Protestos continuam em Londres. Ativistas invadem centro financeiro

Ian Langsdon / EPA

Centenas de ativistas pelo clima do grupo Extinction Rebellion invadiram esta segunda-feira o centro financeiro de Londres para manifestarem repúdio por as grandes corporações financiarem os combustíveis fósseis.

Muitos manifestantes, protegidos da intensa chuva com lonas verdes e guarda-chuvas, envergaram bandeiras nas quais se via o logótipo do Extinction Rebellion, outros tocavam tambores e alguns distribuíam folhetos em que se lia “sinto muito”, explicando por que se manifestavam, noticiou a agência Lusa.

Exibiram também cartazes com mensagens contra as instituições financeiras e grandes empresas, nos quais pediam para que se deixe de “custear a crise climática”. Durante a semana passada, quando se iniciaram as ações, os ativistas bloquearam o parlamento britânico e ocuparam o aeroporto de London City.

Com os protestos desta segunda-feira nas imediações do Banco de Inglaterra, o grupo pretende mostrar a sua revolta face ao financiamento dos combustíveis fósseis que prejudicam o ambiente.

A Polícia Metropolitana de Londres efetuou várias detenções em torno da entidade financeira, onde foi bloqueado um movimentado cruzamento de trânsito. Espera-se que esta semana dezenas de ativistas compareçam em tribunal, alguns devido à implicação em protestos realizados em abril.

Polícia fornece refeições vegetarianas a detidos

Com a segunda fase dos protestos do movimento ambientalista Extinction Rebellion em Londres a entrar na semana final, Trafalgar Square encontra-se completamente ocupada por tendas e a polícia interveio em força para impedir que os manifestantes bloqueiem algumas das ruas que lá confluem, noticiou o Expresso.

Até sábado, ocorreram mais de mil detenções. Para prover às necessidades alimentares de muitos dos detidos, a polícia encomendou uma grande quantidade de refeições vegetarianas e bebidas sem lactose. Isto apesar de a sua chefe, a Comissária Cressida Dick, se queixar do esforço suplementar a que as manifestações obrigam, levando ao desvio de agentes do combate ao crime violento em Londres.

Janos Marjai / EPA

Entrevistado pelo Sun, um palhaço profissional brasileiro que foi preso nas manifestações admitiu ter sentido medo mas disse que os polícias lhe forneceram “boa comida vegetariana quente, um café e mesmo livros para ler”.

Para muitos ambientalistas, a opção por uma dieta vegetariana é uma questão ética. Dado que o consumo de carne tem custos relativamente elevados para o ambiente e é um dos fatores importantes nas alterações climáticas, praticá-lo deixou de fazer sentido para eles. Com a medida agora aplicada, as autoridades parecem ter conciliado a necessidade de manter a ordem pública com o respeito pelos manifestantes.

A exigência principal do movimento Extinction Rebellion, que usa como símbolo uma ampulheta rodeada por um círculo (para representar o tempo a esgotar-se) parece ser que o governo declare uma emergência climática e se comprometa a reduzir a zero o balanço das emissões de carbono até 2025.

O governo comprometeu-se a fazê-lo, mas até 2050, o que os ambientalistas consideram demasiado tarde. Em Trafalgar Square, quem quiser informação mais técnica sobre o assunto pode dirigir-se a um ponto onde se encontram cientistas. O ator Benedict Cumberbatch foi uma das celebridades que também marcaram presença.

Além de Trafalgar Square, os manifestantes têm alargado a sua ação a outros locais em Londres, incluindo o ministério das Finanças e a BBC, a quem acusam de ocultar o que se está a passar. Entretanto, o primeiro-ministro Boris Johnson chamou aos manifestantes “crusties”, um termo depreciativo que designa jovens sem abrigo ou com aspeto sujo. Acrescentou que deixavam para trás tendas a cheirar a erva.

Em resposta a essa afirmação, o pai do primeiro-ministro, o antigo deputado europeu e quadro do Banco Mundial Stanley Johnson, falando num palco instalado em Trafalgar Square, apoiou os esforços manifestantes para salvar o planeta e disse que ele próprio tinha orgulho em ser um “crusty” não colaborante.

O movimento Extinction Rebellion foi estabelecido em 2018. Em abril passado, já tinha promovido ações em Londres que levaram a centenas de detenções. Um das suas imagens mais distintivas são as procissões lentas e silenciosas de pessoas vestidas com mantos vermelhos (ou verdes) e as caras pintadas de braco, sugerindo algo de ominoso.

Ativistas estarão a ser pagos para protestar

Na última semana, Londres encheu-se de ativistas pelo clima numa operação de protestos encabeçada pelo Extinction Rebellion. Houve quem protestasse em cima de aviões a fazer vídeos em direto, quem bebesse gasolina à frente da conferência sobre petróleo e até quem colasse a mão ao passeio para evitar ser retirado, noticiou o Observador.

No final, cerca de 1300 protestantes foram detidos. Agora, o Daily Mail avançou que o grupo conhecido por este tipo de protestos mais extremos pagou cerca de 400 libras (cerca de 458 euros) por semana a pelo menos 168 ativistas mais influentes – incluindo a neta de um aristocrata – para protestar e utiliza táticas de propaganda para ter mais crianças e “membros da classe trabalhadora” para mudar “a diversidade sócio-económica do grupo”.

O jornal teve acesso a documentos do grupo Extinction Rebellion que mostram que foram gastas mais de 70 mil libras (cerca de 80 mil euros) só em pagamentos. Como este montante foi declarado como despesas gerais, e não pagamento de salários, o grupo pode ter pagar mais de uma centena de milhar de libras em impostos. Por causa disso, um deputado do partido conservador já pediu à autoridade tributária do país para investigar.

Um documento do Extinction Rebellion, designado por “Política e Processos Financeiros”, refere que os voluntários podem pedir ajudas de custo para despesas de deslocação até 400 libras (cerca de 458 euros) – metade se se tratar de protestos em ‘part-time’. O mesmo documento refere que o voluntário “não deve reivindicar mais do que precisa para cobrir as despesas básicas de vida”.

Entre os manifestantes que viram reveladas as folhas de despesas que apresentaram ao grupo, há nomes como o de Tamsin Omond, uma atriz neta de um baronete (um título nobiliárquico da monarquia britânica), que recebeu 1340 libras (cerca de 1535 euros) no final de 2018 para participar nos protestos.

View this post on Instagram

I’ve been alongside brave rebels on the streets with @extinctionrebellion. In 5 days more than 1200 people in London have been arrested causing non-violent disruption. Roads have been shut down, all traffic stopped from reaching Westminster, London City Airport and countless government departments blockaded – we have been relentless in our courage, resilience and community. It’s been hard work and many of us are feeling it but at these extremes of our emotional capacity there have been intense moments of beauty. together we’ve danced, cried, even got married 🙂 there has been a Lot of humanity in these streets. There are hard facts that we are trying to change. Maybe, through committed activism and political action we will change some of them. We have to hope. But regardless of what material change is possible, I’m grateful that on the streets I’m pushed into situations that stretch me, that build compassion, resilience, kindness, patience, community – values that I need to nurture in me if I’m going to face the climate breakdown future as the kind of person I want to be. Life on earth is dying. The climate is changing much faster and more furiously than we feared. The costs of inaction will be infinite and those costs aren’t distant or far off, they are costs that are landing heavily right now. And with heart breaking injustice – they are landing especially on the billions of people whose poverty meant low carbon lifestyles and so contributed the least to this crisis. I search my heart to find what I should do. And what I find is a tangle of selfish needs and selfless love, self aggrandising privilege with a capital P, urgent hope and simply that I love being alongside people – the trust and faith in each other that comes from some of @extinctionrebellion’s culture and being on the streets. I’m a rebel, but there are lots of people in this movement for whom rebellion doesn’t come so naturally (or easily). There’s no perfect answer. There are countless imperfect paths forward. And I’ll keep taking the right one for me because rn, knowing what I know, to do nothing is still a choice. It’s a bad choice that, I think, shrinks us and keeps our hearts on ice.

A post shared by Tamsin Omond (@tamsinomond) on

Segundo sua a folha de despesas, o pagamento do montante prende-se com o facto de ter deixado de trabalhar para outros clientes de relações públicas para poder protestar.

Outros manifestantes voluntários pagos, como o realizador Joel Scott-Halkes, recebem cerca de 800 libras mensais para estarem nos protestos. Já os cofundadores do grupo Gail Bradbrook e Roger Hallam terão recebido 600 e 1200 libras mensais, respetivamente, para cobrir despesas de deslocação e comida.

Num outro documento a que o jornal teve acesso, o Extinction Rebellion assume temer ter de pagar centenas de libras por problemas com a forma como declarou os montantes.

Atualmente, a empresa Compassionate Revolution, que é a utilizada pelo grupo Extinction Rebellion para gerir os fundos recebidos, tem cerca de 371 mil libras no banco. Desde 2018, que o grupo já angariou mais de 2,5 milhões de libras em ‘crowdfunding’.

Os maiores doadores foram a banda Radiohead e até a neta de um magnata do petróleo, John Paul Getty. Com este dinheiro, o grupo ativista pró-clima tem financiado projetos como uma viagem pela Europa para “acampar e conectar-se à natureza”.

 

Além destas medidas, o grupo quer atrair mais “diversidade”, de forma a desconetar-se de uma imagem de um grupo apenas com pessoas “brancas, britânicas, de meia-idade ou pensionista, de classe média, com estudos superiores e provavelmente leitores de esquerda do The Guardian”, como revela um dos documentos.

Num dos documentos a que o jornal teve acesso é possível ler uma das propagandas enviadas: “É da classe trabalhadora? Precisamos de si! Estamos extremamente interessados ​​em aumentar a diversidade sócio-económica do Extinction Rebellion. Se é pobre ou da classe trabalhadora e já é membro, entre em contacto connosco”.

Numa das últimas reuniões do grupo, um dos líderes manifestou preocupação pela falta de representação de “pessoas com deficiências ou pessoas de cor”. Além disso, no mesmo documento sobre a imagem estereotipada dos manifestantes do grupo, é referido que as crianças são um público-alvo deste tipo de organizações para conseguirem apoio.

Em Portugal, o grupo Extinction Rebellion está também representado e já promoveu manifestações mais inusitadas em prole de melhores políticas para melhorar o ambiente.

No final de setembro, ativistas portugueses sentaram-se na Avenida Almirante Reis, junto ao Banco de Portugal, montaram tendas e ameaçaram não sair dali, preparados para ficar toda a noite. O protesto pacífico acabou pelas 21:30 de 27 de setembro, mas elementos da PSP tiveram de retirar os manifestantes à força e uma pessoa foi detida.

ZAP // //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. A primeira imagem nada tem a ver com a noticia e é claramente na França – basta olhar para o fardamento do policia (que nem sequer é anti-motim)!

RESPONDER

Viagens ao Espaço têm um novo perigo desconhecido para os astronautas

Há um perigo inerente às longas viagens espaciais dos astronautas desconhecido até aos dias de hoje. Um novo estudo aponta que os cosmonautas podem ver o seu fluxo sanguíneo revertido na parte superior do corpo. A …

Macrocilix maia, a misteriosa traça que tem moscas a comer fezes nas suas asas

Macrocilix maia é uma espécie de traça que se destaca pela forma como se camufla dos seus predadores. Nas suas asas vê-se duas moscas a comer excrementos de pássaro. A natureza nunca falha em surpreender-nos e …

Há provas que ligam misteriosa doença que paralisa crianças a vírus raro

Pela primeira vez, foram encontradas provas da associação do Enterovírus D68, um vírus raro até há algum tempo, à Mielite Flácida Aguda, uma doença semelhante à poliomielite que tem afectado centenas de crianças, provocando a …

Antigos egípcios podem ter encurralado milhões de pássaros só para os mumificar

Novas evidências de ADN sugerem que os antigos Egípcios capturavam pássaros selvagens para sacrifícios ritualísticos (e para os poderem mumificar depois). As catacumbas egípcias contêm milhares de pássaros mumificados, especificamente íbis-sagrados (Threskiornis aethiopicus), empilhados uns sobre …

Estudo mostra que sondagens tendenciosas enviesam eleições políticas

Através de experiências práticas, uma investigação recente sugere que as sondagens tendenciosas podem influenciar e enviesar as eleições políticas, até mesmo nas grandes democracias. Enquanto uma eleição se aproxima no Reino Unido e uma votação presidencial …

A Rússia criou a arma mais mortífera da história. Foi há 72 anos

Comummente conhecida por AK-47, a espingarda Kalashnikov foi responsável por milhões de mortes durante a nossa História, sendo uma das armas mais populares do mundo e a mais fabricada pela indústria de armamento. Segundo o The Conversation, …

Luxemburgo 0-2 Portugal | Campeão marca presença no Euro

Portugal venceu o Luxemburgo por 2-0 e apurou-se para a fase final do Euro2020 – a 11ª presença consecutiva da turma das “quinas” em fases finais de grandes competições. Num encontro mal jogado, em parte pelas …

Hologramas e outras tecnologias podem ajudar a combater incêndios florestais

Portugal continua a ser assombrado pela destruição sem precedentes dos incêndios florestais. Agora é a hora de aproveitar as nossas ferramentas tecnológicas e encontrar maneiras inovadoras de ajudar a aliviar o problema e também evitar …

Pombos estão a perder dedos ou patas por causa da poluição

Basta passar algum tempo na praça de uma cidade para ver que alguns pombos têm patas feridas ou dedos em falta. Embora possamos pensar que isto é causado por algum vírus ou pelos eventuais desentendimentos …

Descoberto no Japão fóssil de pássaro com 120 milhões de anos

O fóssil de um pássaro do Cretáceo recentemente descoberto no Japão pode levar os cientistas a repensarem alguns detalhes sobre a evolução do voo. Há cerca de 120 milhões de anos, um pássaro com o tamanho …