Resolvido mistério da longevidade da civilização mais antiga do mundo

Sara jilani / Wikimedia

Sítio arqueológico de Harappa, berço da civilização Harapeana, no Vale do Indo

Uma equipa de arqueólogos revelou a causa pela qual a civilização indiana Harapeana, uma das mais antigas do mundo, existiu durante muitos milénios e conseguiu adaptar-se durante as secas periódicas que abalavam o Vale do Indo.

“A sobrevivência da maioria das civilizações antigas dependia de um factor crucial — o acesso à água“, diz Cameron Petrie, investigador da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, e autor de um novo estudo publicado na revista Current Anthropology.

“O estudo da forma como os seus habitantes dispunham da água e a utilizavam ajuda a entender como a humanidade se adapta às novas situações e por que razão muitas pessoas continuam a praticar a economia natural – mesmo sem ter necessidade disso”, acrescenta o antropólogo.

A Civilização Indiana, ou, por outras palavras, a Harapeana, é uma das civilizações mais antigas do mundo, a par da Egípcia e da Suméria. Nasceu há cerca de 5 mil anos atrás no Vale do rio Indo, na fronteira entre os estados contemporâneos da Índia e do Paquistão, e atingiu o seu auge no século XXIII a.C.

Essa época viu nascer o sistema de comércio urbano e “internacional”, a planificação das povoações municipais, as primeiras instalações sanitárias da humanidade, e foram padronizados as medições e os pesos – com a consequente propagação da influência da Civilização Indiana por todo o continente.

Após o ano 1900 a.C., no entanto, a civilização indiana começou a cair em declínio, algo que os cientistas até agora atribuíram a mudanças climáticas, ou seja, o clima tornou-se mais frio e seco devido à atenuação das monções.

Por outro lado, os dados mais recentes em relação ao clima da Terra ao longo dos últimos 10 mil anos demonstram claramente que o clima do Industão, o subcontinente indiano, mudou de modo brusco nas épocas anteriores a esta, o que leva os cientistas a discutir por que é que a civilização indiana não desapareceu antes.

Petrie e os colegas decidiram investigar como é que as civilizações do Vale do Indo conseguiam sobreviver durante as secas. Para isso, os cientistas realizaram escavações nas margens de um lago seco que se situa perto de um dos centros da civilização indiana, Rakhigarhi.

(dr) Cameron Petrie

Escavações no sítio arqueológico de Masudpur I, Haryana, India

Escavações no sítio arqueológico de Masudpur I, Haryana, India

A equipa de arqueólogos descobriu vestígios de um sistema peculiar de cultivação de produtos agrícolas que indicava que os habitantes da região produziam vários tipos de legumes e cereais ao mesmo tempo. Isto permitiu aos cientistas concluir que esta foi a forma de os habitantes de Rakhigarhi e dos arredores se salvarem das secas.

Depois de analisar os dados recolhidos ao longo destas escavações e os dados sobre o clima da altura no Industão, os cientistas repararam num traço comum próprio de todas as cidades e comunidades da civilização indiana — todas elas ficavam em zonas climáticas onde as temporadas de chuva no Inverno e no Verão se sucediam.

Foi graças a isso que os agricultores da época conseguiam aguentar as secas periódicas, já que uma má colheita no Verão poderia ser compensada por uma colheita melhor de um cereal de inverno.

Nos séculos seguintes, as precipitações reduziram-se significativamente e assim se mantiveram longo de quase 300 anos, o que levou à seca completa do lago – e, segundo afirmam os investigadores, ao despovoamento das cidades nas suas margens.

PARTILHAR

RESPONDER

Viagens ao Espaço têm um novo perigo desconhecido para os astronautas

Há um perigo inerente às longas viagens espaciais dos astronautas desconhecido até aos dias de hoje. Um novo estudo aponta que os cosmonautas podem ver o seu fluxo sanguíneo revertido na parte superior do corpo. A …

Macrocilix maia, a misteriosa traça que tem moscas a comer fezes nas suas asas

Macrocilix maia é uma espécie de traça que se destaca pela forma como se camufla dos seus predadores. Nas suas asas vê-se duas moscas a comer excrementos de pássaro. A natureza nunca falha em surpreender-nos e …

Há provas que ligam misteriosa doença que paralisa crianças a vírus raro

Pela primeira vez, foram encontradas provas da associação do Enterovírus D68, um vírus raro até há algum tempo, à Mielite Flácida Aguda, uma doença semelhante à poliomielite que tem afectado centenas de crianças, provocando a …

Antigos egípcios podem ter encurralado milhões de pássaros só para os mumificar

Novas evidências de ADN sugerem que os antigos Egípcios capturavam pássaros selvagens para sacrifícios ritualísticos (e para os poderem mumificar depois). As catacumbas egípcias contêm milhares de pássaros mumificados, especificamente íbis-sagrados (Threskiornis aethiopicus), empilhados uns sobre …

Estudo mostra que sondagens tendenciosas enviesam eleições políticas

Através de experiências práticas, uma investigação recente sugere que as sondagens tendenciosas podem influenciar e enviesar as eleições políticas, até mesmo nas grandes democracias. Enquanto uma eleição se aproxima no Reino Unido e uma votação presidencial …

A Rússia criou a arma mais mortífera da história. Foi há 72 anos

Comummente conhecida por AK-47, a espingarda Kalashnikov foi responsável por milhões de mortes durante a nossa História, sendo uma das armas mais populares do mundo e a mais fabricada pela indústria de armamento. Segundo o The Conversation, …

Luxemburgo 0-2 Portugal | Campeão marca presença no Euro

Portugal venceu o Luxemburgo por 2-0 e apurou-se para a fase final do Euro2020 – a 11ª presença consecutiva da turma das “quinas” em fases finais de grandes competições. Num encontro mal jogado, em parte pelas …

Hologramas e outras tecnologias podem ajudar a combater incêndios florestais

Portugal continua a ser assombrado pela destruição sem precedentes dos incêndios florestais. Agora é a hora de aproveitar as nossas ferramentas tecnológicas e encontrar maneiras inovadoras de ajudar a aliviar o problema e também evitar …

Pombos estão a perder dedos ou patas por causa da poluição

Basta passar algum tempo na praça de uma cidade para ver que alguns pombos têm patas feridas ou dedos em falta. Embora possamos pensar que isto é causado por algum vírus ou pelos eventuais desentendimentos …

Descoberto no Japão fóssil de pássaro com 120 milhões de anos

O fóssil de um pássaro do Cretáceo recentemente descoberto no Japão pode levar os cientistas a repensarem alguns detalhes sobre a evolução do voo. Há cerca de 120 milhões de anos, um pássaro com o tamanho …