Depois de França, Reino Unido aprova imposto sobre grandes empresas digitais

O Ministério das Finanças britânico anunciou na quinta-feira que vai fazer alterações aos seus planos de impostos de grandes empresas de tecnologia – como a Google, Facebook e Amazon -, introduzindo uma taxa de 2% nas receitas que obtêm dos utilizadores no Reino Unido, a partir de abril de 2020.

“Esta taxa de serviço digital foi desenhada para assegurar justiça e a competitividade do nosso sistema tributário neste setor, na pendência de um acordo internacional mais permanente”, disse Jesse Norman, um alto funcionário do Ministério das Finanças britânico, segundo avançou o Expresso, citando a agência Lusa.

Esta decisão do Governo britânico surge depois de a França ter aprovado, no Senado,  um imposto sobre as maiores empresas mundiais do setor tecnológico. Como informou o Público, este ameaça tornar-se o mais recente motivo para a imposição norte-americana de taxas alfandegárias mais altas sobre a Europa, em mais uma escalada do cenário de guerra comercial ao nível mundial.

De acordo com o Expresso, anunciado em outubro do ano passado por Philip Hammond, o ministro das Finanças do Reino Unido, o imposto deve chegar a 2% em alguns serviços digitais que incluem “mecanismos de busca, redes sociais e centros comerciais ‘on-line'”, indicou o Governo.

Previsto para se tornar efetivo no próximo mês de abril, o imposto será aplicado apenas às empresas que geram mais de 500 milhões de libras (cerca de 550 milhões de euros) de faturação anual e deverá gerar cerca de 400 milhões de libras (cerca de 450 milhões de euros) por ano, até 2022.

Uma porta-voz do Ministério disse na quinta-feira que o Governo tomou esta decisão embora preferisse uma solução global. “Fomos muito claro sobre a nossa preferência por uma solução global ou dentro da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE)”, afirmou a mesma fonte, acrescentando que o Governo britânico levará a questão para a reunião do G7, que se realiza na próxima semana.

O Governo do Reino Unido declarou ainda que esta decisão se enquadra nas intenções de vários países europeus, que têm anunciado a intenção de introduzir impostos específicos para grandes empresas da área digital.

Na quarta-feira, o Presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, sugeriu uma investigação à nova legislação francesa que passa a taxar as empresas de tecnologia a partir de janeiro de 2020, ameaçando com retaliações de imposição de tarifas aduaneiras sobre produtos da União Europeia.

O representante do Departamento do Comércio, Robert Lighthizer, referiu num comunicado que quer averiguar se esta legislação “é discriminatória ou irrazoável e restringe o comércio dos Estados Unidos”.

A empresa Amazon já aplaudiu esta decisão do Governo dos EUA, também através de um comunicado, por ela “assinalar que o Governo norte-americano se coloca ao lado das empresas dos Estados Unidos contra políticas discriminatórias”.

Nova frente na guerra comercial

A votação favorável do Senado francês para um imposto sobre as maiores empresas mundiais do setor tecnológico já era esperada, lê-se no Público. O Presidente francês, Emmanuel Macron, fez da introdução de um imposto específico sobre os gigantes tecnológicos – também conhecido como o imposto GAFA (Google, Apple, Facebook, Amazon) – uma das prioridades da sua governação.

A ideia inicial era avançar com um imposto à escala europeia, que conseguisse colocar as grandes plataformas tecnológicas globais a dar o seu contributo para o financiamento dos Estados, num cenário em que a tributação normal não consegue atingir a totalidade dos rendimentos gerados por estas empresas.

Segundo os cálculos da Comissão Europeia, as grandes empresas tecnológicas suportam em média uma taxa efetiva de imposto de 9,5%, um valor que contrasta com os 23% pagos em média pela generalidade das empresas.

Porém, o entendimento a nível europeu não foi atingido. Países como a Irlanda, Suécia, Malta e a Alemanha manifestaram reservas relativamente à forma como está definida a proposta, temendo em particular os efeitos que uma decisão unilateral da União Europeia (UE) de aplicação de um imposto possa ter no investimento dessas empresas nos seus próprios países.

Portugal colocou-se entre os países favoráveis à proposta, sugerindo a taxa como uma das formas de diversificar as receitas do orçamento da UE.

No final, a proposta não passou e a França decidiu avançar sozinha. A aprovação do Senado significa que as empresas tecnológicas globais com receitas anuais superiores a 750 milhões de euros passam a ficar sujeitas a uma taxa de 3% sobre os rendimentos gerados com os utilizadores franceses. A expetativa é que as receitas fiscais obtidas com esta medida possam ascender aos 500 milhões de euros por ano.

O problema pode estar agora na reação dos EUA, visto que a grande maioria das empresas visadas por esta medida são norte-americanas e, na Casa Branca, a nova taxa lançada pela França é vista como um ataque directo a uma das principais forças da economia do país.

 

Desde o início do seu mandato, Donald Trump tem acusado publicamente a Europa de práticas comerciais injustas em relação aos EUA, dando frequentemente o exemplo do setor automóvel e citando os números do défice comercial norte-americano face à UE.

Um aumento de taxas alfandegárias sobre produtos europeus foi evitado no ano passado com uma visita de urgência do presidente da Comissão, Jean-Claude Juncker, a Washington. Contudo, as tréguas acordadas ficaram dependentes de um acordo posterior que ainda não se concretizou e o Presidente norte-americano não tem tido dúvidas em deixar no ar diversas ameaças de aplicação de taxas alfandegárias mais penalizadoras à Europa, especialmente no que diz respeito às exportações de automóveis.

A Alemanha, pelo peso das suas exportações (principalmente de automóveis) para os EUA, seria um dos países com mais a perder com a escalada de um conflito comercial entre os dois blocos, estando mesmo já a sentir nos últimos meses os efeitos da incerteza em relação ao futuro das relações comerciais.

Do lado francês, não há, todavia, sinais de cedência. “A França é um país soberano, as suas decisões em assuntos fiscais são soberanas e continuarão a sê-lo”, afirmou, antes da decisão do Senado, o ministro das Finanças francês, Bruno Le Maire.

TP, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

Vox quer Armada Espanhola a controlar embarcações de imigrantes

O partido espanhol de extrema-direita Vox pediu esta segunda-feira ao Governo que mobilize a Armada Naval para fazer face ao aumento do número de embarcações com imigrantes que chegam à costa espanhola. Segundo a agência EFE, citada …

Liga Portugal abre inquérito à SAD do Feirense

A Liga vai solicitar a abertura de um processo de inquérito ao Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), devido à ligação do detentor maioritário da SAD do Feirense a uma casa de …

Morreu John Hume, artífice da paz na Irlanda do Norte

O político da Irlanda do Norte, Prémio Nobel da Paz e artífice da reconciliação na província britânica marcada por décadas de conflito morreu, esta segunda-feira, aos 83 anos, anunciou a família. "John Hume morreu de madrugada na …

OMS admite que pode nunca vir a existir "uma panaceia" contra a covid-19

A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou, esta segunda-feira, que talvez nunca venha a existir "uma panaceia" contra a pandemia de covid-19, apesar das investigações em curso que procuram conseguir uma vacina contra a doença. "Não …

"Lei fundamental é violada por todos os lados". Oposição venezuelana recusa-se a participar nas eleições

Os 27 partidos políticos venezuelanos que se opõem ao chavismo decidiram no domingo não concorrer às eleições legislativas agendadas para dezembro por considerá-las uma "fraude". Entre os partidos, estão aqueles com representação parlamentar, que assinaram um …

Médias dos exames nacionais subiram. Só MACS teve média negativa

As médias nos exames nacionais deste ano subiram em todas as disciplinas em relação ao ano passado, com exceção de duas provas, segundo dados oficiais divulgados esta segunda-feira. De acordo com os dados do Júri Nacional …

Mortes por covid-19 no Irão são quase o triplo dos números oficiais

O número de mortes causadas pela covid-19 no Irão pode ser quase três vezes superior aos números oficiais, o que significa que as autoridades iranianas estão a tentar esconder a gravidade da pandemia no país. Segundo …

Revelado contrato oferecido pelo Real Madrid a Lewandowski. Só faltava assinar

O diário polaco Onet Sport revelou esta domingo o contrato oferecido pelo Real Madrid a Robert Lewandowski no verão de 2014. De acordo com o jornal, Lewandowski esteve muito próximo de rumar a Madrid e …

Capturado El Marro, líder de um cartel dedicado ao tráfico de gasolina no México

Este domingo, as autoridades mexicanas capturaram José Antonio Yépez Ortiz, um dos criminosos mais procurados do país. Forças militares capturaram no domingo José Antonio Yépez, apelidado de "El Marro", líder de um poderoso cartel dedicado ao …

Editoras criticam prazo apertado para distribuir manuais escolares

Uma vez que os alunos não vão ter de devolver os manuais escolares este ano, as editoras são obrigadas a responder ao aumento da procura num "curtíssimo" período de tempo. Este ano, face à pandemia, os …