Prioridade do Governo “não é proibir despedimentos, é apoiar” o emprego

Em entrevista ao Público, o primeiro-ministro António Costa disse que a prioridade do Governo é apoiar o emprego e garantiu que não há dinheiro dos contribuintes a financiar o Fundo de Resolução.

Em entrevista ao Público, o primeiro-ministro sublinhou que a prioridade do Governo “não é proibir despedimentos, é apoiar” o emprego, e garantiu que “não há” dinheiro dos contribuintes a financiar o Fundo de Resolução (FdR) em 2021. “A nossa prioridade não é proibir despedimentos, é apoiar a manutenção do emprego“, disse António Costa.

O primeiro-ministro explicou que o “excesso de rigidez pode significar matar muitos mais postos de trabalho do que aqueles que serão sacrificados para que a empresa se mantenha a funcionar”.

No caso das empresas, não se pode “matar o doente com a cura” e o “razoável” – palavra que o líder do executivo socialista utiliza bastante ao longo da entrevista – é “não permitir às empresas abusarem” da crise económica decorrente da pandemia “para fazerem despedimentos que doutra forma não fariam”.

António Costa também foi taxativo em relação ao financiamento do FdR com dinheiro dos contribuintes no próximo ano. “A questão é saber se há dinheiro dos contribuintes a financiar o FdR: não há”, frisou o primeiro-ministro.

Questionado sobre a razão pela qual não houve um acordo entre o Governo e o Bloco de Esquerda sobre esta matéria, Costa respondeu que essa questão tem de ser feita aos bloquistas, uma vez que o Governo fez “aquilo que era razoável”.

“Infelizmente, alguns países têm bancos que precisam dos mecanismos de apoio no FdR, é o nosso caso com o Novo Banco. Depois há um contrato que como qualquer outro deve ser cumprido”, frisou, acrescentando que o que é esperado “de um Estado é que cumpra e honre as suas obrigações”.

O também secretário-geral do PS adicionou que “é razoável” dizer que, “neste contexto, este ano o Estado não vai financiar” o Fundo de Resolução e que “foi em atenção” ao Bloco de Esquerda e “para responder a uma posição” do partido que o Governo adotou “esta posição”.

“Se alguém está numa mesa de negociações com razoabilidade, a afirmação de que impedimos o Estado de financiar o FdR é uma afirmação política e um ganho político muito relevante”, considerou.

Negociações OE2021

Em relação às negociações com os parceiros políticos, Costa disse que a postura do Governo nos últimos cinco anos foi a de “não as fazer na praça pública”. “Não gostaria de prosseguir as negociações com o BE através do canal público”, acrescentou, esclarecendo que o Executivo ainda está a fazer um “esforço de aproximação” e até há votação final global da proposta de Orçamento do Estado para 2021 há “tempo para procurar ultrapassar divergências”.

Contudo, “o limite é o bom senso e o que é razoável”.

Interrogado sobre se a dificuldade na aprovação do OE para o próximo ano é sinal de que o Governo está politicamente desgastado, Costa rejeitou essa hipótese e considerou que “há uma enorme diferença entre o que é a bola político-mediática e aquilo que é efetivamente a vontade e o sentimento popular”.

O chefe do Governo exemplificou esta ideia com as sondagens, que demonstram que “não existe essa vontade de mudança, nem esse desgaste”. Além disso, disse que ainda não encontrou “alguém que visse” razões para o BE não viabilizar a proposta de OE2021.

Sobre a integração na comissão de honra do atual presidente do Sport Lisboa e Benfica e recandidato ao cargo, Luís Filipe Vieira, – da qual Costa foi excluído, entretanto, por Vieira – o primeiro-ministro disse, do ponto de vista da sua consciência, “não devia recusar, naquele momento e naquela circunstância”.

Em relação à evolução da pandemia no país, obrigatoriedade da aplicação Stayaway Covid não agrada ao socialista, no entanto, Costa considera que é uma necessidade.

“Se me pergunta se é uma medida de que eu gosto? Não, não gosto da medida. E a ideia de ser obrigatória a aplicação? Não, também não gosto da medida. Se neste momento acho que é necessária? Acho que sim”, vincou.

Com a aproximação do Natal, numa altura em que o número de novos casos já ultrapassou várias vezes os 2.000, Costa não descartou a possibilidade de, assim como aconteceu na Páscoa, proibir a saída das pessoas “do concelho” para “poderem ir à terra”.

O líder do executivo afirmou ainda que a forma como substituiu o juiz conselheiro Vitor Caldeira pode não ter sido “errática”, no entanto, “errada foi de certeza porque não foi bem comunicada”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

"Checkmate". Rússia apresenta o seu novo jacto de combate revolucionário

O novo jacto é a aposta do governo russo para as exportações e pode vir a ditar o fim da supremacia (aérea e no mercado) do F-35 norte-americano. A Rússia apresentou o protótipo do novo jacto …

"É demasiado tarde". As palavras dos médicos aos doentes com covid-19 que recusaram a vacina

Estados Unidos da América contam com 48.49% da população totalmente vacinada, apesar de o processo ter estagnado nas últimas semanas. Os números de novas infeções crescem, assim como as mortes face ao crescimento galopante da …

"Pingdemic". Há uma nova "pandemia" a causar escassez de comida e combustível no Reino Unido

As medidas de distanciamento social no Reino Unido caíram e, como consequência, centenas de milhares de pessoas estão a ser notificadas para cumprir isolamento. A partir desta segunda-feira o uso de máscara e outras medidas de …

O lago mais improvável de Roma é um refúgio urbano (que impulsiona o ativismo ambiental)

O lago mais improvável de Roma, que nem sequer devia existir, motivou uma luta pela proteção ambiental do local. No anos 90, num local de construção a apenas alguns quilómetros a leste do Coliseu de Roma, …

Afeganistão. EUA lançam ataques aéreos enquanto Talibãs exigem a renúncia do Presidente

Os Estados Unidos (EUA) entraram num confronto pela cidade de Kandahar, realizando ataques aéreos em apoio às forças afegãs, enquanto os Talibãs apelam ao Presidente Ashraf Ghani para renunciar. O porta-voz do Pentágono, John Kirby, avançou …

A primeira casa impressa em 3D no Canadá é inspirada na sequência de Fibonacci

Depois de ter inspirado inúmeros edifícios, a sequência de Fibonacci serviu de musa à empresa de impressão em 3D Twente Additive Manufacturing (TAM), que criou a primeira casa impressa em 3D do Canadá. A Fibonacci House é …

Marcha do Orgulho de Budapeste será um protesto contra as leis anti-LGBTQI, diz organização

A marcha do Orgulho em Budapeste, que ocorrerá no sábado, será "uma celebração, mas também um protesto", disseram os organizadores, enquanto a comunidade LGBTQI húngara se prepara para desafiar a escalada da campanha anti-homossexual do …

PSD propõe máximo de 215 deputados e divisão de grandes círculos eleitorais

O PSD apresentou, esta sexta-feira, a sua proposta para a reforma do sistema eleitoral, que fixa um máximo de 215 deputados, menos 15 do que o total atualmente em vigor. A proposta do PSD para a …

Variante Lambda: o que saber sobre a nova mutação que preocupa as autoridades

Está a ter um foco mais circunscrito à América Latina, mas já houve dois casos desta mutação em Portugal. A OMS está atenta e de momento classifica a Lambda como uma variante de interesse. Foi inicialmente …

PSD força audição de Eduardo Cabrita sobre inquérito da IGAI

O PSD recorreu à figura da audição potestativa a que os partidos têm direito a usar regimentalmente para ouvir membros do Governo e entidades públicas.  O PSD requereu esta sexta-feira a audição parlamentar obrigatória do ministro …