Energy Observer, o primeiro barco com zero emissões passou em Lisboa

Confortável e silencioso, o Energy Observer é a primeira embarcação do mundo autossuficiente, movida a energias renováveis. A bordo, em movimento mas sem barulho, o comandante diz que o futuro será assim, no mar e em terra.

“No futuro serão assim os barcos, também os automóveis e os apartamentos”, mas também “os bairros inteiros, mesmo os países”, diz Jerôme Delafosse, chefe da expedição e realizador de documentários.

Pele queimada do sol, faz parte de uma equipa de 10 pessoas que trouxe o Energy Observer a Lisboa, o princípio ainda de uma grande aventura que vai durar seis anos, com mais de 10 escalas em 50 países de todo o mundo.

Partiu em junho do ano passado de Saint-Malo, França, já percorreu mais de nove mil milhas náuticas, e em Portugal vai estar até final do mês. Para mostrar que é possível viajar-se assim, só com energias renováveis, e para sensibilizar para a necessidade de um planeta que use menos combustíveis fósseis e mais combustíveis alternativos.

É Jerôme quem o diz à Lusa, admitindo que a velocidade do catamarã seria superior com outro tipo de combustível, mas chamando a atenção para o silêncio dos motores. “É o primeiro navio que funciona com energias renováveis, solar e eólica e hidrogénio”, diz, salientando depois a ausência de poluição e o silêncio que permite ouvir o mar.

A viagem serve também para testar todo o tipo de tecnologia em situações extremas, para depois a adaptar a outras embarcações, a habitações, a todo o tipo de transportes.

O “futuro da energia”

Jorge Seguro Sanches, secretário de Estado da Energia, acredita que é possível esse futuro. Esteve no catamarã. Esteve na inauguração de uma exposição sobre o Energy Observer e disse que a iniciativa é uma inspiração para Lisboa, para Portugal e para todo mundo. E especialmente para Portugal, o terceiro país da Europa que em 2016 mais incorporou energias renováveis.

“A questão do armazenamento [da energia] e o aproveitamento do hidrogénio vão fazer toda a diferença nos próximos anos”, disse o secretário de Estado na inauguração da exposição.

“O grande desafio que temos pela frente, para um país como o nosso que tem aproveitado bem a energia renovável, na transição energética e na eletrificação, é se temos ou não capacidade de a armazenar. Essa capacidade faz toda a diferença, ou através das baterias ou através de modelos como este (o Energy), que tecnologicamente têm um grande potencial e que tem a ver com hidrogénio. Este modelo mostra que é possível”, adiantou.

Jorge Seguro Santos lembrou que ainda esta semana o Governo assinou no Conselho da Energia, na Áustria, uma declaração “no sentido da promoção do hidrogénio na produção na área das energias renováveis”. E Portugal, lembrou, está também a desenvolver um roteiro do hidrogénio.

O entusiasmo de Jorge Seguro Santos não difere do entusiasmo de Jerôme Delafosse. “Um navio agora, transportes públicos amanhã, porque para esses já começou o processo irreversível de cada vez mais se deixarem as energias fósseis”.

Para já está em Lisboa, e depois no Porto, o Energy, e a exposição itinerante de mais de mil metros quadrados junto à Doca da Marinha, com entrada livre.

Ao largo, no Tejo, o catamarã, com um sistema que combina três fontes de energia com o duplo armazenamento de baterias a hidrogénio, produzido a bordo por eletrolise da água do mar.

O projeto teve o patrocínio do Presidente francês, o apoio da União Europeia e da UNESCO, além de vários parceiros, e vai andar pelo mundo a falar das energias renováveis, da biodiversidade, da agroecologia, da economia circular, dos objetivos de desenvolvimento sustentável da ONU.

Uma iniciativa que “simboliza o futuro da energia”, como resumiu o fundador do projeto e “skipper” Victorien Erussard, queimado do sol como Jerôme, o mesmo entusiasmo por uma aventura de seis anos.

A estabilidade do catamarã irá torná-la mais fácil. E a energia produzida a bordo alimenta todas as máquinas, incluindo a do café. A acreditar nas palavras de Jerôme, longe das cidades, em mar alto, com os motores em pleno, se calhar o som da máquina do café será o mais audível no “Energy”, além do mar.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Primeiro?
    Será que as naus dos Descobrimentos e outro milhões de barcos à vela (etc) que passaram por Lisboa durante séculos, não eram “zero emissões”?!

RESPONDER

A Bugatti está a vender um carro elétrico "para crianças". Chama-se Baby II e custa 30 mil euros

A Bugatti e a Little Car Company, sediada em Londres, uniram-se para criar 500 Bugattis elétricos em miniatura para crianças. Agora, fruto dos desenvolvimentos mundiais, alguns veículos ficaram disponíveis para compra. O mais recente brinquedo da …

50 anos de monarquia e uma guerra de dias. A pandemia "matou" a micronação mais antiga da Austrália

O reinado de 50 anos de uma micronação na Austrália chegou ao fim devido ao impacto económico da pandemia de covid-19, que fez com que o autodeclarado principado se rendesse ao país. Hutt River, um principado …

NASA vai rebatizar planetas e outros corpos celestes com nomes ofensivos

A agência espacial norte-americana (NASA) anunciou que vai rebatizar alguns planetas, galáxias e outros corpos celestes que possuem nomes "ofensivos". Em comunicado publicado esta quinta-feira, a NASA explica que vai abandonar os nomes "não-oficiais" a …

O maior parque de crocodilos da Índia está à beira da falência. Abriga mais de 2.000 animais

O maior parque de crocodilos da Índia, localizado perto da cidade de Chennai, no sul do país asiático, encontra-se à beira da falência depois de a pandemia de covid-19 ter obrigado a fechar o espaço …

Campanha científica acrescenta mais de 37 mil quilómetros quadrados ao mapa do mar português

A campanha científica que o navio hidro-oceanográfico D. Carlos I da Marinha Portuguesa realizou durante nove semanas nos Açores, para levantamentos hidrográficos, permitiu “acrescentar cerca de 37.500 quilómetros quadrados sondados ao mapeamento do mar português”. Numa …

Apesar dos alertas, houve quem plantasse as sementes misteriosas da China (e já começaram a crescer)

Durante as últimas semanas, pessoas em todo o mundo têm recebido, sem ter encomendado, nas suas caixas de correio sementes com origem na China. Apesar dos avisos em contrário, houve quem plantasse os misteriosos presentes. As …

Marcelo veta redução de debates sobre a Europa. Não foi uma "solução feliz"

O Presidente da República vetou esta segunda-feira a redução do número de debates em plenário para o acompanhamento do processo de construção europeia de seis para dois por ano, defendendo que não foi uma “solução …

Boris Johnson admite alargar quarentena a mais países

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, admitiu esta segunda-feira alargar o sistema de quarentena a pessoas que cheguem de países atualmente isentos para reduzir o risco de infeção com a doença covid-19 no Reino Unido. "No contexto …

Novo lay-off. Ajuda da Segurança Social para pagar subsídios de Natal pode chegar só em 2021

O apoio ao pagamento do subsídio de Natal previsto pelo Governo para apoiar as empresas no âmbito do novo regime de lay-off, que entrou em vigor em agosto, poderá só ser pago pela Segurança Social …

Trump abandona conferência de imprensa após ser confrontado por jornalista com mentira que disse 150 vezes

O Presidente norte-americano abandonou uma conferência de imprensa, este sábado, depois de ter sido confrontado por uma jornalista com uma mentira que já terá dito mais de 150 vezes sobre cuidados de saúde para os …