“Rapariga que chora na fronteira” é a fotografia do ano do Wold Press Photo

John Moore / Getty Images

“A rapariga que chora na fronteira” de John Moore.

A fotografia do ano do World Press Photo 2019 é da autoria do norte-americano John Moore, anunciou esta quinta-feira a organização dos prémios em Amesterdão, na Holanda. Concorreram 78.801 trabalhos de 4.738 fotógrafos.

A fotografia, captada em 12 de junho de 2018, mostra uma menina hondurenha a chorar enquanto a mãe é revistada e detida próximo da fronteira dos Estados Unidos com o México, em McAllen, no Texas. A foto, intitulada “Rapariga que chora na fronteira“, é da autoria do fotógrafo norte-americano John Moore.

Podia ver o medo nos rostos deles, nos olhos deles“, confessou o fotojornalista americano na altura em que captou a fotografia. Moore disse que, à medida que as autoridades iam apontando o nome dos migrantes que estavam na fronteira, a mãe e a filha chamaram a sua atenção. O fotógrafo revela que nunca mais soube do paradeiro da família após a foto.

Em declarações posteriores ao jornal britânico Daily Mail, o pai da menina disse que a filha não tinha sido retirada à mãe e que ambas tinham sido detidas juntas. Para John Moore, a “imagem tocou os corações de muitas pessoas“, como o seu, porque “humaniza uma história maior”.

Segundo um dos membros do júri da competição, a fotojornalista brasileira Alice Martins, a fotografia de Moore mostra “uma violência diferente, que é psicológica“. Para a vice-presidente do júri, Whitney Johnson, “os detalhes na fotografia são muito interessantes”.

A imagem, que valeu ao fotógrafo um prémio de 10 mil euros, foi capa da revista Time e gerou a contestação ao programa separação das famílias de imigrantes do presidente norte-americano, Donald Trump.

Português no pódio

O fotojornalista português Mário Cruz também foi honrado com o terceiro lugar na categoria Ambiente. “Viver entre o que foi deixado para trás” é a fotografia que ilustra uma criança deitada num colchão, flutuando no rio completamente poluído de Pasig, em Manila, nas Filipinas.

Esta não é a primeira vez que o português é premiado no World Press Photo. O Observador recorda que, em 2016, conquistou o primeiro lugar na categoria de temas contemporâneos, com uma fotografia que retrata a escravatura de crianças no Senegal.

“Muitas vezes vemos pessoas a fotografar lixo no areal, a questionarem como aquilo foi lá parar, e caímos no erro de nos preocupar com a microescala que nos afeta, mas o que encontramos é o resultado de algo que se encontra completamente descontrolado na outra ponta do planeta”, explicou Mário Cruz.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

"Dos 4 mil euros que ganho, 3 mil vão para os frades". O padre Vítor Melícias recusa que Tomás Correia ainda controle o Montepio

O padre Vítor Melícias, presidente da Assembleia Geral do Montepio, diz que Tomás Correia "faz falta, mas fez muito bem" em abandonar a liderança da mutualista Montepio. "Dizer que Tomás Correia continua a controlar através …

Amesterdão prepara-se para comprar dívidas dos seus jovens

A partir de fevereiro, a capital dos Países Baixos vai comprar dívidas dos seus jovens para ajudá-los a recomeçar e a construir um futuro. Numa nota publicada esta semana na página oficial do Governo local …

PJ acredita que Rui Pinto é o denunciante dos Luanda Leaks

A Polícia Judiciária acredita que o hacker português Rui Pinto é o denunciante dos Luanda Leaks, que revelou mais 715 mil ficheiros sobre alegados esquemas fraudulentos que envolvem a empresária angolana Isabel dos Santos. A …

Descobertos na Sibéria vestígios de um mítico povo que "vivia debaixo da terra"

Uma equipa de arqueólogos russos encontrou na península de Taimyr, na Sibéria, vestígios do mítico povo Sikhirtia, avança a Russia Today. Os investigadores encontraram na pequena baía de Makárov uma caverna reforçada com uma estrutura de …

Greenpeace na lista de grupos extremistas da polícia britânica

As organizações ambientalistas Greenpeace e Extinction Rebellion foram incluídas num documento da polícia britânica contraterrorismo que elenca grupos extremistas e potencialmente perigosos, escreve o jornal The Guardian. De acordo com o diário britânico, que avança a …

PGR de Angola quer julgar portugueses em Angola (e admite ir atrás de outros "poderosos")

O procurador-geral da República de Angola, Hélder Pitta Grós, considerou, em entrevista ao jornal Expresso, que os os três arguidos portugueses envolvidos na investigação à empresária Isabel dos Santos devem ser julgados em Angola. “Nós achamos …

Há dezenas de medicamentos não oncológicos capazes de matar células cancerígenas

Uma nova investigação concluiu que existem dezenas de medicamentos não oncológicos capazes de matar células cancerígenas em laboratório. O estudo, cujos resultados foram esta semana publicados na revista Nature, descobriu que alguns medicamentos para a diabetes, …

Sismo na Turquia faz pelo menos 14 mortos

Pelos menos 14 pessoas morreram e cerca de 300 ficaram feridas depois de um sismo de magnitude preliminar 6,8 na escala de Richter ter atingido esta sexta-feira o leste da Turquia, havendo também relatos de …

Haaland, o menino prodígio do Dortmund, chegou aos cinco golos em menos de uma hora

Com dois golos apontados ao Colónia esta sexta-feira, numa partida que acabou com a goleada do Borussia Dortmund (5-1), Erling Haaland chegou ao seu quinto golo ao serviço do emblema alemão em menos de uma …

As ilhas havaianas atingem o jackpot da longevidade (e já se sabe porquê)

As ilhas vulcânicas não duram para sempre, mas há algumas que atingem o jackpot da longevidade. De acordo com uma nova investigação, a explicação prende-se com dois fatores: a velocidade da placa tectónica e o …