Primeiro-ministro de Malta não se demite

Joseph Muscat, primeiro-ministro maltês que está a ser pressionado para se demitir por alegadas ligações a morte de jornalista, disse que se mantém no cargo.

O primeiro-ministro de Malta, Joseph Muscat, não se vai demitir, apesar das pressões sofridas depois de se conhecerem ligações de membros do seu gabinete no âmbito da investigação sobre o assassínio da jornalista Daphne Caruana Galizia.

“Muscat continuará concentrado na prioridade de se encerrar um dos maiores casos criminais da história do país, como prometido, e esse será o momento de responder e falar sobre o caminho a seguir”, refere o comunicado do Governo.

Num Conselho de Ministros que se prolongou pela madrugada desta sexta-feira, os membros do Governo maltês discutiram o afastamento de Muscat e a concessão do perdão ao empresário Yorgen Fenech.

O primeiro-ministro rejeitou o pedido de imunidade para um dos suspeitos do assassínio da jornalista. “Tomei a decisão final com os meus colegas, que decidiram não ser apropriado conceder o perdão”, disse Muscat em conferência de imprensa, citado pelo Público.

Muscat, no poder desde 2013, argumentou que a decisão foi tomada com base nos conselhos do chefe da polícia e do procurador-geral.

Os meios de comunicação tinham adiantado que Joseph Muscat iria apresentar a sua demissão, depois de se ter encontrado com o Presidente maltês, George Vela, durante a manhã. O líder da oposição, Simon Busuttil, do Partido Nacionalista, defendeu que “a saída imediata de Muscat é inevitável e imperativa” para o país.

Daphne Caruana Galizia, de 53 anos, foi morta em 16 de outubro de 2017 com uma bomba colocada no seu automóvel em Bidnija, onde vivia.

A jornalista investigava, na altura, vários políticos malteses, incluindo o primeiro-ministro e a mulher, no âmbito dos Papéis do Panamá, que mostraram como centenas de políticos, empresários e celebridades utilizaram paraísos fiscais para evasão fiscal, lavagem de dinheiro e transações ilegais.

Na semana passada, as autoridades maltesas detiveram o empresário Yorgen Fenech, considerado pela família da jornalista e por alguns meios de comunicação social do país como o ou um dos mandatários do crime.

Yorgen Fenech é diretor e proprietário da Electrogas, que ganhou em 2013 um concurso de vários milhões de euros aberto pelo Estado de Malta para a construção de uma central elétrica de gás. O empresário foi detido a bordo do seu iate, dias depois de ter sido detido um alegado intermediário do crime, Melvin Theuma, a quem foi oferecida imunidade em troca de informação.

Ouvido pela polícia, o empresário Yorgen Fenech envolveu no caso o chefe de gabinete e amigo íntimo do primeiro-ministro Keith Schembri, entretanto detido e interrogado e libertado na noite de quinta-feira.

As alegadas ligações financeiras do dono da Electrogas aos ministros do Turismo, Konrad Mizzi, e da Economia, Chris Cardona, levou à também demissão do cargo dos dois membros do Governo maltês.

A pressão contra o Governo tem aumentado nas ruas da capital de Malta, La Valleta, com protestos contínuos em frente ao parlamento para exigir a saída de Muscat e a verdade sobre um crime que chocou a sociedade.

União Europeia preocupada

De acordo com o diário, o Parlamento Europeu aprovou esta semana o envio de uma “missão urgente” a Malta e a comissária europeia responsável pelo Estado de Direito na União Europeia, Vera Jourova, pediu uma reunião urgente ao Governo maltês.

“Não comentamos investigações nacionais em curso. Dito isto, a Comissão Europeia tem declarado que esperamos uma investigação minuciosa e independente sobre as pessoas responsáveis por este crime, para que sejam levadas à Justiça”, disse a responsável, citada pelo The Guardian.

Temos de enviar um claro sinal a todos os jornalistas: é seguro trabalharem na Europa. Se os jornalistas são silenciados, também o é a democracia. Liberdade de imprensa, pluralismo e a protecção dos jornalistas são a base para uma sociedade livre e democrática”, continuou.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Nova Zelândia quer tornar a próxima geração completamente não fumadora

A Nova Zelândia anunciou um conjunto de propostas que visam banir os cigarros entre a próxima geração e aproximar o país da sua meta de ser livre de fumo até 2025. Desta forma, o Governo pretende …

Porto lança cartão da cidade para munícipes. Vantagens incluem descontos na cultura

O cartão foi lançado no dia 5 de abril e permite que os utilizadores tenham acesso a descontos em museus, teatros, piscinas e utilização gratuita do elevador dos Guindais. Destina-se aos moradores da cidade e …

Afinal, o SEF ainda não foi extinto. Governo vai publicar decreto-lei

Afinal, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) ainda não foi extinto. Segundo o Ministério da Administração Interna, o Governo vai "aprovar por decreto-lei a orgânica do novo serviço público [SEA] e as novas competências …

Mais quatro mortes e 553 casos nas últimas 24 horas

De acordo com a Direção-Geral da Saúde, Portugal registou nas últimas 24 horas 553 novos casos de covid-19 e quatro mortes associadas à doença. Portugal regista hoje mais quatro mortes relacionadas com a covid-19, 553 novos …

Familiares das vítimas do voo MH-17 na Ucrânia vão pedir indemnizações

Uma das advogadas das vítimas do voo MH-17 da Malaysia Airlines anunciou que 290 familiares apresentaram pedido de indemnização contra os quatro suspeitos do acidente. Uma advogada das vítimas do derrube do voo da Malasya Airlines …

1.º de Maio. CGTP duplica lotação, UGT festeja online com ex-ministros socialistas

As centrais sindicais voltam a estar divididas quanto às comemorações do 1.º de Maio. A CGTP vai organizar dois desfiles e duplicar a concentração na Alameda Dom Afonso Henriques; a UGT cancelou qualquer iniciativa presencial …

"Vice" da bancada do PS contestado por pedir autocrítica do partido sobre Sócrates

Pedro Delgado Alves defendeu que o PS deveria refletir sobre a ação de José Sócrates. O deputado foi contestado por outros dirigentes do grupo parlamentar, nomeadamente Ana Catarina Mendes, que reagiu de forma dura à …

Japão responde à China e garante que derrame de Fukushima será seguro

O vice-primeiro-ministro japonês, Taro Aso, reafirmou esta sexta-feira, em resposta às críticas da China, que a descarga da central nuclear de Fukushima aprovada pelas autoridades japonesas estará dentro dos limites de segurança da água potável. "Estou …

Ninguém quer "a batata quente" do caso Sócrates. Ivo Rosa e Carlos Alexandre com nota máxima

Os juízes Ivo Rosa e Carlos Alexandre foram avaliados com a nota máxima de "Muito Bom" pelo Conselho Superior da Magistratura em inspecções realizadas entre 2013 e 2018, ou seja, abarcando o período da investigação …

João Leão afasta criação de imposto de solidariedade para pagar crise pandémica

O ministro das Finanças, João Leão, argumenta que a criação de um imposto de solidariedade para pagar a crise pandémica não ajudaria nem seria benéfica. Em entrevista ao semanário Expresso, o ministro das Finanças, João Leão, …