Rio quer dar o punch final na maioria de esquerda — mas quem acabou a sangrar do nariz foi o próprio

Tiago Petinga / Lusa

O presidente do PSD, Rui Rio, durante uma ação de campanha para as legislativas de 2022

Um “pequeno problema” de sangramento do nariz de Rui Rio marcou o dia de campanha dos sociais-democratas, cada vez mais convencidos de que destronar o PS nas eleições de 30 de janeiro é possível.

A campanha eleitoral seguia a bom rumo: duas arruadas e uma “talk” prevista para o final da tarde — à semelhança do que aconteceu nos dias anteriores. Desta feita, Rui Rio e companhia rumaram a norte, a Bragança e Vila Real, o que impediu o  líder do PSD de marcar presença no debate das rádios ontem de manhã mas não de participar no rufar dos tambores que antecedeu a notícia mais esperada do dia e, quiçá, de toda a campanha eleitoral. Duas novas sondagens, produzidas pela Católica e pela Pitágorica, posicionam os sociais democratas cada vez mais perto dos socialistas e já apontam para um cenário de empate técnico.

Não se sabe se a notícia foi recebida com demasiado entusiasmo por Rui Rio, mas a verdade é que o lugar que lhe estava destinado ao lado de Joaquim Sarmento na “talk” — nome importado para as sessões de esclarecimento temáticas que o partido tem promovido nas localidades por onde passa em campanha — ficou vazia durante cerca de 40 minutos. A justificação para a ausência chegou pela voz do cabeça de lista por Vila Real, responsável por moderar a conversa. “Rui Rio está com um pequeno problema de sangramento do nariz, dentro de pouco tempo regressará ao nosso convívio”.

O papel de protagonista ficou assim entregue a Sarmento, responsável pelo Conselho Estratégico Nacional do partido e pelas suas propostas económico-financeiras, sendo por isso visto como potencial ministro das Finanças de um Governo de Rio — uma possibilidade que o líder dos sociais não descarta. “Tenho a estrutura do Governo na cabeça, e também alguns nomes, isso tenho”, admitiu Rui Rio. Na lista mental de nomes pode figurar o de Francisco Rodrigues dos Santos, líder do CDS, como ministro da Defesa? Rio não vê “porque não”. “Havendo uma negociação com o CDS e a Iniciativa Liberal (IL) pode passar por integrar o Governo ou não, no passado o CDS integrou sempre o Governo.”

Perante algumas mostras de impaciência dos presentes, Rui Rio acabou por se juntar ao evento. “Peço desculpa por ter saído, tive aqui um sangramento no nariz, coisa que até já me aconteceu ontem, deve ser do frio“, começou por explicar, antes de prosseguir com as explicações sobre a necessidade de um novo modelo económico para o país. Ainda assim, a declaração foi curta.

Apesar de Rio e a sua campanha desvalorizarem a questão, a verdade é que o sangramento provocou mesmo alterações na agenda da campanha, já que na manhã desta sexta-feira não haverá o habitual contacto com a população — previsto para a Figueira da Foz—, para que o líder do partido possa realizar um exame médico. Deverá regressar à campanha à hora de almoço, avançou fonte da candidatura.

  Ana Rita Moutinho, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE