Queixa de Pedro Veiga sobre a DNS.PT. foi arquivada e ex-coordenador do Centro de Cibersegurança é agora arguido

icannphotos / Wikimedia

Em julho de 2018, Pedro Veiga, ex-coordenador do Centro Nacional de Cibersegurança, foi ouvido em audição perante a Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, na Assembleia da República, sobre os factos que o levaram a demitir-se

O ex-coordenador do Centro de Cibersegurança, Pedro Veiga, deixou a liderança por se sentir “enganado” e denunciou a gestão da DNS.pt. No seguimento, houve um processo, que acabou por ser arquivado. A associação fez agora uma queixa-crime e Pedro Veiga é agora arguido.

Uma associação que foi criada “sem quaisquer regras”, tem “salários elevados, [e gasta recursos que deviam ser do Estado] na compra de prédios ou no financiamento de outras associações que nada têm a ver com a gestão do .pt”.

Estas foram as palavras do professor catedrático Pedro Veiga, depois de se ter demitido do cargo de coordenador do Centro Nacional de Cibersegurança, no início de 2018, criticando à SIC Notícias e ao Público o papel da DNS.pt, a associação que gere os domínios .pt., indica um artigo do Observador divulgado na terça-feira.

O académico fez uma denúncia à Procuradoria-Geral da República, que foi arquivada. Depois, a DNS.pt apresentou uma queixa crime “pela prática dos crimes de difamação, ofensa a pessoa coletiva e denúncia caluniosa”. Agora, como adiantado pela DNS.pt ao Observador, e confirmado por Pedro Veiga, este foi constituído arguido.

Desde 2018 que a DNS.pt “repudia veemente” as acusações de que tem sido alvo por parte de Pedro Veiga, afirmou a associação ao Observador. Contudo, o ex-coordenador mantém as críticas de má gestão da associação e afirma que o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, “é um incompetente” e não tem denunciado a associação “para proteger umas quantas pessoas”.

“Na sequência da queixa apresentada pelo ex-coordenador do Centro Nacional de Cibersegurança, Pedro Veiga, à Procuradoria-Geral da República, no ano passado, a Associação DNS.PT – visada – informa que o processo foi arquivado”, disse fonte oficial da DNS.PT ao Observador.

E acrescentou: “Por sua vez, a queixa-crime apresentada pela Associação DNS.PT contra Pedro Veiga, pela prática dos crimes de difamação, ofensa a pessoa coletiva e denúncia caluniosa, ainda decorre, tendo o mesmo sido constituído arguido e ouvido pela entidade competente. Recorde-se que, no momento em que esta queixa-crime foi apresentada, em julho de 2018, a Associação DNS.PT repudiou, de forma veemente, as acusações de que vinha a ser alvo por parte de Pedro Veiga”.

Quanto a ter sido constituído arguido, Pedro Veiga defende-se e diz: “Acho que quando tenho conhecimento de factos que considero estranhos tenho obrigação de reportar às autoridades e comunicar”.

O académico referiu também que a atitude da DNS.pt “é uma represália” da associação. “A associação tem muito dinheiro e contrataram bons advogados. A única fonte de rendimento que tenho é o meu rendimento”, afirma quanto à situação em que agora está.

Desde 23 de janeiro, data em que foi informado que foi constituído arguido, que Pedro Veiga está com termo de identidade e residência.

Segundo o Observador, o clima de tensão entre o antigo responsável pela cibersegurança em Portugal e a associação tem escalado, principalmente depois de a DNS.pt voltar a receber fortes acusações, desta vez pela ISOC PT, uma associação que representa a Internet Society em Portugal.

Num novo episódio de queixas à DNS.pt, que é liderada por Luísa Gueifão (presidente do Conselho Diretivo), a ISOC afirmou em carta aberta que a direção da associação criticada por Pedro Veiga estava a tentar “abafar” críticas “sobre a forma como a DNS.PT foi fundada” e que queria controlar a ISOC.

A DNS.pt, por sua vez, negou a acusação e disse que a presença de Luísa Gueifão e de outro membro da direção na Assembleia-Geral da ISOC foi “para participar nos trabalhos de uma associação de que fazem parte”.

A gestão dos endereços terminados em .pt passou, em 2015, da Fundação para a Computação Cientifica Nacional (FFCN) para a associação privada sem fins lucrativos, DNS.PT. Esta associação tem recebido críticas por parte de Pedro Veiga e da ISOC por considerarem que devia ser o governo a assumir a gestão dos domínios .pt.

Em janeiro de 2018, a Exame Informática divulgou que a associação DNS.pt utilizou 1,4 milhões de euros de fundos públicos na compra de uma nova sede, com mais de 800 m2, para receber 16 funcionários e foi criada por um sócio que não existe.

Maria Manuel Leitão Marques nomeou Pedro Veiga como coordenador do Centro Nacional de Cibersegurança, em 2016. Pedro Veiga é pioneiro da Internet em Portugal e professor no Departamento de Informática da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

TP, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Portugal com mais 8 mortos e 331 casos positivos em 24 horas

Portugal registou mais oito mortes e 331 casos positivos de infeção pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas, de acordo com o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde. Esta quinta-feira, Portugal registou 1.455 mortes por …

IL rejeita Marcelo Rebelo de Sousa e aposta em Adolfo Mesquita Nunes

O Iniciativa Liberal (IL) não vai apoiar a eventual recandidatura de Marcelo Rebelo de Sousa. Para o partido, um dos nomes em cima da mesa para as Presidenciais é "fácil" e só depende da "vontade …

Comissão Europeia "otimista" na rápida retoma económica em Portugal

A Comissão Europeia diz estar "razoavelmente otimista" sobre uma "rápida recuperação" económica de Portugal após a crise gerada pela covid-19 e considera que a forma como o país "controlou" a pandemia beneficiará a retoma do …

Nova Zelândia decreta em junho erradicação de contágios. Está há 13 dias consecutivos sem novos casos

A Nova Zelândia, país que tem sido apontado internacionalmente como exemplar no combate à pandemia de covid-19, prevê decretar a “erradicação da doença” no país no próximo dia 15 de junho. A informação foi avançada esta …

Secretário da Defesa discorda de Trump no envio de tropas para conter distúrbios. Aliados europeus afastam-se

O Secretário norte-americano da Defesa, Mark Esper, rompeu na quarta-feira com o Presidente, Donald Trump, no apoio ao envio das forças armadas para as cidades e os estados que se recusarem "a tomar as medidas …

Vai "nascer" em Arouca a maior ponte suspensa do mundo. É a esperança para fazer renascer o turismo

O Turismo de Arouca está a enfrentar dificuldades devido à quebra gerada pela pandemia, mas os empresários aguardam com expectativa a abertura daquela que será a maior ponte suspensa do mundo, já descrita como "extraordinária". Ainda …

"Será difícil não voltar a adiar a abertura" dos centros comerciais na região de Lisboa

O presidente da Associação dos Médicos de Saúde Pública, Ricardo Mexia, considerou que "será difícil não voltar a adiar a abertura" dos centros comerciais na Grande Lisboa, tendo em conta os números da região nos …

Atraso na partilha de informação. Responsáveis da OMS recusam responder a perguntas sobre China

Os mais altos responsáveis da Organização Mundial de Saúde (OMS) recusaram-se esta quarta-feira a responder diretamente a perguntas sobre um atraso da China na partilha do mapa genético do novo coronavírus com a agência. Três perguntas …

Espanha reabre fronteiras a 22 de junho. Portugal diz que ainda não há uma decisão tomada

Espanha vai reabrir as fronteiras com Portugal e França a 22 de junho. O país tinha planeado abrir as fronteiras ao turismo estrangeiro a 1 de julho, mas decidiu adiantar a data. Porém, Portugal diz …

Conceição critica arbitragem, mas em Espanha fala-se de penálti de Pepe "que roça o escândalo"

Os 'dragões' perderam no primeiro jogo após a retoma do campeonato. Sérgio Conceição deixou críticas à arbitragem, mas em Espanha fala-se de um penálti escandaloso... de Pepe. O FC Porto ficou com a liderança da I …