“Longa vida à monarquia.” Realeza britânica tende a viver mais três décadas do que a população geral

As diferenças na longevidade de alguns membros da família real em comparação com a população em geral são extremamente grandes, mas não incomuns.

O príncipe Filipe, marido da rainha Isabel II e o consorte mais antigo de qualquer monarca britânico, morreu na passada sexta-feira aos 99 anos. Faltavam apenas uns meses para atingir o centenário, mas a verdade é que alcançar uma idade avançada não é incomum entre a família real britânica.

Uma análise de Jay Olshansky, professor de Epidemiologia e Bioestatística na Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, revela que os membros da realeza britânica tendem a viver mais 30 anos em comparação com quem não nasce num berço real.

O investigador analisou a longevidade dos últimos seis monarcas britânicos, assim como a dos seus cônjuges e filhos: no total, 27 membros da realeza.

Num artigo publicado no The Conversation, Olshansky explica que chegou à conclusão de que os monarcas viveram, em média, 75 anos – um número que tende a aumentar graças à rainha Isabel II que, com 95 anos, continua viva. A longevidade dos cônjuges é ainda maior, atingindo uma idade média de 83,5 anos.

Em contraste, a duração média de vida da população do Reino Unido nos anos em que os monarcas nasceram e durante este período foi de apenas 46 anos, de acordo com os dados do Human Mortality Database.

O professor dá um exemplo: no Reino Unido, a esperança média de vida para uma mulher em 1819 era de pouco menos do que 41 anos. A rainha Vitória, também nascida em 1819, tinha 81 anos quando faleceu.

Quando a rainha Isabel II nasceu, em 1926, a expectativa de vida para as mulheres era de 62 anos – a rainha já ultrapassou essa marca em 33.

Segundo Jay Olshansky, as diferenças na longevidade são o resultado de uma combinação de influências genéticas, sociais e comportamentais.

Além da genética, que funciona quase como lotaria, é importante evitar comportamentos que encurtam a vida. No entanto, a influência da pobreza – ou, pelo contrário, do privilégio – é a característica onde a realeza tem maior vantagem.

Um estudo realizado em Manchester, na Inglaterra, em 2017, demonstrou grandes diferenças na esperança média de vida dependendo das condições de vida das pessoas. O acesso ao ensino superior e a situação económica estavam diretamente relacionados a uma vida mais longa, enquanto a baixa escolaridade e a pobreza estavam vinculados a vidas mais curtas.

No fundo, apesar de as diferenças na duração da vida serem definidas pela genética, são também fortemente mediadas pela educação, salário, saúde, água potável, alimentação, ambientes internos de vida e de trabalho.

  Liliana Malainho, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Messi no PSG

"Messi, dá-me a tua camisola e eu dou-te a minha mãe"

Grande jogo em Paris, golo de André Silva, bis de Messi, mas uma criança também foi o centro das atenções. Os nomes das equipas já prometiam espectáculo e houve mesmo: o Paris Saint-Germain ganhou em casa …

Portugal com mais oito mortes e 865 casos de covid-19

Portugal registou, esta quinta-feira, mais oito mortes e 865 casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 865 novos …

O empresário John Textor

Direcção do Benfica e John Textor em reunião

Benfica informou que houve um encontro entre o empresário e dois vice-presidentes do clube, que querem saber mais sobre as intenções do norte-americano. John Textor esteve no Estádio da Luz, nesta quinta-feira. O empresário foi recebido …

BE e PCP fazem pressão e Carlos César questiona: "Sentem-se melhor a fazer oposição ou a fazer acordos?"

O presidente do PS defendeu, esta quinta-feira, que Bloco e PCP têm de esclarecer "o que os move" nas negociações orçamentais: se preferem fazer oposição a um Governo de direita ou fazer acordos com um …

Apenas 14% das vacinas prometidas aos países mais pobres foram efetivamente entregues

Apesar das promessas deixadas por muitos dos países mais ricos e desenvolvidos, número de vacinas que chegou aos territórios é ainda muito baixo, o que pode comprometer os avanços já conseguidos. Apenas uma em sete doses …

Presidente da Coreia do Sul anuncia fracasso da colocação de satélite em órbita

O primeiro foguetão espacial fabricado pela Coreia do Sul falhou a colocação em órbita da sua carga, um satélite simulado de 1,5 toneladas, apesar de o lançamento ter tido sucesso, disse o Presidente do país. O …

Juízes recusam suspender julgamento de Ricardo Salgado

O juiz que está a julgar o ex-presidente do Banco Espírito Santo (BES), no âmbito da Operação Marquês, recusou suspender o julgamento, depois de a defesa ter alegado o facto de ter sido diagnosticado Alzheimer …

Quadro de Van Gogh, que esteve nas mãos dos nazis, vai a leilão. Deverá render 25 milhões de euros

Uma pintura de Vincent van Gogh vai ser leiloada no próximo mês, depois de mais de um século sem ser vista em público. Estima-se que o preço de venda chegue aos 25 milhões de euros. O …

Coreia do Sul lança com êxito o seu primeiro foguetão espacial

A Coreia do Sul lançou hoje o seu primeiro foguetão de fabrico próprio, segundo as imagens transmitidas pela televisão, tornando-se o décimo país do mundo com capacidade para desenvolver e lançar veículos espaciais. O veículo coreano …

"A melhor coisa que pode acontecer a Portugal era o Governo ser derrubado e desaparecer"

O presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, defendeu hoje que “a melhor coisa que podia acontecer a Portugal”, neste momento, era o executivo liderado por António Costa “ser derrubado e desaparecer”. Miguel Albuquerque afirmou …