“Longa vida à monarquia.” Realeza britânica tende a viver mais três décadas do que a população geral

As diferenças na longevidade de alguns membros da família real em comparação com a população em geral são extremamente grandes, mas não incomuns.

O príncipe Filipe, marido da rainha Isabel II e o consorte mais antigo de qualquer monarca britânico, morreu na passada sexta-feira aos 99 anos. Faltavam apenas uns meses para atingir o centenário, mas a verdade é que alcançar uma idade avançada não é incomum entre a família real britânica.

Uma análise de Jay Olshansky, professor de Epidemiologia e Bioestatística na Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, revela que os membros da realeza britânica tendem a viver mais 30 anos em comparação com quem não nasce num berço real.

O investigador analisou a longevidade dos últimos seis monarcas britânicos, assim como a dos seus cônjuges e filhos: no total, 27 membros da realeza.

Num artigo publicado no The Conversation, Olshansky explica que chegou à conclusão de que os monarcas viveram, em média, 75 anos – um número que tende a aumentar graças à rainha Isabel II que, com 95 anos, continua viva. A longevidade dos cônjuges é ainda maior, atingindo uma idade média de 83,5 anos.

Em contraste, a duração média de vida da população do Reino Unido nos anos em que os monarcas nasceram e durante este período foi de apenas 46 anos, de acordo com os dados do Human Mortality Database.

O professor dá um exemplo: no Reino Unido, a esperança média de vida para uma mulher em 1819 era de pouco menos do que 41 anos. A rainha Vitória, também nascida em 1819, tinha 81 anos quando faleceu.

Quando a rainha Isabel II nasceu, em 1926, a expectativa de vida para as mulheres era de 62 anos – a rainha já ultrapassou essa marca em 33.

Segundo Jay Olshansky, as diferenças na longevidade são o resultado de uma combinação de influências genéticas, sociais e comportamentais.

Além da genética, que funciona quase como lotaria, é importante evitar comportamentos que encurtam a vida. No entanto, a influência da pobreza – ou, pelo contrário, do privilégio – é a característica onde a realeza tem maior vantagem.

Um estudo realizado em Manchester, na Inglaterra, em 2017, demonstrou grandes diferenças na esperança média de vida dependendo das condições de vida das pessoas. O acesso ao ensino superior e a situação económica estavam diretamente relacionados a uma vida mais longa, enquanto a baixa escolaridade e a pobreza estavam vinculados a vidas mais curtas.

No fundo, apesar de as diferenças na duração da vida serem definidas pela genética, são também fortemente mediadas pela educação, salário, saúde, água potável, alimentação, ambientes internos de vida e de trabalho.

Liliana Malainho Liliana Malainho, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Avião da TAP retido na Venezuela regressa a Lisboa hoje

O avião da TAP que ficou retido na Venezuela por causa de uma carga de cocaína regressa nesta quinta-feira a Lisboa, assim como a tripulação, disse à agência Lusa fonte oficial da empresa aérea portuguesa. Segundo …

Marcelo convida Ramalho Eanes para presidir comemorações dos 50 anos do 25 de Abril

O presidente da República em funções, Marcelo Rebelo de Sousa, convidou o ex-presidente da República Ramalho Eanes para presidir as comemorações dos 50 anos do 25 de Abril. O convite dirigido ao general Ramalho Eanes, um …

Vacinas contra a covid-19 para menores de 16 anos podem ser aprovadas em breve

Vacinas contra a covid-19 para menores de 16 anos podem ser aprovadas em breve. Contudo, os especialistas têm dúvidas em relação à necessidade de vacinar os mais jovens. Atualmente há apenas uma vacina contra a covid-19, …

Netanyahu não conseguiu formar Governo em Israel. Segue-se Lapid

Esta quarta-feira, Reuven Rivlin, Presidente de Israel, chamou Yair Lapid, líder do partido Yesh Atid, para lhe entregar a responsabilidade de formar um Governo que consiga o apoio do Knesset (Parlamento). O partido de Yair Lapid, …

Almofada de prevenção contra a pandemia. Câmara de Lisboa quer pedir 20 milhões à banca

A Câmara Municipal de Lisboa quer contrair um empréstimo de 20 milhões de euros junto do BPI, uma almofada de prevenção para fazer face às despesas correntes emergentes do combate à pandemia de covid-19. O Público …

Resort Zmar

BES, falência e um fundo abutre. Resort Zmar "deve 60 milhões de euros ao Estado"

Os proprietários das casas privadas do empreendimento turístico Zmar, na Zambujeira do Mar, em Odemira, continuam a protestar contra o alojamento de imigrantes por causa da covid-19. Isto numa altura em que se revela que …

Há estranhas rádios-fantasma na Rússia (e exploradores entraram numa delas)

Aos 14 anos, um jovem comprou um rádio de ondas curtas e estava a testá-lo quando encontrou a transmissão errada - uma rádio fantasma. Imagine que é um entusiasta da rádio, sozinho à noite, a trabalhar …

Deputado do Bloco acusado de violência doméstica avança com queixa em tribunal

Catarina Alves, ex-namorada do deputado Luís Monteiro, acusa-o de violência doméstica. O bloquista nega as acusações e diz que vai apresentar queixa no tribunal. Luís Monteiro vai apresentar queixa contra a ex-namorada que o acusou de …

Gestão do Novo Banco vai receber bónus de 3,9 milhões em 2022

A equipa de administração do Novo Banco tem à sua espera um bónus de 3,9 milhões de euros no próximo ano. O banco registou prejuízos de 1.329 milhões de euros no ano passado. O Novo Banco …

Ainda não há planos para vacinar voluntários com AstraZeneca e J&J (nem dados sobre combinação de vacinas)

A vacinação de voluntários com menos de 60 ou 50 anos que aceitem receber as vacinas da AstraZeneca ou da Johnson & Johnson ainda não tem planos ou datas para arrancar. A Comissão de vacinação …