Referendo na Hungria para validar polémica taxa de Internet

EPP / Flickr

O primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orban

O primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orban

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, anunciou esta sexta-feita um referendo nacional, em janeiro, para decidir sobre a taxa de utilização da internet, assunto que tem provocado várias manifestações de protesto.

“O imposto sobre a internet não pode ser aplicado na sua forma atual. Nada pode ser validado nas circunstâncias atuais”, explicou o dirigente húngaro em entrevista rádio pública, anunciando um referendo nacional para janeiro.

No domingo, mais de dez mil pessoas manifestaram-se em Budapeste contra a intenção do governo de introduzir um imposto sobre a utilização da internet, considerando-a uma “ideia retrógrada”.

“Não vai haver nenhuma taxa de Internet, nós vamos impedi-lo”, disse Balázs Gulyás, um dos organizadores do protesto. “Se a taxa não for anulada nas próximas 48 horas, estaremos de volta”, adiantou, frisando que a medida “isolaria a Hungria do resto do mundo e poderia causar a perda de milhares de postos de trabalho”.

O anúncio da taxa – no valor de 50 cêntimos por cada gigabyte de dados transferidos – foi feito pelo ministro da Economia, Mihaly Varga.

A medida, que consta do orçamento para 2015 de um dos países mais endividados da União Europeia, entraria em vigor no próximo ano e permitiria angariar cerca de 60 milhões de euros por ano.

O executivo de direita, liderado por Viktor Orban, tem sido acusado de autoritarismo e os organizadores do protesto acreditam que a taxa sobre a Internet é mais uma medida para limitar os críticos da governação, que utilizam sobretudo as redes virtuais.

A possibilidade de introdução da taxa também lançou o alarme em Bruxelas, com Neelie Kroes, responsável da União Europeia para a comunicação digital, a considerá-la, através da rede social Twitter, “uma vergonha para o governo húngaro”.

Viktor Orban foi reeleito em abril, com uma maioria de dois terços, para um segundo mandato, mas, desde que os Estados Unidos proibiram a entrada no país de vários responsáveis políticos suspeitos de corrupção, tem enfrentado uma pressão sem precedentes.

DR @MurphyPeterN / Flickr

"Libertem a Hungria, libertem a Internet", a multidão desfilou até à sede do partido Fidesz, do primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban

“Libertem a Hungria, libertem a Internet”, a multidão desfilou até à sede do partido Fidesz, do primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban

ZAP / Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Há três datas prováveis para o Apocalipse. Duas das quais ainda este século

A humanidade corre o risco de ser extinta devido à colisão da Terra com um corpo celeste, a uma catástrofe natural ou até tecnológica. Este cenário não é uma fantasia saída dos filmes de Hollywood, …

Tondela vs Porto | Dragões garantem vantagem para o Clássico

O FC Porto fez o que lhe competia para garantir que chegava ao “clássico” do próximo sábado, com o Benfica, no primeiro lugar do campeonato. Na visita ao Tondela, os “dragões” não deram grandes veleidades …

Enfermeiras suspeitas de sabotar hospital com baratas. Queriam emprego melhor

Enfermeiras das emergências de um hospital italiano terão, alegadamente, libertado baratas no seu departamento. O objetivo era conseguirem uma transferência para outro hospital. As autoridades sanitárias da região de Nápoles abriram uma investigação a um caso …

Cancro do colo do útero pode ser extinto até 2100

Todos os anos, o cancro do colo do útero é a causa de morte de mais de 300 mil mulheres em todo o mundo - mas pode ser extinto até 2100. No ano passado, o diretor-geral …

Fortnite retira anúncios do YouTube para fugir aos predadores sexuais

A produtora de videojogos que criou o Fortnite, muito popular entre jovens e crianças, decidiu retirar os anúncios publicitários do YouTube por temer que estes apareçam ao lado de comentários publicados por pedófilos. A empresa norte-americana …

O alpinista sem pernas que chegou ao cume do Everest foi premiado com o "Momento do Ano"

Um alpinista chinês de 69 anos, que tem ambas as pernas amputadas, conseguiu chegar ao topo do Evereste em maio de 2018. A perseverança de Xia Boyu valeu-lhe nesta semana um prémio.  Em 1975, Xia Boyu …

Numa empresa neozelandesa só se trabalham quatro dias por semana (mas a produtividade aumentou)

Em março e abril do ano passado, uma empresa neozelandesa implementou um novo modelo laboral: trabalhar apenas quatro dias por semana. O estudo final foi publicado esta terça-feira e as conclusões mostram resultados animadores. Quase um …

Portugueses não sabem fazer queixa contra discriminação (e acham que não vale a pena)

Quase toda a gente já ouviu falar de discriminação ou crimes de ódio, mas a maioria tem dificuldade em distinguir os conceitos, desconhece o que fazer perante um caso ou a quem recorrer para fazer …

Imigrantes que entraram ilegais em Portugal terão visto desde que tenham um ano de descontos

Os imigrantes que se encontram em Portugal a trabalhar e a descontar para a Segurança Social há pelo menos 12 meses vão poder ter a autorização de residência mesmo que não tenham entrado no país …

Estudantes no Porto até aos 15 anos vão andar gratuitamente de metro e autocarro

A Câmara do Porto vai garantir passes gratuitos para residentes estudantes na cidade até aos 15 anos, complementando a medida do Governo que prevê a gratuitidade do título de transporte até aos 12 anos. O anúncio …