Portugal e Suécia assinam novo acordo fiscal sobre os reformados suecos

Os reformados suecos que estão em Portugal ao abrigo do regime de residentes não habituais (RRNH) vão perder a dupla isenção de IRS a que tinham direito e que transformou Portugal num autêntico “eldorado fiscal” para os nórdicos.

Na quinta-feira, em Bruxelas, o ministro das Finanças Mário Centeno e a sua homóloga sueca, Magdalena Andersson, assinaram uma alteração à convenção que elimina a dupla tributação (CDT) entre os dois países, conferindo à Suécia o direito de tributar as pensões no seu território, noticiou o Expresso.

A mudança na CDT é cirúrgica e segue a mesma regra da convenção com a Finlândia (que está há dois anos à espera de ratificação). Isto é, confere ao Estado sueco o direito de taxar todas as pensões que paga, com um período transitório de três anos.

Se, explicou o Expresso, Portugal tributar cá as pensões de origem sueca, nos três anos seguintes à entrada em vigor da nova CDT, nada se passará. Se, pelo contrário, se mantiver a isenção, os suecos podem avançar de imediato com a taxação no seu território.

A alteração da CDT foi pedida pelos suecos e surge dois anos depois de Magdalena Andersson, ter expressado, durante uma reunião do Ecofin, o seu desagrado com as regras portuguesas que estavam a causar mal-estar na opinião pública do seu país.

Socialdemokrater / Flickr

A ministra das Finanças da Suécia, Magdalena Andersson

Mas esta assinatura é apenas o início formal do processo, sendo ainda incerto quando serão as alterações ratificadas e produzirão efeitos. No limite, se governo português resolver marcar passo, os suecos poderão ser forçados a seguir as pegadas dos finlandeses e rasgar os acordos fiscais com Portugal, referiu o artigo.

Recorde-se que Portugal também renegociou estas mesmas regras com a Finlândia mas acabou por engavetar o acordo, forçando os finlandeses à decisão inédita de revogar a convenção fiscal que remonta a 1971.

Segundo estatísticas avançadas pelo Expresso, até ao final de 2017 o Estado português tinha concedido benefícios fiscais em IRS a 23.767 cidadãos de praticamente todo o mundo ao abrigo do regime de RNH (só em 2017 foram a uma média de 28 ao dia).

A França é o país de origem de 27% dos contribuintes que por cá se registaram, seguida de longe pela Grã-Bretanha, Itália e Suécia, de onde são originários cerca de dois mil residentes não habituais.

Uma parte desses são trabalhadores independentes ou por conta de outrem, que durante 10 anos aproveitam de uma taxa reduzida de IRS de 20%. Outra parte, mais substancial, são reformados que não pagam IRS cá nem no país de origem devido a um “buraco” que existe nas convenções fiscais assinadas no passado entre Portugal e vários países.

“É preciso bater-lhes onde mais dói”

A prisão não é o pior que pode acontecer aos criminosos de colarinho branco. “É preciso bater-lhes onde mais dói”, disse na quinta-feira a ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, avançou o Público.

Ou seja, impedir que usufruam dos proventos dos crimes que cometeram – e para isso é preciso que as autoridades atuem com a celeridade suficiente que lhes permita detetar o paradeiro de dinheiro e de bens provenientes de atividades ilícitas, para depois os apreenderem, informou o artigo.

A ministra falava na quinta-feira de manhã na sede da Polícia Judiciária (PJ), em Lisboa, na apresentação de um estudo conjunto desta força policial e da consultora Ernst and Young dedicado à prevenção do branqueamento de capitais e ao financiamento do terrorismo.

“Às vezes, compensa ficar três ou quatro anos na cadeia, ou em casa com pulseira eletrónica, para depois gozar uma reforma dourada com o dinheiro colocado lá fora”, exemplificou Francisca Van Dunem, que garantiu que a PJ está neste momento plenamente capacitada para o combate à criminalidade económico-financeira.

Manuel de Almeida / Lusa

A ministra da Justiça, Francisca Van Dunem

“Recorrendo ao Fundo para a Segurança Interna, adquiriu recentemente um equipamento que lhe permite analisar grandes quantidades de informação”, explicou.

Para comprovar esta capacitação, o diretor da Polícia Judiciária, Luís Neves, deu alguns números: ao longo de 2018, esta corporação apreendeu material no valor de perto de 25 milhões de euros – o equivalente a quase um quarto do seu orçamento – entre viaturas, imóveis e participações sociais. E nas últimas operações que realizou já este ano contabilizou mais dez milhões.

Elaborado numa altura em que ainda estava em vigor legislação de branqueamento de capitais anterior à atual, o estudo da Ernst and Young fala na importância de colaboração entre as diversas instituições com competências na prevenção deste fenómeno criminal, e que já não são apenas as que operam no setor financeiro, nomeadamente na banca.

Francisca Van Dunem também mencionou essa necessidade de articulação de esforços entre as polícias, as inspeções administrativas e as autoridades de supervisão: “Não podemos andar a multiplicar recursos por todas as instituições”, frisou.

TP, ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Cientistas criam algoritmo para identificar covid-19 a partir do som da tosse

Investigadores de vários países criaram um algoritmo que afirmam poder identificar se uma pessoa tem covid-19 a partir do som da sua tosse. Cientistas do México, Estados Unidos, Espanha e Itália, liderados por uma equipa do …

Para proteger o fundo do mar, novo sistema permite atracar vários barcos com uma só "âncora"

Quando vários barcos se amontoam numa enseada durante a noite, cada um deles lança uma âncora que pode potencialmente danificar os corais e a vida marinha no fundo do mar. O sistema Seafloat foi criado …

Japão e Estados Unidos assinam acordo de cooperação para exploração da Lua

O Ministério da Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia do Japão e a agência espacial dos Estados Unidos (NASA) assinaram um acordo de colaboração entre os dois países no programa Artemis, para a exploração da …

Washington Redskins mudam de nome por ser considerado racista

A equipa de futebol americano, até aqui denominada de Washington Redskins, vai abandonar essa designação, considerada de teor racista, para designar nativos da América do Norte. Em comunicado, a equipa de Washington explicou que, depois de uma …

Flores precisaram de cerca de 50 milhões de anos para se tornarem o que são hoje

As plantas com flor evoluíram há cerca de 100 milhões de anos, mas precisaram de outros 50 milhões de anos para diversificar e tornarem-se aquilo que são hoje, sugere uma equipa de investigadores. Os cientistas documentaram …

Estudo sugere que imunidade à covid-19 pode desaparecer em poucos meses

A imunidade adquirida por anticorpos após a cura da covid-19 pode desaparecer em alguns meses, o que poderá complicar o desenvolvimento de uma vacina eficaz a longo prazo, sugere um estudo britânico divulgado esta segunda-feira. "Este …

60 anos depois, já se sabe o que aconteceu aos 9 russos que desapareceram na Montanha da Morte

Passados 61 anos, o mistério da morte de nove esquiadores russos que faziam uma caminhada pelos Montes Urais, perto da chamada Montanha da Morte, foi finalmente resolvido. Em 1959, nove viajantes russos que faziam uma caminhada …

Médicos Sem Fronteiras é "institucionalmente racista", acusam atuais e ex-colaboradores

Uma declaração assinada por mil atuais e ex-funcionários revela que a Organização Não Governamental (ONG) Médicos Sem Fronteiras (MSF) é "institucionalmente racista" e reforça o colonialismo e a supremacia branca no trabalho humanitário que pratica. Na …

Empresa culpada pela crise de opioides fez contribuições políticas após declarar falência

A Purdue Pharma, empresa culpada pela crise de opioides nos Estados Unidos, fez contribuições políticas após ter sido processada e declarado falência. Os opioides são usados para aliviar a dor, mas também provocam uma sensação exagerada …

Norte-americano morre após ir a festa para provar que a covid-19 é uma farsa

Um norte-americano de 30 anos, de San Antonio, no estado do Texas, morreu de covid-19 depois de ir a uma festa para provar que a doença era uma farsa, informou a media local. O homem foi …