Entre a “revolução” e a “bomba eleitoral”, Costa amuou

José Sena Goulão / Lusa

A redução no preço dos passes sociais, que está a ser apontada pelo PSD como uma “bomba eleitoral” do Governo socialista, marcou o debate quinzenal no Parlamento, com António Costa a defender-se, notando que a medida é uma “verdadeira revolução”, mas com um pequeno amuo pelo meio.

Foi tenso o debate quinzenal com a presença do primeiro-ministro no Parlamento, nesta terça-feira, 19 de Março. António Costa estava preparado para tirar do bolso os números da economia, como prova do bom trabalho do seu Governo, destacando o facto de ter “restaurado a confiança dos consumidores e empresas” e de ter conseguido a “estabilização do sistema financeiro”, bem como a “devolução de rendimentos cortados em salários e pensões”.

O primeiro-ministro notou também que Portugal está, há dois anos, a revelar um “crescimento acima da média europeia”, um cenário que “não é fruto do acaso”, sublinhou, mencionando como principal causa a reversão das políticas que tinham sido implementadas pelo Governo PSD/CDS.

Costa não falou por um segundo sequer da redução do preço dos passes sociais, na sua intervenção inicial, mas foi obrigado a falar do tema perante os ataques do PSD, cujos deputados criticaram a medida como um “acto eleitoral como nunca se viu”. Isto já depois de Marques Mendes ter falado da proposta como uma “bomba eleitoral”.

Para o primeiro-ministro, a medida é uma “verdadeira revolução” que se aplica a todo o país “na medida em que os autarcas de cada região entendam fazê-lo”. Uma ideia que defendeu perante as críticas de PSD e CDS que contestavam que a redução terá efeitos apenas em Lisboa, onde “o PIB per capita é de 120%, superior à media europeia”.

“Os senhores são contra esta redução de preços dos transportes públicos”, atirou Costa perante o burburinho dos sociais-democratas. Como o barulho dos deputados continuou em volume crescente, o primeiro-ministro interrompeu a resposta e calou-se.

“Os senhores deputados já estão esclarecidos”, foi a última coisa que disse ao PSD sobre o tema dos passes sociais, recusando-se a abordar o assunto mesmo depois de Fernando Negrão, o líder da bancada parlamentar social-democrata, lhe ter dito que queria ouvir mais esclarecimentos.

“O que o PSD não quer assumir é que votou contra os passes sociais e contra esta redução do seu tarifário, e não votou contra só para a Área Metropolitana de Lisboa e a Área Metropolitana do Porto, votou contra para todo o país”, atirou, mais tarde, o primeiro-ministro, considerando que existe uma “enorme contradição entre o discurso” do PSD no Parlamento e “o discurso que os autarcas do PSD fazem”.

À esquerda, Bloco e PCP fizeram a defesa do Governo, elogiando a redução do preço dos passes sociais, com Catarina Martins a aproveitar para criticar o anterior Governo de direita, sustentando que “eleitoralismo é disponibilizar um simulador no Portal das Finanças sobre a redução de uma sobretaxa que nunca chegou a acontecer”.

“Incomodam-se de serem os trabalhadores a beneficiar desta medida, ficaram-lhes os tiques da troika“, apontou, por seu turno, Jerónimo de Sousa que lembrou também que o PS chumbou a medida em 2016, votando ao lado da direita.

O debate quinzenal ficou ainda marcado pela tensão que tem sido habitual entre Costa e Assunção Cristas, com a líder do CDS a lançar críticas ao Governo no âmbito do Serviço Nacional de Saúde, dos impostos sobre os combustíveis e do IRC.

Outro tema lançado para o debate por Catarina Martins foi o acordo de cooperação estabelecido entre a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) e a RTP para a criação do canal 11. A líder do Bloco de Esquerda questionou Costa sobre o seu posicionamento quanto ao facto de a RTP se dispor a ceder “instalações, arquivo e pessoas” à FPF para “criar um canal concorrente a si própria”.

O primeiro-ministro manifestou-se surpreendido com os detalhes do acordo e apontou que o Governo já tinha pedido esclarecimentos à RTP. Ainda a meio do debate, a comunicação social reportou que a FPF suspendeu o acordo com a RTP.

SV, ZAP // Lusa

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. “crescimento acima da média europeia”

    O sound byte do António Costa !
    “Esquece-se” de dizer que a média europeia é grandemente influenciada, por exemplo, pela Alemanha, que tem superavit e nem precisa de crescer.
    Portugal está na retaguarda de todos os países com idêntico desenvolvimento.
    Um crescimento de 2% é pífio e faz com que Portugal esteja em divergência acentuada com a UE !
    Por outro lado, só no “reinado” de Costa, a dívida pública piorou 20 MIL MILHÕES DE EUROS.
    A Imigração de jovens (a maior parte deles formados) cresceu, e passou a haver 150.000 emigrantes por ano !!
    São as “coisas” que a “família” Costa esconde aos portugueses. Família no sentido do termo.

  2. Mas alguém acredita neste politico aldrabão. Conseguiu sobreviver a umas eleições que perdeu com outros aldrabões e continua a caminhada levando-nos cada vez mais para o abismo.
    Lamentável é a atitude do cara das selfies, beijos e abraços.
    A estratégia é, quando cair que não estejamos cá, salve-se quem puder.
    Pobre Portugal.

  3. O senhor Costa é de facto um bom discípulo do Sócrates, tem sempre resposta na ponta da língua, então será que ele não sabe que a grande parte do país não tem transportes públicos à altura de satisfazer as necessidades das pessoas e dificilmente isso será possível por falta de interessados ou necessitados, as pessoas nas vilas e aldeias vão quando precisam e quando precisam raramente terão um transporte público à sua disposição, os problemas já existem em Lisboa e Porto por várias razões uma das quais até as greves e as pessoas não estão para se sujeitar a atrasos quando têm compromissos inadiáveis. Irá ser bom de facto para alguns mas daqui por pouco tempo irão reparar que a medida não será tão eficaz como o previsto e que por outro lado será mais uma medida discriminatória a dividir a sociedade.

  4. Este caso dos passes não passa de propaganda e de uma injustiça. Os transportes sempre alguém tem que os pagar. Muitos concelhos nem tem transportes públicos têm. Quem vai suportar as descidas dos passes no litoral são os contribuintes do interior que não os utilizam. Tudo isto contribui para alargar o fosso que existe entre o interior e o litoral. Mas o “socialismo” é mesmo assim. É a arte de tirar a quem trabalha para dar àqueles que nada fazem!!

RESPONDER

Nagorno-Karabakh. Arménia e Azerbaijão acusam-se mutuamente de violação de novo cessar-fogo

A Arménia e o Azerbaijão trocaram esta segunda-feira acusações pela violação de um novo cessar-fogo acordado no domingo para pôr fim às hostilidades no enclave de Nagorno-Karabakh, que deveria ter entrado hoje em vigor. A Arménia …

Venezuela testou molécula que "anula a 100%" o novo coronavírus

O Presidente da Venezuela anunciou, este domingo, que o Instituto Venezuelano de Investigações Científicas (IVIC) testou com sucesso uma molécula, a DR10, que "anula 100%" o novo coronavírus. "O IVIC testou uma molécula usada para tratar …

Com a bancarrota a caminho, Governo Sócrates vendeu quase 80% dos imóveis públicos

Numa altura em que o país já estava em situação complicada, com o cenário de bancarrota no horizonte, o último Governo de José Sócrates vendeu quase 80% do património imobiliário público em apenas dois anos. Estes …

Na primeira noite de recolher obrigatório em Madrid, houve centenas de festas ilegais e álcool na rua

Na primeira noite de recolher obrigatório em Madrid, foram muitos os que ignoraram as restrições. A polícia espanhola foi obrigada a intervir em centenas de festas ilegais e numa festa ao ar livre com mais …

Casa Branca admite que EUA não poderão controlar pandemia. Biden acusa Trump de ter desistido

A Casa Branca admitiu este domingo que os EUA não poderão controlar a pandemia por ser tão contagiosa, numa mudança à postura de minimização da gravidade da crise, numa altura em que há novos recordes …

GNR obrigada a intervir no GP de Fórmula 1. Bastonário diz que evento foi um "insulto" aos profissionais de saúde

O circuito de Portimão teve de fechar algumas bancadas para garantir o distanciamento dos 27.500 espetadores autorizados pela Direção-Geral de Saúde (DGS). Pelo menos em duas foi necessária a intervenção da GNR. Em comunicado, a GNR …

Governo atira-se ao Bloco de Esquerda. Voto contra é "incompreensível"

Em conferência de imprensa, esta segunda-feira, o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Duarte Cordeiro, afirmou que "o Governo considera incompreensível que não possa contar com o Bloco de Esquerda" para aprovar o Orçamento do …

Chilenos votam de forma esmagadora para substituir Constituição de Pinochet

Os chilenos votaram de forma esmagadora, este domingo, a favor de uma nova Constituição para substituir a herdada da era do ditador Pinochet, num referendo realizado um ano após uma revolta popular contra a desigualdade …

Parques eólicos instalados em terrenos baldios vão passar a pagar IMI

Os terrenos baldios onde sejam instalados parques eólicos destinados a produzir energia elétrica vão perder o direito à isenção de IMI que a lei previa anteriormente para este tipo de imóveis. O Jornal de Negócios adianta …

“Se Jesus tem dito que sim, não seria o Bruno Lage a substituir Rui Vitória”

O presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, revelou que o atual treinador das águias, Jorge Jesus, já era um nome pensado na altura em que Bruno Lage assumiu a cadeira deixada por Rui Vitória. "Disse …