Professores em todas as escolas só no fim do mês

professor, aula, aluno

Algumas escolas poderão continuar sem professores até ao final do mês, alertou a Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP), criticando as falhas da Bolsa de Contratação de Escola.

Na passada sexta-feira, o Ministério da Educação e Ciência (MEC) anunciou a atribuição de 4.368 horários, mas rapidamente surgiram inúmeros casos de professores que estavam a ser colocados em várias escolas ao mesmo tempo. Ao optar por uma, os docentes deixavam todos os outros lugares vagos.

Neste momento, ainda existem alunos sem professores e as escolas terão de recorrer novamente à Bolsa de Colocação de Escola (BCE) para tentar resolver a situação em algumas das 304 escolas classificadas como TEIP (Território Educativo de Intervenção Prioritária) ou com autonomia.

“Muitos dos quatro mil horários ficaram por preencher e temo que isto vá continuar assim até ao final do mês. É preciso acabar com esta multiplicidade de colocações”, disse o vice-presidente da Associação Nacional de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP), Filinto Lima, recordando o caso do docente que foi colocado em mais de 70 escolas.

Filinto Lima aponta falhas na aplicação da BCE, tais como o facto de as candidaturas dos professores terem todas o mesmo peso, não havendo uma ordem que obrigue a que no momento em que um professor “entra” numa escola, as restantes candidaturas sejam automaticamente anuladas.

Ou seja, para a ANDAEP, no momento em que um professor consegue uma colocação, todos os outros lugares a que se candidatou e nos quais também poderia ficar colocado, deveriam ficar disponíveis para outros candidatos.

“A aplicação deveria ser inteligente, mas neste momento a máquina ainda não está a funcionar”, lamentou Filinto Lima, em declarações à Lusa.

Esta semana deverá abrir uma nova BCE, para que sejam colocados os docentes em falta mas a ANDAEP teme que tal seja insuficiente: “Neste momento, não há nenhuma medida legislativa ao fundo do túnel que nos permita ter todos nas escolas, todos os professores a dar aulas”.

“Muitos alunos vão perder metade do primeiro período de aulas“, lamentou, sublinhando a importância de avançar com as aulas de compensação prometidas pelo MEC, em especial para os alunos que este ano fazem exames nacionais – 4.º, 6.º, 9.º e os do secundário.

Para Filinto Lima, a solução deve passar por “dar aulas diluídas ao longo do tempo que devem ser lecionadas por professores com disponibilidade de componente letiva e, nos casos onde as escolas não têm docentes nesta situação, o ministério poderá disponibilizar crédito horário às escolas”.

Entretanto, contou, houve um conjunto de agrupamentos de escolas que não chegaram a abrir concurso da BCE e que receberam na passada sexta-feira uma informação do ministério para que criassem a sua BCE.

Nestas escolas, a opção das direções foi recorrer à Reserva de Recrutamento que, sublinha Filinto, tem trazido menos problemas.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

PS adia negociações com partidos de esquerda

Os socialistas vão adiar todas as reuniões com os partidos sobre as medidas para o Orçamento do Estado. O encontro com o BE estava marcado para amanhã e foi cancelado. O mesmo acontecerá com o …

Protestos continuam em Londres. Ativistas invadem centro financeiro

Centenas de ativistas pelo clima do grupo Extinction Rebellion invadiram esta segunda-feira o centro financeiro de Londres para manifestarem repúdio por as grandes corporações financiarem os combustíveis fósseis. Muitos manifestantes, protegidos da intensa chuva com lonas …

"Tenho muitas dívidas, muito financiamento por pagar"

Isabel dos Santos explicou em entrevista à Lusa a origem dos seus investimentos, salientando serem totalmente privados, o que a levou a criar muitas dívidas. Disse ainda que os empresários têm dificuldade em trabalhar e …

Estados Unidos autorizados a aplicar taxas sobre produtos europeus

A Organização Mundial do Comércio (OMC) autorizou oficialmente esta segunda-feira os Estados Unidos a aplicar taxas alfandegárias sobre 7500 milhões de dólares de importações oriunda da União Europeia devido aos subsídios dados à Airbus. A OMC …

Tribunal rejeita providência cautelar requerida pela Ordem dos Enfermeiros contra ministério

O Tribunal Administrativo do Círculo de Lisboa rejeitou a providência cautelar pedida pela Ordem dos Enfermeiros (OE) contra o Ministério da Saúde no processo de sindicância à OE, anunciou esta segunda-feira o Governo. Em comunicado, o …

Paraísos fiscais. Portugal transferiu 672 milhões em 2018

Os bancos a operar em Portugal transferiram 672 milhões de euros no ano passado para territórios que constavam das listas de offshores problemáticos da União Europeia. Em 2018, os bancos a operar em Portugal transferiram 672 …

Discurso da Rainha. Entre crime, saúde e imigração, o Brexit foi destaque

Várias propostas de lei relacionadas com o Brexit destacam-se no programa do governo britânico para os próximos meses apresentado esta segunda-feira pela rainha Isabel II no parlamento, o qual inclui a implementação de um eventual …

Conservadores polacos vencem legislativas com maioria absoluta

Os conservadores nacionalistas no poder na Polónia venceram as eleições legislativas com 45,16% dos votos, de acordo com os resultados oficiais que se referem à contagem de 82,79% das circunscrições. O partido conservador eurocético Lei e …

Ambulâncias rejeitadas no Hospital de Setúbal por sobrelotação das urgências

Ambulâncias que chegavam ao Hospital de São Bernardo, em Setúbal, durante a tarde de domingo, foram encaminhadas para outros hospitais. As urgências do centro hospitalar estavam sobrelotadas. Entre as 12h e as 16h30 deste domingo, o …

Professores regressam à greve ao trabalho extraordinário

A paralisação poderá comprometer as avaliações intercalares dos alunos, alertam os sindicatos que pedem o cumprimento do horário de 35 horas semanais. A greve dos professores ao trabalho extraordinário regressa esta segunda-feira às escolas, sem data …