Professores vivem em parques de campismo enquanto esperam por casa no Algarve

A menos de uma semana de se apresentaram nas escolas onde foram colocados, alguns professores têm que recorrer a parques de campismo para viver enquanto esperam por casas no Algarve, noticia esta quinta-feira o Diário de Notícias.

De acordo com o diário, os professores enfrentam dificuldades em encontrar casa no Algarve devido ao turismo que é muito forte na zona até meados de setembro.

Face à escassez de casas para alugar, os docentes procuram parques de campismo, pensões e hostels. Este é um problema que “tem vindo a agudizar-se, devido ao volume do turismo na zona”, que é também “cada vez menos sazonal”, afirma a presidente do Sindicato Democrático de Professores do Sul (SDP Sul), Josefa Lopes, ao DN.

A falta de casas, que, por norma, de outubro até maio está destinada ao turismo, pode mesmo levar professores a desistir da vaga em que foram colocados.

“Porque [os docentes] têm família e as condições que lhes são oferecidas não são minimamente razoáveis para levar um ou mais filhos consigo”, conta Josefa Lopes, em declarações ao mesmo jornal. O mais comum, acrescenta, é “ver professores que já evitam candidatar-se a determinados lugares por más experiências relativamente ao alojamento”.

“Vejo colegas que neste momento estão em grande stress porque entram ao serviço no dia 2 mas o alojamento só está disponível a 15 (na maior parte dos casos)”, escreveu esta terça-feira Arlindo Ferreira, diretor do Agrupamento de Escolas Cego do Maio, no blogue Arlindovsky, do qual é autor, numa publicação intitulada: “Os Professores não vão de férias para o Algarve, vão trabalhar”.

Situação semelhante relata Susana Ferreira, de 42 anos, ao Diário de Notícias. “Todos os meses de agosto penso em desistir“, diz a educadora de infância, natural de Braga, que terá de se apresentar pelo segundo ano consecutivo numa escola do Algarve.

A educadora conta que para viver no Algarve no início das aulas tem que optar entre viver num parque de campismo ou viver “a preço de turista”.

Susana, que está à procura de casa no Algarve, diz que lhe pedem “600 euros” por um T2, valor que recorda que é metade do seu ordenado. Em alternativa, tem os “preços de turistas”, que diz ser também incomportável.

“Não vou gastar 500 euros numa semana. Não ganhamos para pagar isto. Mesmo num bungalow (num parque de campismo) já é difícil ficar, porque são caros”, conta ao DN.

Face às dificuldades, Susana pondera ficar num parque de campismo até dia 15 de setembro, data a partir da qual conseguiu assegurar uma casa.

A sindicalista Josefa Lopes alerta, contudo, que os professores podem ter que ficar mais tempo do que esperado num parque de campismo, uma vez que o turismo se está a tornar menos sazonal e previsível. “Aqueles que aceitam ficar nesta situação (em parques de campismo) pensam que a situação será transitória. Se calhar é, mas o nosso turismo está cada vez menos sazonal”, alerta.

Este é um problema já conhecido dos sindicatos, segundo conta ao DN o secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof). Um colega, recorda, “geria um parque de campismo em Lagos e arranjava forma de os professores lá ficarem”.

“Infelizmente, é um problema que já vem de longe. E não apenas no Algarve, embora deva estar a sentir-se mais por lá, devido ao aumento do turismo e de casas destinadas a turismo”, reitera o mesmo responsável.

A 16 de agosto foi divulgada a lista de colocação dos professores no site da Direção-Geral da Administração Escolar, cerca de um mês antes do início do ano letivo. De acordo com informação do Ministério da Educação, 24 mil professores foram colocados, sendo que 13 mil docentes mantiveram a colocação nas escolas onde estiveram no ano anterior.

ZAP //

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Sempre foram tratados como escravos. Mesmo de castigo (congelamentos, contribuições extraordinárias, aumento da carga letiva), os dados da OCDE relativos ao ensino em Portugal, sempre a subir. Isto é que é um país que investe no futuro! Deixa-me orgulhoso! Claro que estou a ser irónico, principalmente se me lembrar que a Coreia do Sul era, nos anos 1960, um país pobre, investiu tudo no ensino e hoje todos sabemos que tipo de país é aquele. O meu povo chama a isso “ter vistas largas”.

  2. Sempre os mesmos a chorar, toda gente se preocupa com a função, esquecem se que no privados há trabalhadores que vivem nos carros. E a grande maioria mesmo com licenciaturas ganham €600

    • és mesmo um imbecil….
      invés de usar esses tocos, a que chamas dedos, para evidenciares a tua profunda inutilidade social e a tua insignificancia intelectual, usa-os e enfia-os nos orifícios que a natureza te providenciou.
      Já agora, tanta inveja apraz-me dizer-te. ESTUDASSES!!!! Assim podias ser um dos milhares de “chorões”

  3. Caro amigo… “Mais do mesmo” é o que ideias como a sua provocam. No privado, se os trabalhadores não ganham bem, a culpa é dos gestores. Olhe pergunte ao gestores dos grandes negócios privados porque é que escondem os lucros em Off-Shore, fugindo a pagar impostos no seu país, cuja carga fiscal depois têm de ser distribuída e suportada pelos trabalhadores, que não podem esconder os ordenados em Off-Shore.

    Duas frases de dois gestores do sector privado:

    Patrick Drahi: “Pago o mínimo [de salários] que puder”.
    Belmiro de Azevedo: “Se não for a mão-de-obra barata, não há emprego para ninguém”.

    Sabia que no privado a discrepância entre ordenados dos trabalhadores e dos quadros superiores é infinitamente maior do que no sector público? Toda a gente se escandaliza quando os ordenados dos trabalhadores são mais elevados do que os do privado (por pura inveja, que é a principal característica Portuguesa). Mas ninguém aponta o dedo aos CEOs das empresas privadas que em geral ganham muito mais do que os quadros superiores das empresas públicas. E esta hém… O Português pobre realmente é um gajo que não precisa que ninguém o lixe… Eles lixam-se uns aos outros e ainda idolatram quem anda a viver à custa deles. Idolatram porque também gostavam de ser como eles e viver à custa dos outros.

    • Verdade! E quando trabalhadores do setor privado fazem greve para melhorarem os salários e condições de trabalho, viram-se logo contra eles. Viu-se bem recentemente na greve dos camionistas, mas também na dos trabalhadores da Autoeuropa e na dos estivadores. Inveja e medo é o que move muita gentinha.

RESPONDER

Depois do "selo Brexit", os correios da Áustria emitem o "selo corona" impresso em papel higiénico

O serviço postal da Áustria uniu dois pontos da pandemia do novo coronavírus ao criar um selo impresso em papel higiénico que, segundo os correios, as pessoas também podem, a qualquer momento, usar para ajudar …

A Moog celebra os 100 anos do Theremin com um novo instrumento: o Claravox Centennial

Este ano marca o 100º aniversário do Theremin - um dos primeiros instrumentos musicais completamente eletrónicos, controlado sem qualquer contacto físico pelo músico. Para celebrar vai ser lançado o Claravox Centennial. Foi em 1920 que Leon Theremin, …

Depósito inexplorado na Sibéria tem uma das maiores reservas de ouro do mundo

O maior produtor de ouro da Rússia, PJSC Polyus, anunciou esta semana que o seu depósito inexplorado em Sukhoi Log, na região siberiana de Irkutsk, possui uma das maiores reservas mundiais deste metal preciosos. De …

Os novos iPhones não trazem carregador. Apple poupa muito nos custos, mas não no ambiente

A Apple decidiu vender os seus novos iPhones sem carregador ou auscultadores, alegando que a alteração tem em conta o ambiente, uma vez que serão utilizados menos produtos na embalagem dos telemóveis, mas os especialistas …

Caça ao tesouro secular. Lendária ilha pode esconder Santo Graal, manuscritos de Shakespeare e jóias reais

Perto da Nova Escócia, no Canadá, há uma lendária ilha com misteriosos túneis e estranho artefactos. Há quem acredite que esconde o Santo Graal, os manuscritos de Shakespeare e um tesouro de um capitão. Porém, …

Aprender "baleiês" pode evitar choque de navios com o animal

Uma equipa de cientistas da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, tem uma nova ideia para salvar as baleias-azuis em migração das colisões com navios. Durante a época de migração das baleias-azuis, os animais enfrentam sérios …

Afinal, os carros elétricos não são a melhor resposta para combater as alterações climáticas

Os carros elétricos, surgem como alternativas mais sustentáveis aos veículos a gasolina ou gasóleo, podem não ser a melhor forma de combater as alterações climáticas no âmbito dos transportes, de acordo com um novo estudo. …

Seria Jesus um mágico? Há arte romana que parece sugerir que sim

Em alguma arte antiga, Jesus é retratado a fazer milagres com algo na mão que parece ser uma varinha. Investigadores sugerem que se trata de um cajado, que era usado como símbolo de poder. Segundo a …

Nem todos os clubes estão a afundar – alguns estão a prosperar durante a pandemia

Nem todos os clubes estão a sofrer às mãos desta pandemia de covid-19. Alguns deles têm conseguido bons resultados financeiros apesar da crise. A covid-19 provou ser um adversário devastador para o desporto profissional em todo …

Kibus: o aparelho que vai revolucionar a forma como os nossos cães se alimentam

Ter cães como melhores amigos pode ser muito benéfico, mas também traz a sua dose de trabalho e responsabilidades. Levar ao veterinário, dar banho, levar a passear, brincar, dar de comer... No fundo é como …