O povo Cherokee escrevia mensagens ao contrário para falar com os espíritos

Há quase 200 anos, os Cherokee reuniram-se numa caverna do Alabama e, usando o seu novo alfabeto, escreveram mensagens cerimoniais nas paredes e no teto.

Algumas das mensagens religiosas foram escritas de trás para a frente, possivelmente para que os espíritos da caverna – que os Cherokee poderiam ter visto como um portal para o mundo espiritual – pudessem lê-los.

Investigadores já conhecem estes escritos desde que os exploradores encontraram as marcas na Caverna de Manitou em 2006. Mas, agora, um grupo de arqueólogos, incluindo aqueles com origem nas três tribos Cherokee reconhecidas pelo governo federal, trabalharam juntos para traduzir as mensagens.

É raro descobrir escritos rupestres históricos no próprio alfabeto de uma tribo, disse o principal arqueólogo do estudo, Jan Simek, eminente professor de antropologia da Universidade do Tennessee, em Knoxville.

“Aqui, tivemos o uso de cavernas e decoração nativa americana das paredes das cavernas, mas na escrita que conseguiríamos ler”, disse Simek, autor do estudo publicado na revista Antiquity. “Nós conseguíamos ouvir na sua própria voz o que estavam a fazer.”

As mensagens são escritas em silabário Cherokee, um sistema de escrita para a língua Cherokee que um homem Cherokee chamado Sequoyah inventou no início dos anos 1800. Na época, Sequoyah vivia em Willstown, uma grande comunidade de refugiados de Cherokees que tinha fugido da sua terra de cultivo e caça que ocupava as Montanhas Apalaches em partes da Geórgia, Carolina do Sul, Carolina do Norte e Tennessee.

O silabário de Sequoyah foi tão bem sucedido que o Cherokee adotou-o como sistema de escrita em 1825, e tornou-se amplamente utilizado. Mesmo assim, foi uma surpresa encontrar a escrita na Manitou Cave, com algumas das marcas descobertas a cerca de 1,5 quilómetros da boca da caverna.

Na época em que Sequoyah desenvolveu o alfabeto, os Cherokee enfrentavam pressões indescritíveis do governo dos EUA, que os realocaram à força das suas terras nativas no sudeste na década de 1830, disse Beau Carroll, arqueólogo da Banda Oriental do Escritório de Preservação Histórica Tribal dos Indígenas Cherokee.

Durante esses tempos tumultuosos, a Manitou Cave assumiu um novo significado espiritual. “Era como se estivessem a procurar lugares onde pudessem continuar praticando as suas formas tradicionais sem interferência”, disse Carroll.

Numa inscrição, o Cherokee escreveu sobre um evento ritual que aconteceu em 1828. Uma tradução diz: “os líderes da equipa do stickball no 30º dia do seu mês de abril de 1828 “, enquanto outra mensagem próxima diz: “nós somos aqueles que têm sangue a sair do nariz e da boca.”

O “seu” da primeira frase provavelmente referia-se aos euro-americanos, que usavam nomes de meses. A outra linha refere-se a ferimentos sofridos durante a versão Cherokee de lacrosse, um jogo complexo e cerimonial que poderia durar dias.

Antes de cada jogo, jogadores de stickball passavam por um ritual com água sagrada. Os jogadores usaram as águas subterrâneas na caverna para este ritual de limpeza.

Outra série de mensagens, rabiscadas no teto perto da entrada da caverna, são escritas de trás para a frente e são de natureza religiosa. Como os Cherokee ainda consideram estes escritos para o mundo espiritual como sagrados, os arqueólogos decidiram não fornecer as traduções no estudo, em forma de respeito ao povo Cherokee. No entanto, os investigadores disseram que é possível que as linhas tenham sido escritas de modo a ficarem legíveis a seres sobrenaturais e aos ancestrais dos Cherokees.

A caverna também tem as assinaturas de líderes cerimoniais Cherokee, incluindo Richard Guess, um dos filhos de Sequoyah, que escreveu “Eu sou um homem respeitável de autoridade”.

PARTILHAR

RESPONDER

Afinal, Vénus pode não ser tão semelhante à Terra como pensávamos

Uma nova investigação questiona a habitabilidade de Vénus, planeta que os cientistas consideram há pouco tempo numa outra investigação poder ter um clima habitável semelhante ao da Terra. De acordo com a nova investigação, cujos …

Há gelo no polo sul da Lua e pode ter muitas fontes

Um novo estudo sugere que o gelo encontrado na superfície lunar pode ter milhares de milhões de anos, além de ter surgido de diferentes fontes. O estudo, publicado recentemente na Icarus, sugere que a maioria do …

A Evolução mostra que podemos ser a única forma de vida inteligente no Universo

As reduzidas probabilidades que acompanham a nossa evolução ao longo da história podem ser uma pista que talvez sejamos a única forma de vida inteligente no Universo. Será que estamos sozinhos no Universo? Tudo se resume …

A China está a usar a educação como arma para controlar o Tibete

A China quer obrigar crianças tibetanas a abandonarem as escolas da região e mudarem-se para escolas chinesas. O objetivo, segundo uma especialista, é "tirar o tibetano da criança". A batalha geopolítica entre a China e o …

Revelada explosão violenta no coração de um sistema que alberga um buraco negro

Uma equipa de astrónomos, liderada pela Universidade de Southampton, usou câmaras de última geração para criar um filme com alta taxa de quadros de um sistema com um buraco negro em crescimento e a um …

"É altura de dizer basta". Sporting corta com as claques

O Sporting rescindiu “com efeitos imediatos” os protocolos que celebrou em 31 de julho com a Associação Juventude Leonina e com o Diretivo Ultras XXI – Associação, anunciou hoje o clube, devido à “escalada de …

Poluição atmosférica associada a abortos espontâneos

Elevados níveis de poluição atmosférica foram associados a abortos espontâneos num estudo feito com mulheres grávidas a viver e trabalhar em Beijing, na China. A China é um dos países que mais sofre com a poluição …

Empresas espanholas dominam obras públicas na ferrovia

As empresas espanholas dominam as obras públicas na ferrovia em Portugal, ascendendo a sua quota a 70%, avança o Expresso na sua edição deste sábado. Para presidente da Associação de Empresas de Construção e Obras …

Cada vez mais mulheres denunciam abusos médicos durante o parto

Um número crescente de mulheres tem vindo a denunciar casos de abuso durante o trabalho de parto. No entanto, pouco está a ser feito para mudar isto. Durante o parto, as mulheres ficam numa posição vulnerável …

Já podemos explorar "Melckmeyd", naufrágio holandês do século XVII

Nas profundezas do Oceano Atlântico, perto da costa da Islândia, encontram-se os destroços de um navio holandês que afundou há 360 anos, no qual agora podemos "mergulhar" graças a uma experiência de realidade virtual. Quando a …