PS e PSD falam num “bom acordo” para Portugal (mas há quem avise que é uma vitória dos “4 forretas”)

Inácio Rosa / Lusa

O “acordo histórico” alcançado no Conselho Europeu (CE) que garante 45,1 mil milhões de euros para Portugal não reúne consenso entre os partidos nacionais. Apenas PS e PSD consideram que é “um bom acordo”, enquanto o Bloco de Esquerda alerta para as “nuvens negras” no horizonte e há quem fale numa vitória dos “4 forretas” da Europa.

Portugal vai receber 45 mil milhões de euros em transferências da União Europeia (UE) nos próximos sete anos, entre subsídios, empréstimos e dinheiro do orçamento comunitário. Este valor inclui 15,3 mil milhões de euros em transferências a fundo perdido no âmbito do Fundo de Recuperação para fazer face à pandemia de covid-19.

Um “acordo histórico” que demorou a enformar e que é “bom para Portugal”, segundo o deputado do PSD Duarte Marques. “É sempre melhor um acordo do que um não acordo”, constata o social-democrata, alertando que o partido vai estar “atento” à aplicação do dinheiro.

“Queremos fiscalizar e garantir que estas verbas são usadas para aumentar o crescimento e o desenvolvimento do nosso país”, refere ainda Duarte Marques, notando que é preciso “saber usar bem” os fundos comunitários e “não cometer os erros do passado”, garantindo que as verbas da UE vão “servir, de facto, para ajudar as pessoas, as empresas e as futuras gerações”.

Duarte Marques também refere que espera que as “verbas a fundo perdido” não acabem num “fundo perdido” e nota que é preciso que “não sirvam apenas para substituir despesas que já caberiam no Orçamento do Estado”.

Já o PS considera que foi uma negociação “bem gizada” por António Costa, notando que é “uma enorme oportunidade” para Portugal, segundo palavras do deputado Luís Capoulas Santos.

“Não obstante o resultado final da negociação ter concluído por uma redução do montante global de apoio aos Estados-membros, o envelope financeiro português ficou praticamente ao mesmo nível, o que permite concluir que foi muito bem gizada a estratégia negocial conduzida por Portugal, pelo seu primeiro-ministro e pela diplomacia portuguesa”, aponta Capoulas Santos.

O valor final representa um aumento de 37% face aos 32,7 mil milhões de euros que estavam previstos para Portugal no Quadro Financeiro Plurianual 2014-2020, sem incluir as verbas do Fundo de Recuperação.

BE preocupado com “nuvens negras” da austeridade

Para o Bloco de Esquerda (BE) ainda é cedo para dizer se estamos ou não perante um bom acordo. O deputado Pedro Filipe Soares considera, desde já, que é uma “prenda orçamental” para os países que “mostraram ser menos solidários na Europa”. “E uma prenda que não é pequena, quase 4 mil milhões de euros”, salienta o líder parlamentar dos bloquistas.

Vincando que o acordo “frustra as expectativas” porque “o dinheiro a fundo perdido é menor do que o esperado inicialmente, o dinheiro para o quadro plurianual é menor do que aquele que há um tempo o próprio Governo português dizia que era inaceitável”, Pedro Filipe Soares realça que “na prática, quem é menos solidário acaba por ter uma maior vantagem em processos negociais”, o que considera que “não é de todo um bom resultado, mas veremos no futuro”.

“Poderemos ter, ao virar da esquina, uma mudança de humor europeia que pode trazer de novo austeridade através de regras, por exemplo, de restrição de défice porque nós sabemos que a nossa dívida pública, com esta crise, disparou”, alerta ainda o deputado bloquista, referindo-se a possíveis “nuvens negras” no horizonte.

Já o eurodeputado bloquista João Gusmão entende que este acordo é “o tipo de vitória que teríamos se fôssemos à Cofidis“.

“Custa-me ter de estar a fazer de Cassandra, mas custa-me mais ver a enxurrada de spin com que se está a enganar as pessoas sobre o acordo deste fim-de-semana”, escreve João Gusmão no Twitter, realçando que “os quatro forretas”, ou seja, Holanda, Áustria, Suécia e Dinamarca, os chamados quatro “frugais”, tiveram “uma vitória em toda a linha”.

O eurodeputado bloquista refere que o “travão de segurança” no acesso ao financiamento do Fundo de Recuperação deixa os países em “modo resgate”, abrindo portas à austeridade.

Além disso, João Gusmão fala da redução no montante do Fundo de Recuperação que é atribuído a fundo perdido e no corte de 7,5% nos fundos de Coesão (1.726 milhões de euros) e de 12% na Agricultura (1.145 milhões de euros).

Por outro lado, o bloquista evidencia o “aumento da borla aos 4 forretas”, com uma passagem de 2.908 para 3.877 milhões de euros dos descontos no Orçamento da UE concedidos aos 4 “frugais”.

“A Holanda queria uma nova troika”

Mas Fernando Medina, presidente da Câmara Municipal de Lisboa eleito pelo PS contraria a posição de Gusmão, considerando, precisamente, que “a Holanda e os seus amigos forretas não conseguiram uma vitória em toda a linha“, conforme declarações no seu espaço de comentário na TVI 24.

“A Holanda queria uma nova troika“, afiança Medina, notando que este país pretendia “um poder de veto para poder dizer não”.

“Os forretas ganharam várias coisas, conseguiram ter os líderes todos presos a discutir algo que devia ser óbvio”, assume porém Medina, salientando que “isto é muito revelador do estado de espírito de vários países”.

“É de registar a forma rude como um país como a Holanda se está a comportar”, defende também o autarca, apontando que este país “está a fazer o papel do Reino Unido” e que o seu primeiro-ministro “fala com uma arrogância imprópria“.

PCP fala em “cedência” aos países que mais ganham com a UE

Pelos comunistas, o deputado João Ferreira lembra que o dinheiro que Portugal receber agora terá de ser pago “mais tarde”, o que “não é positivo”.

O PCP considera que o acordo é uma “cedência aos países que estão entre os principais beneficiários da integração, do mercado único, do Euro” e que, pelo contrário, “não é positivo para países como Portugal”.

“Confirma-se um mais significativo corte no quadro financeiro plurianual 2021/2027 que, desde já, representa um corte nas verbas para a coesão e a agricultura, o que é tanto mais grave quando será este quadro e não o designado fundo de emergência que constituirá referência para o futuro”, avisa ainda João Ferreira.

“Enquanto Portugal aumentará previsivelmente a sua contribuição para o Orçamento da UE, outros países que estão entre os principais beneficiários da integração terão garantido um aumento substancial do desconto às respectivas contribuições de que já beneficiavam”, frisa ainda o deputado do PCP citando os exemplos de Holanda, Áustria, Suécia e Dinamarca e notando que “a Alemanha manterá o desconto que já beneficiava”.

Governo “tem que ter unhas para tocar esta guitarra”

Da parte do CDS, o importante é que o Governo tenha “unhas para tocar esta guitarra”, conforme constata o líder do partido, Francisco Rodrigues dos Santos.

Este responsável também vinca que é preciso “ver para crer e compreender como é que este dinheiro vai ser investido em Portugal e só aí será possível dizer se este foi ou não um bom acordo para Portugal”.

Francisco Rodrigues dos Santos aponta que o CDS rejeita um “programa de obras públicas de fachada” e aponta a prioridade para garantir “liquidez na economia, fazer um choque de tesouraria nas empresas e iniciar um quadro de recuperação social para todos os portugueses que estão a passar dificuldades”.

Marcelo fala em “excelente resultado” para Portugal

O Presidente da República também considerou o acordo como um “histórico resultado”, considerando que para Portugal, é também “um excelente resultado com uma perspectiva de vir a receber mais de 45 mil milhões de euros, uma ajuda determinante para combatermos a crise social e económica que a pandemia provocou”.

Marcelo Rebelo de Sousa apela ao uso das verbas “com rigor e critério”, constatando que é “uma nova esperança para o futuro de todos nós”.

A UE dá prova da sua força e da sua dinâmica, da capacidade de decidir democraticamente no diálogo, difícil mas profícuo, entre os seus 27 Estados-membros, no respeito de todos e na procura dos interesses comuns”, sustenta ainda o chefe de Estado.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. “lembra que o dinheiro que Portugal receber agora terá de ser pago “mais tarde”, o que “não é positivo”.”
    Tenho que ir ao meu banco com este argumento a ver se me oferecem um crédito a fundo perdido…

  2. De mão pedinte aos ricos da Europa , o governo português vem dizer que fez um acordo histórico , já que os forretas do Norte , não queriam abrir os cordões da bolsa . Se em vez desta atitude , Portugal se decidisse em reformar toda a estrutura burocrática do país que lhe impede de ter eficiências na geração de riqueza e se além disso criasse um verdadeiro program de desenvolvimento do país (i.e. gerador de riqueza, como a sua re-industrialização ) não andava-nos agora a pedinchar esmolas … E o nosso empreendedor / PME não seria espremidas em taxas e táxinhas para fazer o bolo do orçamento . Receita: reformar para melhorar eficiência e reduzir despesa , aumentando a produtividade e a rentabilidade
    Isto é que era decente para o país … Os forretas tem toda a razão : sabem que os de cá são como as cigarras – é só música , putas e vinho verde ! Portugal está na Europa para buscar dinheiro que os outros ganham ; é preciso ter vergonha na cara ! Ou não ?

  3. Para o PPD e para o PS e até para os autarcas é um bom acordo sempre é mais uns milhões para distribuírem pelas suas clientelas políticas como tem sido desde 1985, ao contribuinte só lhe resta pagar a factura e não vai ser pequena, pelo contrário cada vez é mais pesada.

RESPONDER

Teia da morte. Cientistas desenvolvem nova forma de matar células cancerígenas

Um novo estudo sugere que, através de uma interrupção direcionada e localizada da estrutura das células cancerígenas, o seu mecanismo de autodestruição pode ser ativado. As células cancerígenas multiplicam-se de forma incontrolável, levando a um crescimento …

Boavista 2-0 Porto | “Manita” em 45 minutos demolidores

Goleada do “dragão” no Bessa. No dérbi portuense entre Boavista e FC Porto, os campeões nacionais sentiram dificuldades na primeira parte, não conseguiram sequer enquadrar qualquer um dos seus remates, mas na segunda parte tudo …

Magawa, o rato que deteta minas, ganhou uma medalha de ouro

Magawa, um rato gigante africano, foi treinado para descobrir minas terrestres e tem estado ao serviço no Camboja. O animal foi agora proclamado herói e premiado por salvar vidas naquele país. A instituição de caridade britânica …

Cientistas descobrem nova espécie de crustáceo no lugar mais quente da Terra

Uma equipa de cientistas descobriu uma nova espécie de crustáceo de água doce durante uma expedição ao deserto de Lute, no Irão, também conhecido como o lugar mais quente do planeta. Hossein Rajaei, do Museu Estadual …

Furacão Sally fragmentou parte de uma ilha da Florida em três

A passagem do furacão Sally fragmentou parte de uma ilha na costa da Florida, no Estados Unidos, criando assim três pequenas porções de terra. Na prática, tal como explica o portal USA Today, o furação abriu …

Benfica 2-0 Moreirense | “Águia” vence e convence cónegos

Após ter perdido e empatado nas duas últimas recepções ao Moreirense, o Benfica voltou a vencer o emblema de Moreira de Cónegos na Luz. Este sábado, em duelo relativo à segunda jornada do campeonato, as “águias” …

"Surpreendente e fascinante". Descoberta pela primeira vez uma aurora sobre um cometa

A nave Rosetta da Agência Espacial Europeia (ESA) detetou uma aurora boreal sobre o cometa 67P / Churyumov-Gerasimenko (67P / C-G). Em comunicado, os cientistas envolvidos na deteção frisam que esta é a primeira vez quem …

Austrália não quer que turistas caminhem na famosa rocha sagrada Uluru (nem no Google Maps)

A Austrália pediu ao Google que remova do seu serviço Maps fotografias tiradas do topo de Uluru, o monólito aborígine sagrado que os visitantes estão proibidos de escalar desde o ano passado. De acordo com a …

NASA vai procurar aquíferos nos desertos com tecnologia já usada em Marte

Uma parceria entre a NASA e a Fundação Qatar tem como objetivo procurar as cada vez mais escassas águas que estão enterradas nos desertos do Saara e da Península Arábica. Este processo deverá ser desenvolvido …

Os aeroportos mudam o nome das pistas (e a culpa é dos pólos magnéticos da Terra)

O pólo norte magnético pode mover-se até 64 quilómetros por ano. Isto pode ser um problema para os pilotos de aviões. A pista 17L/35R, no Aeroporto Internacional de Austin-Bergstrom, no estado norte-americano do Texas, não terá …