Portugueses emigram mais e vivem entre sucesso e pobreza no estrangeiro

Tânia Rego / ABr

-

Os mais de 2,3 milhões de portugueses emigrados, número que tem aumentado, vivem hoje “casos de sucesso”, mas também “situações de pobreza”, reconhece o Governo, destacando ainda “a migração de um significativo número de quadros”.

No Relatório da Emigração relativo a 2013, que o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas apresenta hoje ao Parlamento, refere-se que “as migrações implicam grandes sucessos, mas igualmente grandes dramas, a cujo debate” o Governo admite não poder “fugir”.

Realçando que se registam hoje “cada vez mais casos de sucesso” de portugueses no exterior, o Governo constata ser “igualmente verdade” que se verificam “situações graves de isolamento e de pobreza“, que é “necessário combater”.

O Governo confirma que, desde 2010, a emigração tem aumentado “muito rapidamente”, adiantando que em 2012 deverão ter saído de Portugal “mais de 95 mil” pessoas.

Reconhecendo que é preciso debater este estado de coisas, o Governo insiste, porém, no “imperativo estratégico da recuperação económica”, que vê como “a única forma” de garantir “o regresso de muitos dos que saíram”, incluindo dos “muitos quadros, indispensáveis” ao país.

O relatório assume que o fenómeno da emigração tem hoje “caraterísticas substancialmente diferentes das que se verificaram anteriormente”, entre as quais “a migração de um significativo número de quadros com qualificações académicas superiores” e “de famílias inteiras, incluindo um número significativo de crianças em idade escolar“, bem como “de pessoas com idades mais avançadas e por vezes com empregos duradouros em Portugal, em resultado de dificuldades para cumprirem compromissos estabelecidos”.

Os portugueses emigrados estão, por vezes, a trabalhar em funções para as quais têm habilitações académicas desadequadas, observa o documento, que assinala também “a mobilidade constante de muitos trabalhadores e empresários”, na construção civil ou nas novas tecnologias.

Tendência

Segundo o relatório, a tendência de emigração está a ter maior impacto nas zonas urbanas, especialmente na Grande Lisboa e, além dos “destinos tradicionais”, os portugueses estão agora a optar por novos lugares, situados “nos mais variados pontos do mundo”.

O Governo refere “três conjuntos de países de emigração”. Brasil, Canadá, Estados Unidos e Venezuela acolhem emigrantes em “grande volume”, mas trata-se de populações “envelhecidas e em declínio”, pois atualmente registam uma “redução substancial” na chegada de novos portugueses.

Países como Alemanha, França e Luxemburgo, “com grandes populações portuguesas emigradas envelhecidas, mas em crescimento“, têm registado “uma retoma” desta emigração.

Por último, surge “um conjunto de novos países de emigração”, que atrai populações jovens, como é o caso do Reino Unido, “hoje o principal destino” dos portugueses (50 por cento) e também “o mais importante polo de atracão” dos mais qualificados.

Ao Reino Unido juntam-se Angola, com “um número crescente de nacionais, muitas vezes ligados a empresas”, e Suíça, onde o número de portugueses jovens continua a crescer.

2,3 milhões de emigrantes

Hoje, haverá mais de 2,3 milhões de emigrantes portugueses, número que mais do que duplica se se acrescentar os seus descendentes. Ou seja, “a população de origem portuguesa nos países de emigração ultrapassará os cinco milhões, atingindo mesmo algumas dezenas de milhões se considerarmos os lusodescendentes já nascidos em sucessivas gerações”, contabiliza o relatório.

Esta “história emigratória acumulada” faz de Portugal “o país da União Europeia com maior emigração“, diz o Governo, apontando que os emigrantes representam “mais de um quinto” da população residente e têm “crescido a ritmo superior a esta nas últimas décadas”.

Já a percentagem de imigrantes tem-se mantido “em torno dos cinco por cento da população residente”, mas “abaixo da média” da União Europeia e com “tendência para decrescer”.

Este é o primeiro relatório desde a aprovação, há um ano, de uma resolução da Assembleia da República que pedia ao Governo relatórios anuais sobre esta matéria. A Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas sublinha, no documento, que este é um “fenómeno muito complexo”, sobre o qual várias organizações produzem dados, o que apresenta “problemas de harmonização”.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Eu amo Portugal, mas tive de emigrar para conseguir pagar dividas ao fisco e à segurança social… Nunca mais voltarei para meu Portugal amado…

RESPONDER

Nós, Cidadãos! convida Aliança para coligação. Partido de Santana ainda está "a examinar"

O partido Nós, Cidadãos! desafiou a Aliança para uma coligação eleitoral “ao centro”, mas fonte oficial da força política liderada por Santana Lopes esclareceu que ainda está “a examinar”. O presidente do Nós, Cidadãos!, Mendo Castro Henriques, confirmou à …

Benfica desmente negociações com Atlético de Madrid por João Félix

O Benfica desmentiu, em nota divulgada esta segunda-feira, todas as notícias que dão conta de uma transferência iminente de João Félix para o Atlético de Madrid. João Félix tem feito capa em vários jornais espanhóis, que insistem …

Não havia tantos pré-avisos de greve desde o tempo da troika

Nas próximas semanas, são poucos os dias úteis que não têm pelo menos uma greve. Se o ritmo se mantiver, este será o ano da legislatura com mais pré-avisos. Dos hospitais aos tribunais, passando pelos transportes …

“Maré vermelha” interdita banhos em várias praias do Algarve

As praias entre a Ilha do Farol e Vilamoura, no Algarve, estão interditadas a banhos devido a uma concentração de uma alga marinha que pode ser perigosa para a saúde. As praias algarvias entre a Ilha …

Gulbenkian vende petrolífera Partex por 555 milhões de euros

A Fundação Gulbenkian assinou, esta segunda-feira, um acordo para a venda da Partex com a PTT Exploration and Production por 555 milhões de euros. Em comunicado hoje divulgado, a Fundação Gulbenkian informou que "a operação terá um …

Ex-diretor revela carta que desmente Berardo sobre créditos na CGD

O ex-diretor de grandes empresas da CGD afirmou que José Berardo enviou uma carta dirigida a Carlos Santos Ferreira, ex presidente do banco, a solicitar a abertura do crédito de 350 milhões de euros para …

Suecos burlaram multinacionais em 1,7 milhões de euros a partir de Setúbal

Um casal de suecos burlou várias empresas multinacionais com um esquema de roubo de emails praticado a partir de Setúbal. Estas empresas chegaram a transferir 1,7 milhões de euros até à detenção do casal. Michel M., …

Huawei admite quebra de receitas superior a 26 mil milhões de euros

O fundador da Huawei admitiu esta segunda-feira uma quebra de receitas em 30.000 milhões de dólares (26.760 milhões de euros), face à pressão de Washington, que acusa o grupo de telecomunicações de estar exposto à …

Relação agrava pena de subcomissário da PSP que agrediu adeptos do Benfica

O Tribunal da Relação de Guimarães agravou para três anos e meio a pena de prisão, suspensa na sua execução, de um subcomissário da PSP por agressão a dois adeptos do Benfica naquela cidade, em …

Indonésia devolve aos EUA cinco contentores com resíduos não declarados

A Indonésia devolveu cinco contentores de lixo aos Estados Unidos (EUA) por terem sido encontrados resíduos não declarados no seu interior, informaram esta segunda-feira fontes oficiais. O porta-voz do ministério do Meio Ambiente indonésio, Djati Witjaksono …