Rangel arranca campanha às europeias com três desafios a Costa (e uma acusação)

António Cotrim / Lusa

Tal como a imprensa nacional vinha já a dar com certo, o eurodeputado Paulo Rangel vai voltar a ser o cabeça de lista do PSD às eleições europeias de 26 de maio, confirmou esta quinta-feira o presidente do partido, Rui Rio.

Em conferência de imprensa, na sede nacional do PSD, em Lisboa, já com o candidato na sala, Rui Rio anunciou que o nome de Rangel foi proposto por si à Comissão Política Nacional do partido e será aprovado posteriormente em Conselho Nacional.

Rui Rio apontou cinco características que considerou fundamentais para escolher o cabeça de lista do PSD: gosto pelos assuntos europeus, ter elevado potencial cultural, intelectual e profissional, ter experiência política, conhecimento dos dossiês europeus e ter peso político na União Europeia. “Em face deste perfil, propus à Comissão Política Nacional, que aceitou hoje por unanimidade, o nome do doutor Paulo Rangel para liderar a lista do PSD para as europeias de 26 de maio”, anunciou.

O líder do PSD invocou a experiência nacional de Rangel – que já foi deputado, líder parlamentar, membro do Governo e candidato a presidente do partido – e a experiência internacional que acumulou nos dois anteriores mandatos.

“Podia ser compreensível que mudássemos, podia vir uma outra pessoa. Mas face àquilo que são as características dele e às características que precisamos, ele simplesmente não é dispensável desse cargo e faz todo o sentido fazer mais um mandato”, salientou.

Rui Rio frisou ainda que as eleições europeias de maio “são as mais importantes” de sempre: “A Europa está confrontada com enormes desafios, que são determinantes para o futuro da Europa, de Portugal e de cada um de nós”, considerou.

Rangel e os “recados” a António Costa

Já anunciado como cabeça-de-lista do PSD, Paulo Rangel desafiou esta quinta-feira o primeiro-ministro a esclarecer se está a fazer o “aproveitamento de um cargo ministerial” para promover o seu candidato a Bruxelas.

“Neste momento, subsiste a legítima suspeita de que houve o aproveitamento de um cargo ministerial para engendrar, lançar e promover um candidato”, afirmou durante o seu discurso de apresentação, em que falou de questões europeias, mas também nacionais, lançando quatro desafios diretos ao primeiro-ministro.

E acrescentou: “Não nos compete fazer fé em especulações mediáticas, mas, diante do risco que temos tido, nos últimos dois meses um candidato disfarçado de ministro, e um ministro em campanha dissimulada, desafio o primeiro-ministro a fazer um esclarecimento”. Sem nunca se referir ao nome do ministro do Planeamento, Pedro Marques, – que tem sido apontado como o cabeça de lista pelo PS – Rangel desafiou o primeiro-ministro a esclarecer se “o Governo está a utilizar recursos públicos e aproveitar um cargo ministerial para promover um candidato”.

Na sua intervenção, Paulo Rangel, que será pela terceira vez cabeça de lista do PSD ao Parlamento Europeu, assumiu que está perante um desafio “árduo e difícil”, mas manifestou confiança na vitória. “Renovo a confiança que abriremos aqui um caminho para que o PSD possa ser o espaço em que os portugueses se reveem na União Europeia e em Portugal. Essa luta começa hoje e vai ser ganha, ao contrário do que muitos imaginam”, afirmou.

Afirmando o PSD como partido “europeísta e realista”, Paulo Rangel acusou o Governo de responsabilizar as regras europeias pelas suas escolhas.

“É verdade que não há dinheiro para tudo, há que fazer escolhas. Mas foi o Governo Costa que fez as suas escolhas. Foi o PS que escolheu não investir no Serviço Nacional de Saúde, não investir na Proteção Civil e na segurança das pessoas e dos bens, não apostar na mobilidade, nos transportes e nas infraestruturas”, criticou.

Neste ponto, o cabeça de lista social-democrata apelou a todos os que “sofrem com a degradação dos serviços públicos” que confiem no PSD e na sua candidatura, assegurando que o partido “acredita no Estado social e numa Europa social”.

Em matéria europeia, Rangel acusou o Governo e, em particular, o ministro Pedro Marques de “passividade, conformismo, a complacência” na negociação do próximo quadro comunitário. “Temos de lançar um primeiro desafio a António Costa: em sede de política de coesão, o Governo aceita ou veta a proposta da Comissão que tira fundos a Portugal para dar a países bem mais ricos?”, questionou.

Reafirmando a posição do PSD contra a criação de um exército único europeu, Rangel desafiou o primeiro-ministro a esclarecer se o Governo aceita a proposta da Comissão Europeia para que, em alguns domínios, se transite da regra da unanimidade para a regra da maioria qualificada. “O PSD é contra o fim da unanimidade na política externa. E o Governo do PS?”, perguntou.

O eurodeputado Paulo Rangel salientou ainda que o PSD rejeita, há mais de 20 anos, impostos europeus, e deixou uma crítica implícita nesta matéria ao CDS-PP. “São muitos os que agora falam – e bem alto – contra o imposto europeu, mas foi sempre o PSD, em 1999 contra Mário Soares, e depois em 2009 contra Vital Moreira, já comigo a cabeça de lista, que liderou a oposição à criação de impostos europeus, agora de novo defendida por António Costa”, salientou.

Neste ponto, o antigo líder parlamentar do PSD salientou que “ser contra um imposto europeu nada tem a ver com as novas receitas próprias”, provenientes de áreas como as transações financeiras, as plataformas digitais ou ambientais e climáticas.

“Estas não incidem sobre os contribuintes e, muito menos, sobre os contribuintes portugueses”, frisou, desafiando quem recusa estas receitas a explicar como vai pagar as contas da União Europeia sem aumentar impostos nacionais.

No início do seu discurso, Rangel agradeceu a Rio a sua indicação como cabeça de lista, recordando os dois antigos presidentes do PSD que já o tinham indicado: Manuela Ferreira Leite em 2009 e Passos Coelho em 2014.

Aos 50 anos, Paulo Rangel será pela terceira vez o cabeça de lista do PSD às eleições europeias, depois de se ter estreado como ‘número um’ em 2009 e repetido o lugar em 2014, então numa lista de coligação PSD/CDS-PP.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Num golpe de "fake it until you make it", Hong Kong vai a eleições a saber o vencedor

Hong Kong prepara-se para as primeiras eleições legislativas após as mudanças no sistema eleitoral implementadas pela China para garantir a vitória dos seus aliados. Aos olhares mais desatentos, as eleições em Hong Kong são mais um …

Stefano Pioli propõe regra de basquetebol que contribui para um "futebol de ataque"

O treinador do Milan, Stefano Pioli, propõe uma alteração nas regras do futebol que promete revolucionar o desporto rei. De forma semelhante ao basquetebol, uma vez dentro do meio campo adversário, as equipas não poderiam voltar …

Um dos maiores sites de dados sobre a covid-19 na Austrália é, afinal, gerido por adolescentes

Aproveitando o momento em que passaram a integrar as estatísticas que os próprios fazem chegar diariamente à população australiana, o grupo de três jovens revelou a sua identidade para surpresa de muitos dos seus seguidores. …

Mais cinco mortes e 713 casos confirmados em Portugal

Portugal registou, este sábado, mais cinco mortes e 713 casos confirmados de covid-19, de acordo com o mais recente boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Este sábado registaram-se mais cinco mortes e 713 novos casos …

Dirigente da Huawei detida no Canadá pode voltar à China após acordo com EUA

A justiça dos EUA aceitou hoje o acordo entre o Departamento da Justiça e a Huawei, que vai permitir à filha do fundador e diretora financeira do conglomerado chinês de telecomunicações regressar à China. Uma juíza …

Depois do coro de críticas, brasões da Praça do Império passam do jardim para a calçada

Os brasões florais que representam as capitais de distrito e as ex-colónias portuguesas vão mesmo ser retirados da Praça do Império, em Lisboa, mas passarão a estar representados em pedra da calçada. É a solução …

Vulcão, La Palma

Aeroporto de Las Palmas inoperacional devido à acumulação de cinzas

O aeroporto de La Palma, na Ilha de Tenerife, nas Canárias, está inoperacional por acumulação de cinzas, resultante da erupção do vulcão Cumbre Vieja, informou hoje a empresa gestora dos aeroportos e do tráfego aéreo …

Siza Vieira reforça que é "trabalho" dos Bancos discutir com os clientes o reembolso das moratórias

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, reforça que cabe aos Bancos "discutir com os seus clientes que têm moratórias nos sectores mais afectados" pela pandemia o reembolso das dívidas após o fim destes mecanismos …

Domingos Soares de Oliveira de saída do Benfica

Além de João Varandas Fernandes e José Eduardo Moniz, o administrador Domingos Soares de Oliveira também não vai integrar a lista de Rui Costa para as próximas eleições. Rui Costa confirmou na terça-feira que é candidato …

Depois do Bayern, Barcelona também está atento a Luis Díaz

Luis Díaz continua a somar boas exibições e clubes interessados na sua contratação. Agora fala-se do desejo do Barcelona em contratar o colombiano em janeiro. Luis Díaz atravessa um momento de forma excecional ao serviço do …