May avisa que “rejeitar acordo é voltar à estaca zero”. Corbyn quer “plano B”

Andy Rain / EPA

Theresa May, primeira-ministra britânica

Rejeitar o Acordo de Saída da União Europeia negociado com a União Europeia implica “voltar à estaca zero” e provocar “mais discórdia e incerteza” no Reino Unido, avisou esta segunda-feira a primeira-ministra britânica, Theresa May.

Numa declaração feita esta segunda-feira na Câmara dos Comuns, em que deu conta da aprovação formal no domingo em Bruxelas do Acordo de Saída do Reino Unido da UE, May apresentou uma escolha aos deputados.

“Esta câmara pode apoiar este acordo, concretizar a votação do referendo e avançar para a construção de um futuro mais brilhante de oportunidades e prosperidade para todos. Ou esta Câmara pode optar por rejeitar este acordo e voltar à estaca zero”, resumiu.

A primeira-ministra admitiu que “ninguém sabe o que aconteceria se o acordo não fosse aprovado”, mas advertiu para “mais discórdia e mais incerteza, com todos os riscos que isso acarretaria”. May invocou o “interesse nacional” e o desejo de “unir novamente como país, seja qual for a maneira que tenhamos votado” no referendo de 2016.

O líder da oposição, o trabalhista, Jeremy Corbyn, reiterou a oposição ao documento, e qualificou como um “ato de automutilação nacional” a insistência de May em defender este acordo devido ao risco de ser rejeitado.

Os partidos da oposição, nomeadamente o partido Trabalhista, os Liberais Democratas e o Partido Nacionalista Escocês, manifestaram a intenção de chumbar o acordo, juntamente com dezenas de deputados do partido Conservador e do Partido Democrata Unionista, aliado do governo.

O voto deverá ter lugar nas próximas semanas, numa data ainda por anunciar, tendo a imprensa britânica avançado a segunda semana de dezembro como a data mais provável.

Corbyn reivindicou a necessidade de um plano B para uma solução que garantir uma maioria parlamentar, ou seja, um acordo “com base numa união aduaneira abrangente, um forte acordo com o mercado único que proteja os direitos dos trabalhadores e a proteção ambiental”.

Os chefes de Estado e de Governo dos 27 validaram este domingo o acordo do “divórcio” do Reino Unido da União Europeia e a declaração política da relação futura com este país. O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, disse que o acordo conseguido é “o melhor possível” para ambas as partes.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Só uma dúzia de pessoas conhecem as perguntas dos exames nacionais

O primeiro exame nacional é de Filosofia do 11º ano. Quando chegar às mãos dos estudantes, o enunciado da prova já passou por várias fases, desde a elaboração, a impressão e a distribuição, em que …

Marcelo promulga compra do SIRESP. "Tudo o que acontecer será responsabilidade do Estado”

O Presidente da República promulgou o decreto-lei do Governo com vista à compra, pelo Estado, de 100% do Sistema Integrado das Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP). Marcelo Rebelo de Sousa alertou para as …

Maior manifestação de sempre em Hong Kong leva Governo a pedir desculpa

Seis horas depois do início da marcha de protesto contra a lei da extradição, “uma multidão nunca vista” continuava a inundar as ruas de Hong Kong este domingo, na “maior manifestação de sempre”, disseram vários …

Mais de 200 ex-políticos acumulam subvenções vitalícias e reformas

Quase quinze anos depois de o Parlamento ter decidido acabar com as subvenções vitalícias, existem ainda 322 beneficiários de subvenções mensais vitalícias para antigos políticos. Destes, 216 têm uma acumulação de pensão e subvenção superior …

Mulher de Netanyahu considerada culpada de usar dinheiros públicos em refeições de luxo

A mulher do primeiro-ministro israelita foi, no domingo, considerada culpada do uso indevido de dinheiros públicos e condenada a pagar uma multa, segundo uma decisão do tribunal de Jerusalém. Acusada em junho de 2018 por fraude, …

Incêndio catastrófico destruiu a "Pompeia britânica" um ano depois de ser construída

O assentamento incrivelmente preservado na Idade do Bronze, denominado "Pompeia britânica", foi destruído por um incêndio um ano depois de ser construído. Um novo estudo, publicado na revista Antiquity, revela novos detalhes sobre Must Farm, uma …

Marcelo responde à Fenprof: uma “história mal amanhada”

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou este domingo incompreensíveis as críticas da federação dos professores, que o acusou de não ser Presidente de todos os portugueses. O Presidente da República advertiu que, “por …

"Onde está o Boris?". Channel 4 marca ausência de favorito à liderança do Partido Conservador com cadeira vazia

A ausência de Boris Johnson, o favorito para ganhar a eleição interna no partido Conservador para suceder à primeira-ministra britânica, Theresa May, foi este domingo simbolizada por um lugar vazio num debate televisivo com os …

Os humanos podem ter sido destinados a reinar sobre a Terra (e já sabemos porquê)

Se voltássemos atrás no tempo, a aleatoriedade dos eventos mudaria completamente o nosso caminho evolucionário. No entanto, os cientistas descobriram que os inúmeros trilhos possíveis poderiam não evitar que fossem os humanos a espécie dominadora. O …

Mau tempo nos Açores faz nove desalojados

Nove pessoas tiveram de ser realojadas na ilha Terceira, no domingo, devido ao mau tempo que está a afetar os grupos central e oriental dos Açores, informou o Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros …