Praxe: Sanções das universidades nunca foram aplicadas

Soniart / Flickr

-

As universidades e politécnicos portugueses têm regulamentos disciplinares que punem a violência entre alunos com sanções que podem chegar à expulsão dos estudantes, mas não há memória de terem sido aplicadas.

Apesar de não terem responsabilidades na regulação ou aplicação das praxes académicas, as associações académicas vão hoje apresentar ao ministro da Educação uma proposta de Estatuto do Estudante do Ensino Superior que inclui normas disciplinares e sanções uniformes em caso de abusos e excessos em contexto académico e praxes.

Isto, apesar de as instituições já terem regulamentos próprios que sancionam os abusos levados a cabo pelos alunos, ainda que, até hoje, nas universidades e politécnicos contactados pela Lusa, nunca tenha havido qualquer necessidade de os aplicar.

“A legislação obriga a que cada universidade tenha um regulamento disciplinar do aluno. Esse diploma define um conjunto de infrações e, no limite, pode levar à interdição do aluno no ensino superior”, disse à Lusa Ruben Alves, presidente da Federação Académica do Porto, que reúne associações de estudantes de várias faculdades.

No Porto, disse, nunca nenhum aluno foi expulso. “Ora esta situação pode ser justificada por duas razões: os casos não são reportados ou então as situações que vieram a público são casos pontuais”.

Na Universidade de Coimbra (UC), também não há memória de expulsões ou suspensões devido a praxes violentas, confirmou a reitoria.

Ricardo Morgado, presidente da Associação Académica de Coimbra, diz haver na universidade “um respeito por quem participa e por quem não quer participar nas praxes”.

O regulamento da UC, frequentada por cerca de 24 mil alunos, define como infração “praticar actos de violência ou coação física ou psicológica sobre estudantes, docentes, funcionários e demais pessoas que se relacionem com a Universidade de Coimbra”.

As sanções previstas no diploma, publicado em Diário da República em 2012, vão desde a advertência até à aplicação de multas, suspensão temporária das actividades escolares, suspensão da avaliação escolar durante o período de um ano e interdição de frequentar a instituição até cinco anos.

Em Lisboa, a história repete-se. A universidade tem um regulamento, ao qual nunca foi necessário recorrer para sancionar praxes violentas ou desadequadas, porque nunca foram recebidas quaisquer queixas na reitoria.

André Machado, presidente da Associação Académica da Universidade de Lisboa, sublinhou, no entanto, que “é difícil recolher informação fidedigna” junto dos alunos, até porque, “as praxes colocam normalmente as pessoas em situações embaraçosas”, que geram receios e dificultam as denúncias.

Para André Machado “é importante distinguir praxe de crime”. Discurso semelhante tem o vice-reitor da Universidade Lusófona, Carlos Poiares, que disse à Lusa que, mesmo tendo a universidade regulamentos para os alunos, em caso de praxes violentas, dentro ou fora da instituição, o que tem que ser aplicado é o Código Penal, levando os autores das potenciais situações de crime à justiça.

Ainda assim, disse Carlos Poiares, na universidade a que pertenciam os seis estudantes que morreram no Meco, e que motivaram o reacender do debate sobre as praxes na sociedade portuguesa, a prática corrente é a de “resolver as questões académicas menos graves por consenso e com recurso ao provedor do estudante”, uma figura institucional que a Lusófona tem para apoio ao aluno.

Nos politécnicos há muitas realidades, segundo Bruno Fragueiro, da Federação Nacional das Associações de Estudantes do Ensino Superior Politécnico (FNAEESP), mas também se desconhecem expulsões ou suspensões das aulas.

Tal como as universidades, também os politécnicos têm regulamentos publicados em Diário da República, definindo deveres dos alunos e determinando as sanções por incumprimento que, no caso do politécnico do Porto, podem ir da advertência à suspensão.

O presidente do Instituto Politécnico de Bragança (IPB), e ex-presidente do conselho coordenador dos politécnicos, Sobrinho Teixeira, disse à Lusa que não se lembra de ter sido aplicada alguma daquelas sanções aos seus alunos.

“Durante mês e meio temos reuniões semanais com a comissão de praxe precisamente para analisar o que se passa e tentar introduzir aspectos positivos nas praxes”, contou Sobrinho Teixeira, lembrando os casos solidários, em que os caloiros recolhem alimentos para doar a instituições, e as ações culturais.

Públicas ou privadas, as instituições de ensino superior estão obrigadas a ter um regulamento disciplinar para os alunos, que pode existir enquanto documento isolado, ou integrado nos estatutos da própria instituição.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Coreia do Sul organizou um espetáculo de luzes para agradecer e incentivar o uso de máscara

A Coreia do Sul tem sido dos países com maior sucesso no combate à pandemia de covid-19. Com receio de uma segunda vaga, o Governo organizou uma forma incomum de agradecer aos profissionais de saúde …

Desgostos e namoriscos com humanos. Aquário de Quioto expõe complexas relações dos pinguins num fluxograma

O Aquário de Quioto, antiga capital do Japão, tem um fluxograma onde expõe as relações dos seus pinguins. Entre diferenças de idade, desgostos de amor e até namoriscos com humanos, as relações entre estes animais …

O sangue azul do caranguejo-ferradura é fundamental para a vacina da covid-19. Mas há um problema

O sangue azul do caranguejo-ferradura pode ser um elemento muito importante para encontrar a vacina para a covid-19, mas há um grande senão. O sangue azul do caranguejo-ferradura (Limulus Polyphemus) é a única fonte natural conhecida …

Jovem guarda-redes russo atingido por raio durante um treino

Ivan Zakborovsky, um jovem guarda-redes russo, está em coma induzido. O clube já revelou que o atleta não corre perigo. Ivan Zakborovsky, um guarda-redes de apenas 16 anos do Znamaya Truda, da Rússia, foi atingido por …

Elegante, leve e com fibra de carbono. O Tyr quer ser diferente de todos os outros caiaques

Embora os caiaques com assento se tenham tornado muito populares entre os pescadores, a maioria dos barcos é bastante tubular, pesada e de plástico. O Tyr da Apex Watercraft é diferente por ser elegante, leve …

2029 Majestic, a mota elétrica futurista com um design centenário

A 2029 Majestic é inspirada no modelo original de 1929, mas tem um motor elétrico e peças impressas em 3D. É o casamento ideal entre tecnologia e a tradição. Em 1929, Georges Roy criou a Majestic, …

Fernando Alonso regressa à Fórmula 1 com a Renault

O piloto espanhol Fernando Alonso vai regressar à Fórmula 1 depois de ter abandonado a modalidade em 2018. Assina agora um contrato de dois anos com mais um de opção. A escuderia Renault anunciou esta quarta-feira …

China reitera que não participará no diálogo EUA/Rússia para reduzir arsenal atómico

A China reiterou, esta quarta-feira, que não entrará nas negociações entre os Estados Unidos e a Rússia para um novo acordo que limite a quantidade de armas nucleares, e acusou Washington de “constituir uma ameaça”. Pequim …

Traumas na infância e um pai "sociopata". As revelações do livro da sobrinha de Trump

O livro de memórias de Mary Trump, sobrinha do Presidente norte-americano Donald Trump, já chegou às mãos de vários jornalistas nos Estados Unidos. A data de publicação está marcada para dia 14 de julho. No livro, …

Rússia detém antigo jornalista por acusações de traição

O ex-jornalista Ivan Safronov, assessor do diretor da agência espacial russa Roscosmos, foi detido esta terça-feira e acusado de traição. Esta terça-feira, as autoridades russas prenderam um antigo jornalista que trabalhava agora como assessor do chefe …