedo “estava inocente” no processo Vistos Gold e que nunca o achou “capaz de utilizar um cargo público em benefício próprio”.

O ex-presidente do Instituto de Registos e Notariado António Figueiredo foi esta sexta-feira condenado a quatro anos e seis meses de pena suspensa por corrupção e peculato de uso, tendo o tribunal absolvido o antigo ministro Miguel Macedo, no processo Vistos Gold.

Sempre acreditei que Miguel Macedo estava inocente. Conheço-o há muitos anos e nunca o achei capaz de utilizar um cargo público em benefício próprio”, escreveu Rui Rio na conta oficial do Twitter.

Há quase um ano, em 30 de janeiro de 2018, o líder do PSD já tinha declarado no julgamento do processo ter “a perceção” de que as ações do antigo ministro e colega de partido sempre se pautaram pela defesa do interesse público.

“A minha perceção é que a atuação de Miguel Macedo foi sempre determinada pelo interesse público“, declarou então Rui Rio, por videoconferência, na qualidade de testemunha abonatória de Miguel Macedo.

Questionado nesse momento por Castanheira Neves, advogado de defesa de Miguel Macedo, o presidente social-democrata garantiu que jamais teve conhecimento de qualquer facto ou sinal de que o antigo ministro da Administração Interna tivesse tomado uma decisão para favorecer interesses privados.

Também o antigo ministro Miguel Relvas mostrou satisfação com a decisão do tribunal, frisando que sempre acreditou na inocência de Miguel Macedo. Em declarações ao jornal Público, disse estar “feliz, muito feliz” e que “nunca” teve dúvidas de que “era inocente”.

Após a decisão que o absolveu de quatro acusações, o ex-ministro da Administração Interna disse que o tribunal deu resposta às “canalhices” que lhe fizeram.

O seu advogado considerou que a absolvição era “a consequência lógica e necessária da fraca produção de qualquer tipo de prova”, e classificou a acusação do Ministério Público como “infundada e desprovida de factualidade consistente”.

O então governante Miguel Macedo demitiu-se do cargo de ministro da Administração Interna do Governo PSD/CDS-PP, em novembro de 2014, na sequência das imputações que lhe foram feitas pelo Ministério Público, considerando que a sua autoridade enquanto governante estava diminuída.

Para o advogado, Miguel Macedo foi “atingido por um vendaval desencadeado pela acusação”, tendo ressalvado que “uma coisa é o procedimento não ter sido o mais correto do ponto de vista administrativo e outra era representar um ilícito penal”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Mais de metade dos ventiladores que chegaram da China ficam na Grande Lisboa

A região Norte concentra 57% dos casos de covid-19, mas mais de metade dos 144 ventiladores que chegaram este domingo da China vão ficar na Grande Lisboa. Segundo o Público, os ventiladores são uma oferta feita …

Nova Iorque pondera enterrar temporariamente vítimas de covid-19 em parques urbanos

As autoridades de Nova Iorque, nos Estados Unidos, ponderam utilizar parques urbanos locais para enterrar temporariamente vítimas da pandemia de covid-19, anunciou o presidente do comité de saúde do conselho da cidade, Mark Levine. "Em breve, …

Ações de Isabel dos Santos arrestadas na NOS ascendem a 422 milhões

O Tribunal Central de Instrução Criminal arrestou em março 26,07% das ações da NOS, controladas indiretamente por Isabel dos Santos. No total, as ações ascendem a 422 milhões de euros. Segundo o Jornal Económico, a ZOPT, …

Vem aí uma Super Lua Rosa. É a maior de 2020

Na noite desta terça-feira, vai ser possível observar a maior e mais brilhante Lua cheia do ano de 2020. Chama-se "Super Lua Rosa". As superluas ocorrem quando a Lua está a 90% da sua abordagem mais …

Grávidas sem covid-19 voltam a ter acompanhantes no Hospital de Santa Maria

A suspensão, que decorria desde há 2 semanas no Hospital de Santa Maria, foi levantada "a pensar nos enormes benefícios para as grávidas nesse momento único", devido à "introdução de colheitas sistemáticas do novo coronavírus". As …

Miranda Sarmento acusa ministro da Economia de ter faltado à verdade

Joaquim Miranda Sarmento considera que o ministro da Economia "disse duas coisas que não são verdade" ao comentar as 18 propostas apresentadas pelo PSD esta segunda-feira. Em entrevista à Rádio Observador, Joaquim Miranda Sarmento, Presidente do …

Hospital da Cruz Vermelha acusa Francisco George de pôr em risco sobrevivência da unidade

Clínicos do Hospital da Cruz Vermelha Portuguesa (HCVP) acusam Francisco George de estar a colocar em risco "a sobrevivência clínica e económica" daquela unidade de saúde de Lisboa. Mais de 50 clínicos do Hospital da Cruz …

André Ventura acredita que será reeleito

A demissão do líder do Chega deverá ser feita oficialmente esta semana, mas André Ventura acredita que será reeleito com o apoio das distritais, das regionais e dos militantes. O líder da distrital do Porto apresentou …

Primeira linha de crédito de 400 milhões de euros para empresas já esgotou

A primeira linha de crédito criada pelo Governo para apoiar empresas, no âmbito da crise desencadeada pela pandemia de covid-19, já esgotou. De acordo com o semanário Expresso, já não estão a ser aceites candidaturas para …

Recém-nascidos vão poder ser registados pela Internet

O registo de recém-nascidos vai poder ser feito através da plataforma digital dos Serviços da Justiça, de modo a evitar as saídas de casa. Os balcões "Nascer Cidadãos", que garantiam o registo de bebés após o …