Polícia israelita tem “provas suficientes” para acusar Netanyahu de corrupção

A polícia israelita recomendou hoje à justiça que acuse de corrupção e fraude o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, que por seu turno confirmou a indicação policial numa declaração à televisão pública, mas declarou-se inocente.

A polícia divulgou um comunicado sustentando que “existem provas suficientes contra o primeiro-ministro para acusá-lo de receber subornos, fraude e abuso de confiança”.

A recomendação, que surge ao fim de dois anos de inquérito, precisa de uma decisão oficial para avançar com o processo, ficando agora nas mãos do procurador-geral Avishaï Mandelblit, e pode demorar várias semanas.

Depois de os media israelitas noticiarem a posição da polícia, Benjamin Netanyahu, de 68 anos, refutou todas as acusações em declarações transmitida pela televisão israelita: “Estas recomendações não têm nenhum valor jurídico num país democrático”.

Segundo o Expresso, o governante falou aos eleitores para garantir que as alegações são “infundadas” e prometeu continuar nas lides do país.

De acordo com os media, no primeiro caso, o Caso 1000, Netanyahu é acusado de receber presentes – nomeadamente cigarros de luxo – de personalidades ricas como James Packer, milionário australiano, ou Arnon Milchan, produtor israelita em Hollywood, que somam um valor de dezenas de milhares de dólares.

O segundo caso, o Caso 2000, também envolve suspeitas de “suborno, fraude e quebra de confiança pelo primeiro-ministro” e por Arnon Mozes, dono do jornal israelita de maior tiragem, o “Yedioth Ahronoth”. Os dois homens, aponta a polícia, são suspeitos de discutirem formas de desacelerar as vendas de um jornal rival, o “Israel Hayom”, “através de legislação e outros meios”.

Netanyahu cumpriu um primeiro mandato entre 1996 e 1999, e lidera agora de novo o governo israelita desde 2009.

Sem rival aparente, irá bater o recorde de longevidade no poder em Israel, pertencente ao histórico David Ben Gourion, fundador do Estado de Israel, se conseguir chegar ao final da atual legislatura, que vai até novembro de 2019.

“Vou continuar a liderar Israel de forma responsável e fiel enquanto vós, cidadãos de Israel, me escolherem para vos liderar”, declarou Netanyahu. “Estou certo de que, nas próximas eleições, que serão organizadas no seu devido tempo , irei reconquistar a vossa confiança com a ajuda de Deus”.

O ministro israelita da Justiça, Ayelet Shaked, já disse que um primeiro-ministro acusado oficialmente não é obrigado a demitir-se.

“Quando um primeiro-ministro é acusado, não é obrigado a demitir-se sem que tenha esgotado todos os recursos para se defender”, indicou também à agência France Presse o analista Ofer Kenig, do Instituto de Democracia de Israel.

No entanto, a lei permite ao parlamento desencadear um processo especial se o chefe do Governo for colocado em causa por obscenidade moral, acrescentou.

Abir Sultan / EPA

Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel

Na área política, os comentadores sublinharam que o destino de Benjamin Netanyahu vai depender em grande parte do ministro das Finanças, Moshé Khalon, líder do partido de centro-direita Koulanou.

Se esta formação política com dez deputados – em 120 – o abandonar, Netanyahu deixa de ter maioria parlamentar. “Vão surgir pressões intensas sobre Moshé Kahlon”, prevê Hanan Cristal, comentador político da rádio pública de Israel.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Desabamento na maior lixeira de Maputo mata 12 pessoas

Doze pessoas morreram na madrugada de hoje na sequência do desabamento de parte da lixeira de Hulene, nos subúrbios da capital moçambicana, disse à Lusa fonte do Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC). A lixeira …

Mallu sai, Jorge Palma (re)entra: RTP desfaz erro na pontuação do público

A RTP anunciou um erro nas votações de domingo, no âmbito da primeira semifinal do Festival da Canção. Assim, a canção composta por Jorge Palma e interpretada por Rui David está entre as sete apuradas …

Ministro das Finanças francês nega acusações de violação

O ministro das Finanças francês, Gérald Darmanin, negou as acusações de violação de que é alvo e que levaram ao debate político sobre a sua permanência no Governo em França. Gérald Darmanin disse esta segunda-feira numa …

"Eu nunca disse que a Rússia não interferiu nas eleições", afirma Trump

Depois de 13 cidadãos russos terem sido formalmente acusados pela justiça norte-americana de terem interferido nas eleições de 2016, Donald Trump afirma que os russos estão "a rir à gargalhada" dos americanos. O Presidente dos Estados …

Guterres distinguido com doutoramento "honoris causa"

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, foi hoje distinguido com o grau de doutor "honoris causa" pela Universidade de Lisboa, sob proposta do Instituto Superior Técnico, onde foi aluno e professor. Na cerimónia, com início …

"Pior que levar um tiro". Líder da comunidade cigana vai desonrar agressores de enfermeiros

O líder da comunidade cigana, Alberto Melo, vai castigar a família que agrediu enfermeiros nas urgências do Hospital de São João, no Porto. O caso aconteceu na passada terça-feira, quando uma dezena de elementos de uma …

Governo quer proibir farmácias de fazer descontos acima de 3%

Os descontos que algumas farmácias fazem podem vir a ser limitados no futuro, de acordo com uma intenção do Governo em proibir descontos acima dos 3%. Segundo o Público, o Ministério da Saúde elaborou um projeto …

Mina de urânio espanhola coloca Portugal em risco de contaminação radioactiva

Depois da polémica de Almaraz, há uma nova "guerra" Portugal-Espanha. Desta feita, por causa de uma mina de urânio a céu aberto que está a instalar-se perto da fronteira com Portugal e que pode vir …

Com um pedaço de drone iraniano na mão, Netanyahu diz que "é tempo de os parar"

Na Conferência de Segurança de Munique, na Alemanha, Benjamin Netanyahu garantiu que Israel agirá contra o Irão se necessário, afirmando que aquele país é a maior ameaça mundial. Uma semana depois dos ataques aéreos de Israel …

Jornalistas condenam boicote. Comentadores desobedecem a Bruno de Carvalho

O Sindicato dos Jornalistas considerou que o apelo do presidente do Sporting para que os adeptos boicotem a comunicação social é uma tentativa de limitar a liberdade de imprensa e condicionar o trabalho dos profissionais. Em …