Rui Rio admite que poderia “ligar bem” com Assunção Cristas

Rodrigo Antunes /Lusa

O presidente do PSD diz que disputa mais eleitorado ao PS do que ao CDS, não se arrepende de não ter feito uma coligação pré-eleitoral com os democratas-cristãos e admite que poderia “ligar bem” com Assunção Cristas.

Em entrevista à Agência Lusa, que será divulgada na íntegra no domingo, Rui Rio antecipa que o debate que terá esta quinta-feira à noite com a líder do CDS-PP, na SIC, — o primeiro em que participa — será convergente nas críticas ao Governo socialista, com “alguma ou outra diferença” em matéria de propostas.

“Historicamente, neste ponto ou noutro, o PSD disputou eleitorado com o CDS, comigo o PSD não disputa eleitorado nenhum com o CDS. O CDS é um partido de direita — e bem, tem de haver partidos democráticos de direita —, o PSD não é um partido de direita genuinamente desde a sua fundação (…) é social-democrata, somos um partido de centro”, afirmou.

Disputo eleitorado ao centro, eu disputo mais eleitorado ao PS do que com o CDS, como é evidente”, frisou.

Quanto ao debate com Assunção Cristas, Rio admite que pode haver “um ou outro ponto em que o CDS venha a defender uma posição mais à direita, mais conservadora”.

“Naquilo que forem as críticas ao governo, vamos ter provavelmente uma convergência muito grande. Naquilo que forem as propostas, pode-se notar aqui ou acolá uma ou outra diferença, se as coisas fossem para o capítulo ideológico notavam-se mais diferenças”, disse, acrescentando que, pessoalmente, não tem “nada de direita” e é “social-democrata pelo menos desde os 15, 16 anos”.

Questionado se se arrepende de não ter feito uma coligação pré-eleitoral com o CDS, Rio respondeu negativamente.

“Não, a única vantagem da coligação pré-eleitoral é realmente o método de Hondt. Por meras razões matemáticas, as coligações acabam por dar mais dois ou três deputados no final. No entanto, acho que apesar de tudo é saudável que os partidos se apresentem em listas próprias, como se apresentaram em 2011 e depois fizeram Governo”, recordou.

O líder do PSD considerou que em 2015 “fazia sentido” PSD e CDS irem a votos em listas conjuntas, depois de quatro anos coligados no Governo, tal como nas listas da Aliança Democrática (AD) de Sá Carneiro, em que, no final dos anos ’70, “era preciso uma grande frente à direita do PS”.

“Hoje não, é saudável os partidos irem com listas próprias, têm os seus projetos, marcam algumas diferenças, quanto mais não seja na postura e na maneira de estar, para lá da componente ideológica. E depois há um resultado eleitoral e o lógico é que, sendo necessário para formar uma maioria, haja uma coligação”, considerou.

Rio repetiu que nunca perdeu uma eleição e lembrou que as que ganhou “foram todas com o CDS”, frisando, contudo, que quaisquer coligações “têm muito a ver com as afinidades entre as lideranças”.

“O dr. Francisco Sá Carneiro e o professor Freitas do Amaral ligavam bem, o dr. Pinto Balsemão com o professor Freitas do Amaral não ligavam bem”, disse.

Questionado se Rui Rio ligaria bem com Assunção Cristas, respondeu, depois de uma pausa: “Eu penso que há condições para ligar bem, pode não ligar, só a experiência o dirá, mas não vejo razões porque não há de ligar bem”.

“Se tivesse sido há uns anos talvez [fosse] mais difícil, agora ela tem mais experiência, esteve no governo uns anos, é líder do CDS há uns anos… A experiência, a força da idade, isso é suficiente para as pessoas encaixarem na política”, considerou.

Sobre a importância deste período de pré-campanha, muito marcado por debates e entrevistas, o líder do CDS admitiu ser “um tempo que vale bastante”, considerando que há mais indecisos até ao fim do que há alguns anos.

Tem importância o todo. No caso do Governo, os quatro anos da governação, tem importância nos partidos da oposição o que foram dizendo e fazendo ao longo desses quatro anos (…) É um tempo que vale bastante, depois ainda tem a campanha eleitoral propriamente dita que também vai contar”, considerou.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Governo quer desempregados e trabalhadores em lay-off a reforçar lares e hospitais

O Governo criou uma medida de Apoio ao Reforço de Emergência de Equipamentos Sociais e de Saúde com o objetivo de apoiar as entidades do setor social e solidário. De acordo com o ECO, o Governo …

Recibos verdes podem pedir apoio a partir desta quarta-feira. Será pago ainda este mês

O apoio por quebra de atividade destina-se a trabalhadores independentes que nos últimos 12 meses tenham tido obrigação contributiva em pelo menos 3 meses consecutivos. O formulário para os trabalhadores independentes pedirem apoio por redução de …

"Este mês é perigosíssimo!" Costa avisa que "não podem ir à terra" na Páscoa

"As pessoas não podem ir à terra!" O alerta é de António Costa que avisa que este mês de Abril "é perigosíssimo" por causa da Páscoa. O primeiro-ministro recomenda também aos emigrantes que não venham …

13% dos casos de covid-19 em Portugal são profissionais de saúde. Há 10 médicos nos cuidados intensivos

Um em cada oito infetados com o novo coronavírus em Portugal é profissional de saúde. O número de médicos, enfermeiros, auxiliares e outros trabalhadores de hospitais e centros de saúde que estão contagiados não pára …

Curva em Itália parece estar a aplanar. Confirmado primeiro caso num campo de refugiados grego

A Itália registou mais 4.053 casos positivos e mais 837 mortes em 24 horas, valores semelhantes aos de segunda-feira e que sugerem que a curva da covid-19 parede estar a estabilizar. De acordo com o Observador, …

Há mais de 8 mil infetados e 187 mortes por covid-19 em Portugal

Há mais 27 mortes em relação a terça-feira, aumentando o número total de óbitos para 87. O número de casos confirmados em Portugal já ascende as 8 mil pessoas. O boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da …

Há falhas no sistema que regista casos de covid-19. A "esmagadora maioria" não vai ser contabilizada

O sistema que regista os casos de covid-19 em Portugal é "um pesadelo burocrático", denunciam os infecciologistas. A "esmagadora maioria" dos casos vai acabar por não ser notificada, acrescentam. O problema tornou-se público quando a Direção-Geral …

Mais de 3600 empresas já pediram acesso ao lay-off simplificado

O Governo já recebeu 3600 pedidos de empresas para aderirem ao regime lay-off lançado na semana passada, disse, esta terça-feira, a ministra do Trabalho e da Segurança Social. Ana Mendes Godinho, que falava aos jornalistas no …

Em tempos de crise, os emprestados podem ser a solução do Benfica

Bruno Varela, Cristián Lema, Filip Krovinovic, Gedson Fernandes e Diogo Gonçalves são hipóteses que Bruno Lage tem a seu dispor para regressar dos empréstimos. A suspensão das competições desportivas deixa muitos clubes entre a espada e …

Trump muda de discurso. Próximas duas semanas serão "dolorosas" e podem morrer 100 mil pessoas

Esta terça-feira, o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, falou ao país com um discurso mudado, mais pessimista e alarmista. Com o número de doentes infetados com covid-19 nos Estados Unidos a superar os 187 mil …