Portuguesa que escreveu a “Dieta de Auschwitz” volta a causar revolta

H. L. Clyn Hughes / Wikimedia

Libertação do Campo de Concentração Nazi de Berger-Belsen, em 17 de Abril de 1945.

O campo de concentração de Auschwitz, localizado no sul da Polónia, é um dos grandes símbolos do Holocausto, perpetrado pelos nazis, durante a Segunda Guerra Mundial. E, por isso, um livro que pretende exaltar a suposta eficácia da “dieta de Auschwitz” volta a causar polémica.

Intitulado “A Dieta de Auschwitz vs O Pão Nosso de Cada Dia”, o livro de Emília Pinheiro foi lançado em Portugal em 2011 mas volta agora a dar que falar nas redes sociais.

Auschwitz ficou conhecido por ser um dos mais cruéis campos de concentração do regime nazi, onde milhares de judeus, ciganos, homossexuais e elementos de minorias religiosas foram submetidos a tortura, trabalhos forçados extenuantes, experiências médicas desumanas, a muita fome – e finalmente mortos nas câmaras de gás.

Assim, só o facto de Emília O.G. Pinheiro realçar “a dieta de Auschwitz” no título do seu livro já suscita revolta. Mas a forma como o tema é apresentado, contribui, ainda mais, para a polémica.

Como se não bastasse, a obra da autora portuguesa foi lançada pela Editora Ariana, que aparentemente por coincidência partilha o nome com o termo usado para a apologia da “raça pura”, ou “raça ariana”, um dos grandes lemas do regime nazi.

Nos comentários que surgem no Facebook, a consternação é geral, estranhando-se o absurdo de se relacionar um campo de concentração, onde a fome não era opcional, com uma dieta, onde existe opção.

“Afinal, vivemos para comer ou comemos para viver?”, é a pergunta que surge na contracapa do livro, onde se explica que a obra faz um paralelismo entre “a fome e a destruição” da era nazi, em que as “rações” mal chegavam “a 10% da alimentação que seria necessária para alimentar os milhares de bocas famintas”, e as dietas dos tempos modernos e, ainda, a “desenfreada comilança” de quem come como se temesse que “toda a comida do planeta tivesse a capacidade de se esgotar”.

Entre as muitas reacções críticas que surgem ao livro nas redes sociais, estão as do ex-diplomata português Francisco Seixas da Costa e do humorista João Quadros.

Emília O.G. Pinheiro nasceu nos Açores, na Ilha Terceira, mas está radicada no Brasil desde Outubro de 1979.

Apresentando-se como especialista em terapêutica ortomolecular e em dieta pelo tipo sanguíneo, a escritora justificava, em 2016, em entrevista à revista Sábado, que a sua obra pretende realçar que “o acto de nos alimentarmos de forma correcta é soberano e essencial à vida, para que não sejamos passivamente aprisionados e exterminados, aqui, pelos nossos próprios vícios”.

A autora notava também que é descendente de judeus, por parte da mãe, e realçava que sente um “orgulho enorme” pela sua história de família, bem como “uma profunda tristeza e revolta por todas as atrocidades cometidas” pelos nazis.

Emília O.G. Pinheiro ainda referia que escrever o livro foi uma forma de “trazer à lembrança aqueles milhares de prisioneiros exterminados sumariamente, sem direito a qualquer tipo de julgamento e de justiça”.

ZAP // HiperFM

9 COMENTÁRIOS

  1. era melhor escrever” a dieta de maduro”.. muito mais actual e mais facil de comprovar….claro que se a sra tivesse usado este titulo.. provavelmente os comentarios dos seixas e dos quadros fossem talvez mais rebuscados….
    nao me identifico minimamente com qualquer das partes interessadas no assunto….so nao percebo muito bem que odio sera esse às dietas e a liberdade de expressao?.. terao o mesmo odio aos versos satanicos ? ou escreveram algo em defesa de uma dezena de cristaos catolicos condenados a morte pelas hordes talibans ontem?

  2. Estamos na era do ofendidismo e da indignação fáceis!

    Se bem que se possa criticar a designação “Dieta de Auschwitz”, o que a autora diz é cientificamente correcto: quase todos os habitantes de países ricos ou equiparáveis (como Portugal) ingerem calorias em excesso e isso tem consequências negativas a vários níveis, saúde incluída. Está cientificamente provado que pessoas que passaram por restrições alimentares, vivem mais tempo.

    E a autora foi bastante clara quanto à sua demarcação das atrocidades cometidas na Segunda Grande Guerra.

    • concerteza….mais que obvio…. toda a gente percebeu qual o radicalismo dessa dieta….. so que ha muita gente que gosta de protagonismo e nao sabe bem como alcança-lo entao deita se a fazer comentarios aberrantes e que denotam apenas falta de etica e responsabilidade social.
      gostei do seu post….ainda bem que consegue explicar a certos cretinos o que significa bom senso.. eu ja nao conseguia faze-lo “tal se me enrrolam as tripas”, com certas pseudo ideias de certas pseudo figuras!!!.

  3. amen….tanta gente neste momento a ser morta , violada, torturada, fuzilada…..a morrer a fome e as maos dos sanguinarios marxistas…e certas figuras caricatas preocupadas com a dieta……. se ainda fosse a dieta do maduro, ainda tinha a ver com portugal e com muitos portugueses a terem que fugir da fome e da miseria….
    mas será que essas figuras caricatas ja saltaram a terreiro a condenar essas barbaridades???

  4. Pelos vistos um livro escrito por quem se julgará competente para tal e depois acaba numa barracada sem pés nem cabeça, é o que deduzo de tudo isto, mas como estamos em tempo de loucuras é apenas mais uma.

  5. Numa sociedade onde tudo orbita à volta da comida, tudo se festeja com comida bem “regada”, chora-se a mastigar, onde se está sempre à espera da próxima dentada-sensação, e pior, onde em cada cesto de compras que se trás para casa a disparidade da percentagem entre os produtos “bem” empacotados cheios de estimulantes do apetite, conservantes que os fazem perdurar até à próxima geração e ludibriantes visuais e os que deveriam ser consumidos, infelizmente é inglória para o primeiro e muita gente acha óptimo, é difícil mudar mentalidades que não entendem a mensagem que o livro tenta transmitir, mas só olham ao cenário de terror que o livro referencia.
    https://zap.aeiou.pt/morreu-aos-113-anos-yisrael-kristal-homem-velho-do-mundo-170157

  6. É um assunto delicado e é muito estúpido usá-lo sem um bom e muito sério motivo.

    É também claro que é origem de (muita) publicidade imediata e gratuita, o que me leva imediatamente a questionar duplamente o respectivo uso e repudiar o que e quem tão vilmente se aproveita – ou tenta aproveitar-se.

RESPONDER

May promete facilitar permanência de cidadãos europeus no Reino Unido

A primeira-ministra britânica prometeu, esta quinta-feira, "facilitar" a estadia dos cidadãos europeus no Reino Unido depois do Brexit, ao mesmo tempo que garantiu que o consenso com a União Europeia nesta matéria está "muito perto". Theresa …

Bruxelas deve considerar despesas dos incêndios como “excecionais”

O comissário europeu dos Assuntos Económicos, Pierre Moscovici, defendeu esta quinta-feira que as despesas públicas resultantes dos devastadores incêndios em Portugal sejam consideradas como "circunstâncias excecionais", sem consequências na avaliação orçamental a fazer por Bruxelas. "Parece-me …

Creme anticelulite tem ingrediente proibido

A Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor (DECO) pediu ao Infarmed a retirada do mercado do creme 'Depuralina Celulite', por conter um ingrediente proibido em cosméticos, na União Europeia, desde 2015. De acordo com um …

Benfica recebe o V. Setúbal, FC Porto o Portimonense e Sporting o Famalicão

O sorteio realizado, esta quinta-feira, na Cidade do Futebol, em Oeiras, ditou que os três grandes vão jogar em casa. Benfica e FC Porto jogam com outras duas equipas da I Liga, enquanto que o …

Líder neonazi britânico declara-se homossexual, revela ser judeu e abandona movimento

Um proeminente líder neonazi da Frente Nacional (NF) britânica deixou o movimento depois de se declarar homossexual e revelar a sua herança judaica. O líder fez as revelações sobre o seu passado violento enquanto renunciava …

Costa pediu finalmente desculpas (contrariado e só como cidadão)

"Se me quer ouvir pedir desculpas, eu peço desculpas". Eis como António Costa fez um mea culpa contrariado pelos trágicos incêndios que mataram mais de 100 pessoas, nos últimos meses, num debate parlamentar onde confessou …

Material de Tancos abre guerra entre o Ministério Público e militares

A Polícia Judiciária Militar não informou o Ministério Público nem os procuradores da Unidade Nacional de Contraterrorismo da PJ de que tinha encontrado o material de guerra roubado, em junho passado, em Tancos. Segundo o Diário …

Sócrates "usou" ministros em benefício próprio

A actual ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, e os antigos ministros Mário Lino, António Mendonça e Carlos Fonseca foram "instrumentalizados" por José Sócrates para favorecerem os seus interesses e os Grupos Lena e Espírito …

Benfica alvo de buscas por suspeitas de corrupção passiva e ativa

Elementos da Polícia Judiciária (PJ) estão a fazer buscas em instalações do Benfica, no âmbito do caso dos emails, numa investigação que se centra em suspeitas de corrupção passiva e activa. Fonte oficial do Benfica confirmou …

Ex-Comandante Nacional desviou meios do grande incêndio de Mação

A fita do tempo veio confirmar as suspeitas que o presidente da câmara de Mação, Vasco Estrela, que falava num desvio de meios e equipas no primeiro incêndio que tomou conta do concelho. No início de …