A próxima pandemia está aí à porta. Há uma forma de ajudar a preveni-la

A próxima ameaça de pandemia provavelmente já está a espalhar-se pela população neste momento. A vigilância ativa de doenças é uma forma de ajudar a preveni-la.

À medida que mais e mais pessoas em todo o mundo estão a ser vacinadas, quase que se pode ouvir o suspiro coletivo de alívio. Mas a próxima ameaça de pandemia provavelmente já está a espalhar-se pela população agora, diz Maureen Miller, professor adjunta de Epidemiologia, na Universidade Columbia, nos Estados Unidos.

Na sua investigação como epidemiologista de doenças infecciosas descobriu que há uma estratégia simples para mitigar surtos emergentes: vigilância proativa em tempo real em ambientes onde a disseminação de doenças de animais para humanos é mais provável de ocorrer.

Por outras palavras, não espere que pessoas doentes apareçam num hospital. Em vez disso, monitorize as populações onde o contágio de doenças realmente acontece.

A atual estratégia de prevenção de pandemias

Profissionais de saúde sabem há muito tempo que as pandemias alimentadas por propagação de doenças zoonóticas, ou transmissão de doenças de animais para humanos, eram um problema.

Em 1947, a Organização Mundial da Saúde estabeleceu uma rede global de hospitais para detetar ameaças de pandemia através de um processo denominado vigilância sindromática. O processo baseia-se em listas de verificação de sintomas padronizados para procurar sinais de doenças emergentes ou reemergentes com potencial pandémico entre populações de pacientes com sintomas que não podem ser facilmente diagnosticados.

Esta estratégia depende tanto de indivíduos infetados que chegam a hospitais sentinela, quanto de autoridades médicas suficientemente influentes e persistentes para soar o alarme.

Há apenas um obstáculo: no momento em que alguém doente aparece num hospital, um surto já ocorreu. No caso do SARS-CoV-2, o vírus que causa a covid-19 provavelmente espalhou-se muito antes de ser detetado. Desta vez, a estratégia clínica por si só falhou-nos.

Uma nova abordagem

Uma abordagem mais proativa está a ganhar destaque no mundo da prevenção de pandemias: a teoria da evolução viral, que sugere que os vírus animais tornam-se perigosos vírus humanos ao longo do tempo através de um processo conhecido como spillover zoonótico.

Um animal “intermediário” pode ser obrigado a transformar o vírus para que ele possa fazer os saltos iniciais para as pessoas. Mas o hospedeiro final, que permite que uma variante se torne totalmente adaptada aos humanos, podem ser os próprios humanos.

Uma forma de aproveitar o tempo necessário para que os vírus animais se adaptem totalmente aos humanos é a vigilância repetida a longo prazo. Configurar um sistema de alerta de ameaças de pandemia com esta estratégia em mente pode ajudar a detetar vírus pré-pandémicos antes que se tornem prejudiciais aos seres humanos. E o melhor lugar para começar é diretamente na fonte.

A equipa de Miller trabalhou com o virologista Shi Zhengli do Instituto de Virologia de Wuhan para desenvolver um ensaio de anticorpos humanos para testar um primo muito distante do SARS-CoV-2 encontrado em morcegos.

Numa pequena pesquisa serológica de 2015 em Yunnan, na China, 3% dos participantes do estudo que moravam perto de morcegos portadores deste coronavírus semelhante à SARS testaram anticorpos positivos.

Mas houve um resultado inesperado: nenhum dos participantes do estudo previamente infetados relatou quaisquer efeitos prejudiciais à saúde.

Os investigadores conduziram um estudo maior no sul da China entre 2015 e 2017. É uma região que abriga morcegos conhecidos por transportar coronavírus semelhantes ao SARS, incluindo aquele que causou a pandemia de SARS original de 2003 e o mais relacionado ao SARS-CoV-2.

Menos de 1% dos participantes neste estudo testaram positivo para anticorpos, o que significa que tinham sido previamente infetados com o coronavírus semelhante à SARS. Novamente, nenhum deles relatou efeitos negativos à saúde.

Mas a vigilância sindromática — a mesma estratégia usada pelos hospitais sentinela — revelou algo ainda mais inesperado: outros 5% dos participantes relataram sintomas consistentes com a SARS no ano passado.

Este estudo fez mais do que apenas fornecer a evidência biológica necessária para estabelecer uma prova de conceito para medir o spillover zoonótico. O sistema de alerta de ameaças de pandemia também detetou um sinal de infeção do tipo SARS que ainda não pôde ser detetada através de exames de sangue. Pode até ter detetado variantes precoces do SARS-CoV-2.

Se os protocolos de vigilância estivessem em vigor, esses resultados teriam desencadeado uma busca por membros da comunidade que podem ter feito parte de um surto não detetado. Mas sem um plano estabelecido, o sinal foi perdido.

Não vamos perder o próximo sinal de alerta de pandemia

A boa notícia é que já existem infraestruturas de vigilância em “pontos críticos” globais. O programa Connecting Organisations for Regional Disease Surveillance (CORDS) liga seis redes regionais de vigilância de doenças em 28 países.

Por exemplo, o Camboja, um país em risco de propagação da pandemia de gripe aviária, estabeleceu uma linha direta nacional gratuita para que os membros da comunidade relatassem doenças animais diretamente ao Ministério da Saúde em tempo real. Abordagens práticas como estas são essenciais para uma resposta oportuna e coordenada da saúde pública para impedir os surtos antes que se tornem pandemias.

É fácil perder os sinais de alerta quando as prioridades globais e locais são provisórias. O mesmo erro não precisa de acontecer novamente.

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. A equipa de Miller trabalhou com o virologista Shi Zhengli do Instituto de Virologia de Wuhan para desenvolver um ensaio de anticorpos humanos para testar um primo muito distante do SARS-CoV-2 encontrado em morcegos.

    Há coincidências incriveis!!!

RESPONDER

Israel cria "task force" para reverter boicote da Ben & Jerry's na Cisjordânia

Israel criou uma task force para pressionar a empresa de gelados norte-americana Ben & Jerry's e a sua proprietária, Unilever, a reverterem a decisão de boicotar a ocupação israelita na Cisjordânia. "Precisamos de aproveitar os 18 …

Violência armada. 430 mortos na última semana nos EUA e 2021 pode ser dos piores anos de sempre

Só na semana passada registaram-se cerca de 430 mortos e mais de 1000 feridos associados a tiroteios, num ano que está a ser marcado pelo aumento da violência armada nos Estados Unidos. O ano passado foi …

Principais indicadores da crise climática estão a atingir "ponto de inflexão", revela estudo

Um novo estudo sobre os sinais vitais do planeta revelou que muitos dos principais indicadores da crise climática estão a piorar e a aproximar-se ou ultrapassar os pontos de inflexão, à medida que as temperaturas …

Biden acusa a Rússia de tentar intervir nas eleições de 2022 para o Congresso

O Presidente dos Estados Unidos (EUA), Joe Biden, acusou na terça-feira o seu homólogo russo, Vladimir Putin, de tentar interferir nas eleições para o Congresso de 2022, espalhando "desinformação". "Veja o que a Rússia já está …

Polícias rejeitam proposta do MAI para o subsídio de risco e prometem novos protestos

Os sindicatos da PSP e as associações socioprofissionais da GNR rejeitaram, esta quarta-feira, a proposta apresentada pelo Governo para o subsídio de risco e prometem novos protestos até que seja atribuído "um valor justo". "Saímos completamente …

Desta vez, van Vleuten ganhou mesmo (aos 38 anos)

Ficou para trás o episódio caricato do último domingo. Annemiek van Vleuten é a nova campeã olímpica de ciclismo, contrarrelógio. Annemiek van Vleuten iria ficar ligada a um dos momentos mais insólitos, ou mesmo o mais …

Bruxelas assegura aquisição de medicamento para tratamento precoce da covid-19

A Comissão Europeia anunciou, esta quarta-feira, um contrato de aquisição conjunta com a farmacêutica GlaxoSmithKline (GSK) para a compra do sotrovimab, um medicamento destinado ao tratamento precoce da covid-19, cuja utilização está a ser analisada …

Vacinados escapam às restrições da "lista âmbar" britânica

Pessoas vacinadas contra a covid-19 que viagem a partir dos Estados Unidos (EUA) ou da União Europeia (UE) podem evitar a quarentena caso venham de um país da "lista âmbar" britânica, onde está Portugal. Segundo o …

Equador retira nacionalidade ao fundador da Wikileaks, Julian Assange

O governo equatoriano revogou a decisão de 2018 devido a incongruências burocráticas. O advogado de Assange já disse que vai recorrer e que a decisão foi tomada sem o fundador da Wikileaks ser ouvido. O Equador …

Os primeiros resultados dos Censos: Portugal perdeu população pela primeira vez desde 1970

O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgou, esta quarta-feira, os primeiros resultados dos Censos 2021, cujas respostas por via digital ultrapassaram os 99%. Portugal tem hoje 10.347.892 residentes, menos 214.286 do que em 2011, segundos os …