Referendo na Macedónia para mudança de nome sem efeito por fraca participação

Valdrin Xhemaj / EPA

Mais de 90% dos eleitores que participaram no referendo, realizado este domingo, aceitaram a mudança de nome do país. No entanto, a participação foi muito fraca, estando abaixo dos 50% necessários para que fosse vinculativa.

Mais de 90% dos eleitores que participaram no referendo aceitaram que o país passe a ser a “República da Macedónia do Norte”, segundo resultados da comissão eleitora, respondendo positivamente à pergunta: “Apoia a integração na União Europeia e na NATO ao aceitar o Acordo entre a República da Macedónia e a República da Grécia?”.

Segundo os últimos números disponíveis relativos à participação do eleitorado, a abstenção foi elevada e não permite que a mudança de nome se torne vinculativa. As previsões são de que a participação fique abaixo dos 50%. Segundo a Constituição, o resultado só seria válido se reunisse 50% do eleitorado, o que se traduz em cerca de 903 mil votos.

Apesar de a votação só ter um caráter consultivo, o Governo terá agora uma tarefa difícil para convencer o Parlamento a aprovar a emenda constitucional, para mudar o nome do país.

O principal partido da oposição, a aliança conservadora VMRO-DPMNE, informou que o seu líder, Hristijan Mickoski, se absteve de votar, porque considera a pergunta do referendo “manipuladora”.

A pergunta em consulta não aludia diretamente ao nome final que adotará esta antiga república jugoslava, ou seja, República da Macedónia do Norte, mas pedia aos votantes que digam se apoiam ou não a integração na UE e na NATO, assim como se aceitam o acordo entre a República da Macedónia e a Grécia.

O partido da oposição VMRO-DPMNE considera a integração na NATO e UE como “um objetivo estratégico”, mas insiste que o acordo com a Grécia é prejudicial para o país.

“Portas da NATO estão abertas”

Após quase 30 anos de diferendo com a Grécia, Atenas e Skopje assinaram em 17 de junho um acordo histórico para rebatizar o pequeno país, de 2,1 milhões de habitantes e maioria de população eslava, com o nome de “República da Macedónia do Norte”.

Desde a independência, em 1991, e devido ao prolongado litígio com Atenas, esta ex-república jugoslava foi admitida na ONU dois anos depois, sob a designação de Antiga República Jugoslava da Macedónia (FYROM, na sigla inglesa). No entanto, numerosos países, incluindo os EUA e a Rússia, reconheceram o pequeno país como “Macedónia”.

O acesso de Skopje a diversas instâncias internacionais (em particular UE e NATO) permanecia bloqueado pela Grécia, que considera o nome Macedónia como parte exclusiva do seu património histórico.

Alexandre o Grande nasceu em Pella, uma cidade da província fronteiriça grega também designada Macedónia. Atenas considerava que a utilização do mesmo nome por Skopje denunciava ambições territoriais.

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, o ministro da Defesa dos Estados Unidos, Jim Mattis, a chanceler alemã, Angela Merkel, ou o comissário europeu para o Alargamento, Johannes Hahn, visitaram Skopje nas últimas semanas e envolveram-se na campanha para exortarem a população a votar numa perspetiva de “futuro”.

O secretário-geral da NATO afirmou que o referendo é “uma oportunidade histórica” para encerrar as disputas com a Grécia, acrescentando que “as portas da NATO estão abertas”.

“Peço a todos os líderes políticos e aos partidos que aproveitem esta oportunidade histórica de maneira construtiva e responsável. As portas da NATO estão abertas“, escreveu no Twitter.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Encontrado vestígio de vida animal mais antigo de sempre

Investigadores da Universidade da Califórnia afirmam ter descoberto o vestígio mais antigo de vida animal conhecido, de formas de vida que existiram há mais de 635 milhões de anos. O estudo publicado esta segunda-feira na revista …

Inundações no sul de França fazem 12 mortos

O número de mortos nas inundações na zona de Carcassonne, na região de Aude, no sudoeste de França, subiu para 12, anunciaram nesta segunda-feira as autoridades, referindo que há uma pessoa desaparecida. O primeiro-ministro francês, Édouard …

Ursos polares famintos estão a comer baleias (e isso ajuda-os a sobreviver ao aquecimento)

Há mais de um ano, ursos polares reuniram-se num ilha ao largo da costa norte da Sibéria para devorar uma baleia morta. Um estudo recente defende que, no passado geológico, os ursos polares podem ter …

Morreu Paul Allen, cofundador da Microsoft

Paul Allen, cofundador da Microsoft, morreu com 65 anos durante a tarde desta segunda-feira, anunciou a sua empresa, a Vulcan Inc, em nome da família.  Paul Allen tinha retomado recentemente tratamentos contra um linfoma não-Hodgkin, diagnosticado …

Todas as missões da NASA deveriam procurar vida extraterrestre

A procura por sinais de vida alienígena deve fazer parte de todas as missões futuras da NASA. A organização deve expandir o seu leque sobre possíveis sinais extraterrestres, de forma a conseguir identificá-los, aponta um …

Cientistas alcançam a primeira aceleração de eletrões em ondas de plasma

Físicos demonstraram uma nova técnica para acelerar eletrões a energias muito altas em distâncias muito curtas, uma técnica que permitirá alcançar novos avanços na física de partículas a preços mais modestos. O Large Hadron Collider (LHC) …

Casais de ratos do mesmo sexo tiveram crias

Cientistas da Academia Chinesa fizeram nascer crias de ratos de casais do mesmo sexo através de uma nova técnica que utiliza células estaminais modificadas. A nova técnica desenvolvida pelos cientistas chineses mistura células estaminais modificadas que …

Cientistas revertem casos de Diabetes tipo 2

Num novo estudo, cientistas bloquearam a proteína VDAC1 nas células que produzem insulina e conseguiram reverter casos de Diabetes tipo 2. Os investigadores também conseguiram mostrar que é possível prevenir o surgimento da doença. O estudo, …

Brexit. May diz que acordo “ainda é possível”, mas divergência que resta é “frustrante”

A primeira-ministra britânica, Theresa May, admitiu esta segunda-feira que "ainda é possível" um acordo que permita uma saída ordeira do Reino Unido da União Europeia, mas a divergência que resta com Bruxelas é "frustrante. Numa declaração …

Abrandamento económico pode dificultar consolidação orçamental em Portugal

A agência de notação financeira Fitch reconhece a "trajetória firme de descida" da dívida pública portuguesa, mas adverte que o abrandamento da economia e as pressões sobre o investimento poderão dificultar a consolidação orçamental nos …