Portugueses emigram mais e vivem entre sucesso e pobreza no estrangeiro

Tânia Rego / ABr

-

Os mais de 2,3 milhões de portugueses emigrados, número que tem aumentado, vivem hoje “casos de sucesso”, mas também “situações de pobreza”, reconhece o Governo, destacando ainda “a migração de um significativo número de quadros”.

No Relatório da Emigração relativo a 2013, que o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas apresenta hoje ao Parlamento, refere-se que “as migrações implicam grandes sucessos, mas igualmente grandes dramas, a cujo debate” o Governo admite não poder “fugir”.

Realçando que se registam hoje “cada vez mais casos de sucesso” de portugueses no exterior, o Governo constata ser “igualmente verdade” que se verificam “situações graves de isolamento e de pobreza“, que é “necessário combater”.

O Governo confirma que, desde 2010, a emigração tem aumentado “muito rapidamente”, adiantando que em 2012 deverão ter saído de Portugal “mais de 95 mil” pessoas.

Reconhecendo que é preciso debater este estado de coisas, o Governo insiste, porém, no “imperativo estratégico da recuperação económica”, que vê como “a única forma” de garantir “o regresso de muitos dos que saíram”, incluindo dos “muitos quadros, indispensáveis” ao país.

O relatório assume que o fenómeno da emigração tem hoje “caraterísticas substancialmente diferentes das que se verificaram anteriormente”, entre as quais “a migração de um significativo número de quadros com qualificações académicas superiores” e “de famílias inteiras, incluindo um número significativo de crianças em idade escolar“, bem como “de pessoas com idades mais avançadas e por vezes com empregos duradouros em Portugal, em resultado de dificuldades para cumprirem compromissos estabelecidos”.

Os portugueses emigrados estão, por vezes, a trabalhar em funções para as quais têm habilitações académicas desadequadas, observa o documento, que assinala também “a mobilidade constante de muitos trabalhadores e empresários”, na construção civil ou nas novas tecnologias.

Tendência

Segundo o relatório, a tendência de emigração está a ter maior impacto nas zonas urbanas, especialmente na Grande Lisboa e, além dos “destinos tradicionais”, os portugueses estão agora a optar por novos lugares, situados “nos mais variados pontos do mundo”.

O Governo refere “três conjuntos de países de emigração”. Brasil, Canadá, Estados Unidos e Venezuela acolhem emigrantes em “grande volume”, mas trata-se de populações “envelhecidas e em declínio”, pois atualmente registam uma “redução substancial” na chegada de novos portugueses.

Países como Alemanha, França e Luxemburgo, “com grandes populações portuguesas emigradas envelhecidas, mas em crescimento“, têm registado “uma retoma” desta emigração.

Por último, surge “um conjunto de novos países de emigração”, que atrai populações jovens, como é o caso do Reino Unido, “hoje o principal destino” dos portugueses (50 por cento) e também “o mais importante polo de atracão” dos mais qualificados.

Ao Reino Unido juntam-se Angola, com “um número crescente de nacionais, muitas vezes ligados a empresas”, e Suíça, onde o número de portugueses jovens continua a crescer.

2,3 milhões de emigrantes

Hoje, haverá mais de 2,3 milhões de emigrantes portugueses, número que mais do que duplica se se acrescentar os seus descendentes. Ou seja, “a população de origem portuguesa nos países de emigração ultrapassará os cinco milhões, atingindo mesmo algumas dezenas de milhões se considerarmos os lusodescendentes já nascidos em sucessivas gerações”, contabiliza o relatório.

Esta “história emigratória acumulada” faz de Portugal “o país da União Europeia com maior emigração“, diz o Governo, apontando que os emigrantes representam “mais de um quinto” da população residente e têm “crescido a ritmo superior a esta nas últimas décadas”.

Já a percentagem de imigrantes tem-se mantido “em torno dos cinco por cento da população residente”, mas “abaixo da média” da União Europeia e com “tendência para decrescer”.

Este é o primeiro relatório desde a aprovação, há um ano, de uma resolução da Assembleia da República que pedia ao Governo relatórios anuais sobre esta matéria. A Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas sublinha, no documento, que este é um “fenómeno muito complexo”, sobre o qual várias organizações produzem dados, o que apresenta “problemas de harmonização”.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Eu amo Portugal, mas tive de emigrar para conseguir pagar dividas ao fisco e à segurança social… Nunca mais voltarei para meu Portugal amado…

RESPONDER

Afinal, os deuses da Antiguidade eram às cores (e já as podemos ver)

https://vimeo.com/379277357 Nos nossos livros da escola e em museus de todo o mundo, as obras de arte da antiga Grécia e Roma não têm cores: são simples, puro e branco mármore. Mas será este apenas um mito? …

A sede do petróleo está a levar os povos indígenas do Equador à extinção

Os povos indígenas do Equador estão sob ameaça dos interesses do território em que habitam. Quase metade das reservas equatorianas de petróleo estão debaixo do Parque Nacional Yasuní. Os interesses dos políticos e dos grandes magnatas …

"Lesmas-leopardo" acasalam da forma mais espantosamente bizarra (e ninguém sabe porquê)

As "lesmas-leopardo" têm talvez o acasalamento mais intrigante e espantoso de todo o reino animal. Os biólogos ainda não conseguiram decifrar porque razão estes moluscos acasalam desta forma. Na escuridão da noite, duas grandes "lesmas-leopardo" começam …

Naufrágio romano com 2.000 anos encontrado na Grécia. É um dos maiores do Mar Mediterrâneo

Uma equipa de cientistas da Universidade de Patras, na Grécia, descobriu os vestígios de um navio romano que naufragou há cerca de 2.000 anos perto da ilha grega de Kefalonia, avança o Greek City Times.  …

Qual é o verdadeiro significado da vida? Um novo estudo pode ajudar com a resposta

Um novo estudo aponta que encontrar significado na nossa vida é algo positivo para a nossa saúde e bem-estar mental, mas o processo de procura tem o efeito contrário. Encontrar significado na nossa vida é uma …

A crise climática vista do Espaço. Vídeo da NASA revela degelo dos glaciares no Alasca

https://vimeo.com/379314673 Um vídeo publicado recentemente pela NASA mostra o derretimento dos glaciares do Alasca visto do Espaço. Algumas imagens revelam mudanças de quase 50 anos. O nosso planeta está a caminhar a passos largos para uma situação …

Ciência explica porque é que alguns cheiros desencadeiam memórias fortes

O cheirinho de pão acabado de sair do forno pode, por exemplo, funcionar como um portal do tempo, levando-nos de volta àquele pequeno café em Paris que visitámos há alguns anos. Os cheiros têm a capacidade …

Quase 40% dos americanos com dificuldades financeiras. Doar sangue é a sua maior receita

A economia dos Estados Unidos (EUA), considerada uma das maiores do mundo, permitiu avanços sociais e tecnológicos inestimáveis. Contudo, atualmente, cerca de 40% dos norte-americanos afirmam ter dificuldade em pagar por comida, por habitação, por …

"Políticos devem ser colocados contra a parede". Greta pede desculpa

A ativista do clima Greta Thunberg pediu desculpa por ter dito que os políticos devem ser colocados “contra a parede”, após diversas pessoas terem considerado que a jovem estava a defender a violência. A sueca de …

Carnaval belga retirado da lista de Património Imaterial da UNESCO após queixas de antissemitismo

As festas da cidade de Aalst, na Bélgica, foram retirada da lista do Património Imaterial da Humanidade, depois de a UNESCO ter sancionado a presença de carros carnavalescos contendo imagens antissemitas. O presidente da Câmara …