Revolucionários colombianos estão a recrutar crianças venezuelanas para guerrilha

A Federação de Associações de Professores Universitários da Venezuela (FAPUV) denunciou na quarta-feira que grupos e subversivos da vizinha Colômbia estão a recrutar crianças em idade escolar para a guerrilha.

“Temos jovens e crianças, especialmente nas escolas fronteiriças (com a Colômbia), que não recebem a educação que deveriam receber e os pais não têm as condições mínimas para dar-lhes alimentação e o transporte para ir à escola e que estão sendo captadas por membros das forças de Libertação Nacional [Exército de Libertação Nacional da Colômbia] e das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, para serem levadas para a guerrilha”, denunciou a presidente da FAPUV, citado pela agência Lusa.

Lourdes Ramírez Vilória falava à Lusa, em Caracas, quando se preparava para participar em mais uma jornada de protesto contra o Governo venezuelana.

“Este regime causou a pior destruição da educação (…) chegámos a uma situação tão grave que acabaram os programas alimentares que tínhamos para os nossos filhos e o transporte. Temos crianças que desmaiam nas escolas, jovens que não comem nas universidades, porque o regime acabou com tudo isso”, acusou.

A dirigente denunciou que os venezuelanos vivem em “pobreza extrema” e que um professor universitário recebe diariamente 1,50 dólares (1,35 euros), “o que segundo a ONU é pobreza extrema”.

“Não só não temos como alimentar nossa família, como esta situação diminuiu a qualidade da educação, a todos os níveis (…) professores, alunos e trabalhadores, são obrigados a migrar e muitos jovens abandonaram os estudos para viver da economia informal”, acrescentou a responsável.

A professora insistiu que os venezuelanos devem continuar a pressionar o regime, defendendo direitos fundamentais como a educação de qualidade, a saúde gratuita e um emprego decente ou terão que “entregar o que fica do país” ao regime ou emigrar, o que, no seu caso, se recusa a fazer.

“Temos motivos para protestar todos os dias, pelo nosso trabalho, pela saúde e educação, mas também porque os serviços básicos de eletricidade, água potável e transporte não funcionam, porque há comunidades que podem passar até dois meses sem receber uma gota de água em casa e têm que procurar água contaminada de diferentes depósitos”, criticou Lourdes Ramírez Vilória.

Outra professora, Jacqueline Richter, indicou à Lusa que a sua formação é equivalente a um professor catedrático, na Europa, mas que o seu salário é inferior a 20 dólares (18 euros) mensais.

“Manifesto-me diariamente porque no meu país há crianças a morrer de fome. Porque os anciãos hipertensos têm que pagar entre 60 e 70 dólares pelos medicamentos. Porque há mais de 400 pessoas presas por motivos políticos, por expressarem as suas opiniões”, acusou a docente.

Jacqueline Richter acrescentou que um dirigente sindical, Ruben González, foi julgado por um tribunal militar e condenado a cinco anos de prisão, por defender os trabalhadores da empresa estatal ferro-mineira. “Estou cansada de não poder sair tranquilamente às ruas, sem ser rodeada por malandros e ladrões”, apontou.

Esta professora diz esperar “uma saída democrática” para a crise no país, “que o Presidente [Nicolás Maduro] entenda que é necessário contar-se [os votos], ir para eleições livres, com um novo Conselho Nacional Eleitoral, composto por pessoas honradas e imparciais”, e que o país volte a ser plural em ideias, como era antes.

Professora da Universidade Central da Venezuela (UCV), esta venezuelana explicou que fez carreira “numa universidade pública, mas democrática e plural”.

“Espero que no dia de amanhã, pelo simples facto de não estar de acordo com o Presidente da República [Nicolás Maduro], não me chamem apátrida, pró-ianque, vendida ao imperialismo e espero poder expressar-me livremente, que os meus filhos e netos cresçam num país com liberdade”, frisou Jacqueline Richter.

Para esta professora, cada vez mais os venezuelanos saem às ruas e isso constitui “um desafio porque a polícia dispara” contra os manifestantes, recordando que tem havido marchas que terminaram “com muitos jovens assassinados e muita repressão”.

Por exemplo, na UCV, quando se estavam a concentrar “chegaram mais de 400 polícias” que obrigaram os professores a abandonar uma praça pública, dizendo que não estavam autorizados e os cercaram.

“Espero que no dia de amanhã qualquer pessoa possa sentar-se numa praça pública, reclamar os seus direitos, sem que um polícia lhe diga que não pode estar aí”, concluiu.

Lusa //

PARTILHAR

RESPONDER

Benfica 4-0 Famalicão | Pizzi entrega saco cheio de Natal

O Benfica terminou o seu ano de Liga NOS com mais uma vitória, de novo por 4-0, tal como havia acontecido na anterior partida no Estádio da Luz, ante o Marítimo. Desta vez frente ao …

Morreu o ator Danny Aiello

Morreu esta quinta-feira, em Nova Jérsia, o ator Danny Aiello, que recordamos pelos seus muitos êxitos dos anos 80. Tinha 86 anos. "É com profunda dor que comunicamos que Danny Aiello, amado marido, pai, avô, ator …

Videojogo chinês incita jogadores a atacar os "traidores" em Hong Kong

Há um novo videojogo que está a ganhar popularidade na China. Chama-se "Fight the Traitors Together" e permite que os jogadores ataquem manifestantes de Hong Kong. No jogo, os jogadores podem bater nos manifestantes pró-democracia, sendo …

Mundial de Clubes proíbe demonstrações públicas de afeto

Começou na passada quarta-feira, dia 11 de dezembro, em Doha, capital do Catar, o Mundial de Clubes da FIFA, prova onde estão inseridos clubes como Flamengo e Liverpool. E esta até poderia ser mais uma …

Al Gore diz ser o maior fã de Greta Thunberg

Al Gore, antigo vice-presidente de Barack Obama e autor do documentário ambiental "Uma verdade inconveniente", elogiou esta semana o trabalho desenvolvido pela ativista sueca Greta Thunberg, dizendo ser o seu maior fã. "Sou o seu …

A água é comum nos mundos extraterrestres (mas surpreendentemente mais escassa do que se esperava)

A presença de água em exoplanetas é comum, mas surpreendentemente mais escassa do que se esperava, concluiu uma nova investigação levada a cabo por cientistas da Universidade de Cambridge, no Reino Unido. Para chegar a …

"Encontrei a minha alma gémea". Presidente do Flamengo disposto a (quase) tudo para segurar Jesus

O presidente do Flamengo, Rodolfo Landim, ficou encantado com Jorge Jesus logo quando o conheceu. É o que o dirigente diz numa entrevista, onde admite que encontrou a sua "alma gémea", não revelando dados sobre …

COP25: uma traição ao Acordo de Paris "e às pessoas em todo o mundo"

Organizações não governamentais ambientalistas consideraram que os projetos de resolução que a cimeira do clima da ONU tem para aprovar são "uma traição" do Acordo de Paris e dos milhões de pessoas que sofrem com …

Governo admite novo aumento extra das pensões (com a simpatia das Finanças e de olho na geringonça)

O Governo está a equacionar um novo aumento extraordinário das pensões no âmbito da preparação da proposta de Orçamento do Estado para 2020 (OE2020). A medida agrada a PCP e Bloco de Esquerda e terá …

Na última noite no Porto, Óliver foi sozinho à Ponte D. Luís (e vieram-lhe as lágrimas aos olhos)

O médio espanhol Óliver Torres confessa que a sua saída do Porto foi "emotiva" e que se despediu do clube e da cidade na Ponte D. Luís, de noite e sozinho, com "as lágrimas nos …