Portugal pode perder 300 milhões de euros em exportações com Brexit

SXC

-

A empresa de seguros de crédito Euler Hermes fez um estudo sobre o efeito da eventual saída do Reino Unido da União Europeia, revelando que, no caso de Portugal, poderá falar-se num “impacto significativo”.

A saída do Reino Unido da União Europeia deverá penalizar o PIB de Portugal em 0,3 pontos percentuais entre 2017 e 2019 e fazer o país perder 300 milhões de euros em exportações, segundo um estudo da Euler Hermes.

Os britânicos decidem a 23 de junho, num referendo, se “deve o Reino Unido permanecer como membro da União Europeia ou deve sair da União Europeia”, como refere a pergunta a que terão de responder.

Caso a resposta seja pelo fim da pertença ao projeto europeu – o designado ‘Brexit’ (junção de ‘British’ e ‘exit’ em inglês, saída britânica em português) – as consequências serão de muitas ordens, mas também económicas, pois o Reino Unido é um importante parceiro comercial e investidor em muitos países.

A empresa de seguros de crédito Euler Hermes fez um estudo sobre o efeito nos Estados-membros da União Europeia e, no caso de Portugal, concluiu que, apesar de não ser dos mais afetados, poderá falar-se num “impacto significativo”.

Os autores do estudo simularam o impacto em dois cenários: ‘Brexit’ mas com acordo de livre comércio, ou ‘Brexit’ sem qualquer acordo para a troca de bens e serviços entre Reino Unido e UE.

Assim, com acordo comercial, é estimado um impacto negativo no PIB português de 0,2 pontos percentuais no acumulado entre 2017 e 2019.

Já caso não seja firmado qualquer acordo, o impacto será maior, estimando-se que o crescimento do PIB fique 0,3 pontos percentuais abaixo do que seria esperado por efeito do ‘Brexit’.

“Em Portugal, os setores mais atingidos seriam o automóvel, os têxteis, o químico e o agroalimentar”, disse à Lusa Daniela Ordonez, economista da Euler Hermes que trabalhou os dados sobre o país.

Por rubricas, Portugal pode perder até 300 milhões de euros nas exportações, sendo 200 milhões de euros nas vendas de bens e 100 milhões de euros em serviços. Já a perda no Investimento Direto Estrangeiro (IDE) é estimada em 100 milhões de euros.

O estudo analisa ainda o impacto nas insolvências de empresas, estimando que estas podem aumentar em Portugal em um ponto percentual até 2019.

A par de Portugal, com “impacto significativo” de um ‘Brexit’, o estudo coloca Alemanha, França e Espanha.

Os países mais penalizados, que sentirão “alto impacto”, serão a Holanda (com -1,5 pontos percentuais no PIB), a Irlanda (-0,9 pontos no PIB) e a Bélgica (-0,7 pontos no PIB).

Estes Estados-membros da UE têm relações comerciais muito próximas com a economia britânica. Os setores mais afetados serão o financeiro, o automóvel, maquinaria e equipamento, o químico e o agroalimentar.

Já no total da zona euro, o PIB total pode ser penalizado em 0,4 pontos percentuais com o eventual acordo de livre comércio e 0,6 pontos sem esse acordo.

No cenário com acordo comercial as perdas com exportações de bens e serviços podem chegar a 17,4 mil milhões de euros até 2019 e o IDE ser penalizado em 18,2 mil milhões de euros, além de um aumento de um ponto percentual das falências empresariais.

Estas perdas agravam-se, como é de esperar, caso não haja o tal acordo comercial que permita menorizar os efeitos negativos nas trocas comerciais de um ‘Brexit’.

O maior impacto estimado é, contudo, no próprio Reino Unido, com uma penalização do PIB de 4,3 pontos percentuais, quebra de 23,5 mil milhões de euros nas exportações e 29,7 mil milhões no IDE e aumento 1,5 pontos percentuais do crescimento das insolvências de empresas.

Aliás, a economia britânica já tem vindo a sofrer nos últimos seis meses alguma deterioração fruto da incerteza em torno de um ‘Brexit’.

O estudo da Euler Hermes, a que a Lusa teve acesso, analisa também efeito do ‘Brexit’ em economias fora da Europa, esperando um “impacto significativo” nos Estados Unidos, enquanto na China deverá ser “baixo”.

Além dos efeitos económicos, um eventual ‘Brexit’ teria impactos em muito mais áreas, como refere também o estudo.

Poderia alterar o modo como o projeto europeu está a ser construído, dando força a Estados-membros como os escandinavos, a Polónia ou a Áustria, que defendem menos integração política, ou, pelo contrário, poderia reforçar o caminho para o federalismo.

Sendo o Reino Unido fundamental na investigação científica europeia, a saída deste país da UE significaria que a I&D (Investigação e Desenvolvimento) seria muito afetada.

As universidades britânicas coordenam um terço de todos os projetos financiados pelos 80 mil milhões de euros do Programa Horizonte 2020, refere a Euler Hermes.

Por fim, há que referir que em 2015 havia 1,2 milhões de estrangeiros a trabalharem no Reino Unido, muitos de países da UE, os quais deverão perder direitos e benefícios caso se concretize o ‘Brexit’.

/Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Que saiam nunca pertençeram a U.E. pois nem a moeda mudaram já que são uma ilha que fiquem por lá e deem Liberdade de Escolha aos Escoceses e Irlandeses

  2. Pode ser uma boa oportunidade para Portugal, o facto dos ingleses sairem da UE. Pois com certeza muitas empresas vao sair da ilha, perdendo as vantagens de pertencer ao mercado único vao deslocalizar. Agora é Portugal aproveitar e captar esse investimento.

RESPONDER

Estudo revela que a Terra sofreu uma inclinação de 12 graus há 84 milhões de anos

Um novo estudo revelou que, há cerca de 84 milhões de anos, a Terra sofreu uma inclinação de 12 graus, contrariando a teoria de que o eixo de rotação do planeta tem sido estável nos …

Famosa teoria de Stephen Hawking sobre buracos negros confirmada

Usando ondulações no espaço-tempo causadas pela fusão de dois buracos negros distantes, uma equipa de cientistas conseguiu provar uma das teorias mais famosas de Stephen Hawking. A teoria da área do buraco negro, que Stephen Hawking …

Mayflower 2.0: um navio autónomo pilotado por IA está a refazer a viagem do original

Quatro séculos e uma pandemia depois de o Mayflower original ter zarpado do porto de Southampton, numa jornada histórica para a América, outro veículo pioneiro com o mesmo nome partiu para refazer a mesma viagem. O …

Halterofilista neozelandesa será a primeira atleta transgénero a competir nos Jogos Olímpicos

A neozelandesa Laurel Hubbard, de 43 anos, classificou-se para os Jogos Olímpicos de Tóquio na categoria acima de 87kg feminina (super pesadas) do levantamento de peso, tornando-se a primeira atleta transgénero a participar na competição. "Estou …

República Checa 0-1 Inglaterra | Serviços mínimos valem topo

A Inglaterra, que tinha assegurado o apuramento na segunda-feira, garantiu o primeiro lugar do Grupo D do Euro 2020, ao vencer a República Checa por 1-0, com um golo madrugador, no mítico estádio de Wembley. Num …

Croácia 3-1 Escócia | Croatas de trivela rumo aos oitavos

A Croácia, liderada pelos ‘craques’ Luka Modric e Ivan Perisic, qualificou-se hoje para os oitavos de final do Euro2020 de futebol, ao vencer por 3-1 a Escócia, que eliminou, num Grupo D conquistado pela Inglaterra. Os …

Asteroide tem nome de astrofísico português Nuno Peixinho

O astrofísico português Nuno Peixinho dá nome a um asteroide, descoberto em 1998 e que tem pouco mais de 10 quilómetros de diâmetro, anunciou esta segunda-feira o Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA), …

"É inaceitável". Ana Mendes Godinho critica situações de trabalho temporário que "duram décadas"

A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho, insistiu esta terça-feira na relevância do combate à precariedade, sinalizando a intenção de restringir o trabalho temporário. "Tem de haver mecanismos mais fortes para combater a segmentação do mercado …

Hitler expulsou os soldados judeus há oito décadas. Agora, um rabino junta-se ao exército alemão

No início da Segunda Guerra Mundial, Hitler expulsou os judeus das Forças Armadas na década de 1930. Agora, Zsolt Balla irá assumir o cargo de rabino-chefe do exército alemão. Mais de 80 anos depois, aquilo que …

Rio critica Governo após "justa indignação" de Merkel

O presidente do PSD acusou esta terça-feira o Governo de estar a fazer Portugal passar “por uma vergonha desnecessária”, considerando que depois da “vexatória desconsideração” do Reino Unido, os portugueses têm que “ouvir a justa …