“Nua, entre larvas e peluches”. Julgada portuguesa que escondeu filha na mala do carro

Começou nesta semana, em França, o julgamento da portuguesa Rosa Cruz, de 50 anos, que escondeu a filha na mala do carro, durante os seus primeiros 23 meses de vida. Um caso grave de maus tratos que deixou a criança com sequelas graves e permanentes.

Rosa Cruz apresentou-se cabisbaixa e de cara fechada no julgamento que começou nesta segunda-feira, no Tribunal de Tulle, região da Nova Aquitânia, no departamento de Corrèze, no centro de França.

Escondendo o rosto por vezes, a emigrante portuguesa chegou a soltar algumas lágrimas quando ouviu o pediatra Jean-Louis Demarquez, que assistiu a filha no hospital, a contar como ela tinha “carências históricas” de vitamina D e “carências socio-afectivas” como nunca tinha visto em toda a sua carreira, conforme relata o jornal local La Montagne.

Séréna, a filha desta mulher de 50 anos, passou os primeiros 23 meses de vida fechada na mala do carro da mãe, escondida do mundo.

Foi preciso lavar a criança quatro vezes

Quando foi descoberta no cofre do veículo, tinha 7,8 quilos de peso e um desenvolvimento semelhante a um bebé de 7 meses quando já tinha dois anos. Estar com a criança era como enfrentar “uma espécie de muro”, revelou o pediatra em tribunal.

Quando lhe estenderam o biberão, a criança “apreendeu-o com os pés”, levando-o às mãos e depois, à boca, contou ainda o pediatra.

Foi preciso lavar a criança quatro vezes no hospital, tal era o estado em que se encontrava, revelou-se também no tribunal.

A leitura do estado físico e mental em que Séréna foi encontrada deixou a sala de audiência em estado de choque, como relata a imprensa francesa.

“Nua, extremamente suja, desidratada, desarticulada, parecendo procurar ar, revirando os olhos, cercada por excrementos, mas também por larvas, vermes, ao lado de brinquedos e peluches”, e no meio de “um cheiro nauseabundo”, assim se descreveu a terrível descoberta da criança em tribunal, de acordo com o Le Nouvel Observateur.

Os peritos ouvidos no caso apontam que a menina, que completa 7 anos no próximo dia 24 de Novembro, apresenta um “défice funcional de 80%” e um “síndroma autístico provavelmente irreversível”, que está directamente relacionado com o isolamento a que foi sujeita.

As perícias toxicológicas concluíram, a partir da análise a uma mecha de cabelo, que a criança apresentava concentrações fracas de vários medicamentos, nomeadamente analgésicos, ansiolíticos, sedativos e anti-convulsionantes. Disto se conclui que a mãe ter-lhe-á dado medicamentos que não são recomendáveis para crianças tão pequenas.

“Lamento o mal que fiz à Séréna”

Os investigadores do caso acreditam que a criança passava praticamente todo o tempo na mala do carro, embora a mãe tenha garantido que a retirava de lá com regularidade, para um local no rés-do-chão da casa onde ninguém costumava ir.

A menina foi encontrada em Outubro de 2013, por um mecânico que ficou curioso com os gemidos que ouviu, quando o Peugeot 307 de Rosa Cruz se encontrava na garagem onde trabalhava à espera de ser reparado.

Rosa Cruz terá escondido a gravidez de todos, até do marido, com quem tem outros três filhos, com idades entre os 9 e os 15 anos. Estas crianças estão a viver com os pais, incluindo a arguida que não se encontra detida, enquanto Séréna vive com uma família de acolhimento.

O pediatra ouvido em tribunal salientou que os outros três filhos de Rosa Cruz estão bem cuidados, revelando “uma boa qualidade de trabalho como mãe“. “Não se compreende porque é que Séréna escapou a este cuidado”, referiu.

Em tribunal, Rosa Cruz falou da infância e do casamento felizes, de como o primeiro filho foi “desejado”, e de como o segundo e o terceiro surgiram no âmbito de uma “negação da gravidez”, o mesmo que diz ter acontecido no caso de Séréna.

É muito duro ser confrontada com a realidade. Lamento o mal que fiz à Séréna“, disse também na sala de audiências.

A defesa da portuguesa alega que a própria Rosa Cruz é também uma “vítima” de “uma negação absoluta de gravidez e da criança“, o que implica “um grande sofrimento”.

Em Novembro de 2013, Rosa Cruz contou à TFI que deu à luz sozinha, na sua casa, em Novembro de 2011, e que não conseguiu assumir o nascimento da menina perante a família. “Fechei-me numa mentira, num abismo“, referiu. “Tentei mantê-la viva”, disse ainda.

Os investigadores que lidaram com a emigrante consideram que ela não queria deixar a filha, mas também que queria ser descoberta.

O responsável da investigação contou em tribunal um episódio quase anedótico, que reflecte o complexo estado desta mulher. “Quatro dias depois da descoberta da criança, Rosa Cruz telefonou-me para me culpar por ter deixado entrar os seus gatos na casa, então selada”, no âmbito dos procedimentos de inquérito, frisou.

O marido já foi ouvido em tribunal, em cadeira de rodas, depois de ter sofrido uma queda, dando muitas respostas evasivas. “Não sabia de nada. Não compreendo porque é que ela fez isto”, garantiu ao juiz do caso, admitindo que quem tratava de tudo em casa era a mulher.

Rosa Cruz está acusada de crimes de violência com mutilação ou incapacidade permanente sobre menor de 15 anos, privação de cuidados ou de alimentos comprometendo a saúde de criança, e dissimulação atentatória do estado civil de uma criança. Arrisca ser condenada a uma pena de 20 anos de prisão.

SV, ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Não há palavras para classificar este ser “humano”, inimaginável tal situação! Falta total de valores, de amor e humanismo praticado, prisão perpétua no mínimo, não é ser digno de retomar a vida entre humanos!. Cometer um acto momentâneo em situação de desespero ainda poderá haver algum perdão, cometer uma atrocidade destas perante uma filha indefesa recém nascida e de tal forma durante 2 anos sem haver um dia de arrependimento é demasiado duro, como é possível?

  2. Como pode ser possivel. Prisao perpetua, tortura, era pouco. De lamentar uma portuguesa fazer isto. Traiu o marido, engravidou de outro e simplesmente escondeu… inexplicável porque nao abortou…
    Entristecedor.

Prémios e dados pessoais. Worten alerta clientes para falso SMS em circulação

A Worten alerta os clientes para não partilharem dados pessoais em resposta a mensagens publicitárias falsas que estão a circular por SMS em nome da retalhista, a anunciar um prémio. "Alertamos que não devem ser facultados …

GNR já passou 2200 coimas por falta de limpeza de terrenos. Mais de cem câmaras multadas

Mais de uma centena de câmaras municipais foram multadas por falta de limpeza de terrenos, sendo a ausência de tratamento nas margens das estradas e junto às linhas de distribuição elétrica a principal infração registada …

Presidente do Governo da Catalunha pede a Filipe VI que abdique

O presidente do governo regional da Catalunha, Quim Torra, pediu na terça-feira ao rei Filipe VI que abdique e solicitou ao presidente do parlamento que convoque uma sessão plenária extraordinária para estabelecer uma "posição comum" …

Virologista chinesa diz que novo coronavírus foi "criado em laboratório militar"

A virologista chinesa que fugiu para os Estados Unidos deu mais uma entrevista onde assegura que o novo coronavírus foi "criado num laboratório militar". Numa nova entrevista, citada pelo jornal online Observador, Li Meng-Yan, a virologista …

Ministério da Saúde abre 435 vagas para médicos de família

É o maior número de vagas dos últimos anos colocadas a concurso para a contratação de médicos especialistas em medicina geral e familiar para o SNS. De acordo com o jornal Público, o Ministério da Saúde …

MP brasileiro processa pastor por anunciar cura com feijões para a covid-19

O Ministério Público brasileiro pediu a abertura de um processo contra o pastor evangélico Valdemiro Santiago e a Igreja Mundial do Poder de Deus, que anunciaram a cura da covid-19 a partir do cultivo de …

Dívida do Estado à ADSE ascende a 200 milhões de euros

A dívida do Estado à ADSE, em 2019, ascendia a 198,2 milhões de euros, segundo o parecer do Conselho Geral e de Supervisão (CGS) ao relatório e contas do ano passado, publicado no site do …

Governo dos Açores violou Constituição ao impor quarentena obrigatória

O confinamento obrigatório de 14 dias que o governo regional dos Açores tem imposto a quem chega à região autónoma é inconstitucional, dizem os juízes do Tribunal Constitucional. As autoridades açorianas violaram a Constituição ao impor …

China caminha a passos largos para a normalidade. Gaming, cerveja e Ikea dão empurrão

A China não regista, desde 17 de maio, vítimas mortais causadas pelo novo coronavírus. No entanto, há dois surtos ativos que parecem não impedir a população de caminhar em direção à normalidade. À semelhança do resto …

No regresso ao Superior, o Ministério recomenda aulas presenciais, com máscara e ao sábado

No regresso do Ensino Superior, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior recomenda que voltem as aulas em regime presencial com uso obrigatório de máscara e algumas das quais lecionadas ao sábado. Num comunicado …