Portugal condenado por discriminação. “Sexo aos 50 já não é importante”

O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos condenou Portugal por discriminação sexual, depois de o Supremo Tribunal Administrativo ter decidido diminuir a indemnização de uma mulher vítima de negligência médica numa cirurgia ginecológica que afetou a sua vida sexual.

Em dezembro de 2013, a Maternidade Alfredo da Costa recorreu para o Supremo Tribunal Administrativo da decisão de condenação ao pagamento de 172 mil euros por negligência médica, relativa a uma cirurgia ginecológica realizada em 1995.

A mulher ficou com lesões irreversíveis e uma incapacidade permanente de 73%, na sequência da operação. No recurso, o Supremo Tribunal Administrativo decidiu reduzir o valor em cerca de 60 mil euros, justificando a decisão com o argumento de que a sexualidade não é tão importante para uma mulher de 50 anos e com dois filhos como para alguém mais novo.

A fundamentação do acórdão do coletivo de juízes do Supremo Tribunal Administrativo, proferido em 2015, demonstra “os preconceitos” que prevalecem no sistema judiciário português, segundo o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos.

Por isso, Portugal foi condenado a pagar mais de três mil euros à vítima por danos não patrimoniais, por violar os artigos 8º – direito ao respeito pela vida privada e familiar – e 14º – proibição da discriminação – da Convenção Europeia dos Direitos do Homem, e ao pagamento de 2 460 euros devidos a despesas com o processo.

Como já tinha mais de 50 anos à data em que foi operada, o Supremo Tribunal Administrativo entendeu que a sexualidade a partir dos 50 anos não tinha a mesma relevância que teria se ela fosse mais nova. Foi discriminada pelo facto de ser mulher e por ter a idade que tem”, explicou à agência Lusa o advogado da vítima, Vítor Parente Ribeiro.

O advogado espera que esta decisão do Tribunal Europeu dos Direitos Humanos permita reanalisar o acórdão dos juízes do Supremo Tribunal Administrativo.

“Com base na decisão podemos, em princípio, pedir uma revisão do acórdão do STA. Vamos ver se é possível ou não. Vou analisar para ver se aquela decisão tomada, seja reapreciada”, acrescentou o advogado.

A sentença do Tribunal Administrativo de Círculo de Lisboa (TACL), proferida em outubro de 2013, sustentava que durante a intervenção cirúrgica do foro ginecológico a equipa médica “lesou parcialmente” o nervo pudendo, que controla a continência urinária e fecal, deixando a paciente “inválida para toda e qualquer profissão”.

Treze anos depois, o tribunal de primeira instância deu razão à paciente, que à data dos factos tinha 50 anos, e condenou a Maternidade Alfredo da Costa ao pagamento de 172 mil euros, acrescidos de juros.

O caso só chegou à Justiça em 2000, depois de a mulher ter realizado exames numa clínica privada, que provaram que o seu estado de saúde era resultado do erro médico cometido no decorrer da cirurgia realizada na MAC, em 1995. Após a operação, a utente continuou a ser seguida pelo serviço de ginecologia da maternidade.

A 12 de outubro de 1999, o presidente de uma junta médica subscreveu o “Atestado Médico de Incapacidade Multiuso”, que refere que a paciente “apresenta deficiências” que, de acordo com a tabela nacional de incapacidade, “lhe conferem uma incapacidade permanente global de 73%, desde 1995”. O TACL atribuiu, por sua vez, responsabilidades à equipa médica.

A atuação é ilícita e culposa, por violar as leis da medicina, que lhe impunha o cuidado de não lesar o nervo pudendo da utente, pelo que o seu comportamento ficou abaixo do standard técnico/científico que era exigível a um ginecologista cirurgião médio”.

A Maternidade Alfredo da Costa e a equipa responsável pela cirurgia – composta por uma cirurgiã, duas ajudantes e um médico anestesista – ainda invocaram a prescrição, o que foi recusado, na ocasião.

O tribunal também não deu provimento à contestação apresentada pela Maternidade e pelos clínicos que refere, entre outros fundamentos, que as queixas da paciente para não trabalhar são do “foro psiquiátrico“, que a mulher, “antes da operação, já sofria de incontinência” e que “tinha tido dois partos vaginais, um deles em casa e com um bebé de 4.000 gramas”.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Japão e Estados Unidos assinam acordo de cooperação para exploração da Lua

O Ministério da Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia do Japão e a agência espacial dos Estados Unidos (NASA) assinaram um acordo de colaboração entre os dois países no programa Artemis, para a exploração da …

Washington Redskins mudam de nome por ser considerado racista

A equipa de futebol americano, até aqui denominada de Washington Redskins, vai abandonar essa designação, considerada de teor racista, para designar nativos da América do Norte. Em comunicado, a equipa de Washington explicou que, depois de uma …

Flores precisaram de cerca de 50 milhões de anos para se tornarem o que são hoje

As plantas com flor evoluíram há cerca de 100 milhões de anos, mas precisaram de outros 50 milhões de anos para diversificar e tornarem-se aquilo que são hoje, sugere uma equipa de investigadores. Os cientistas documentaram …

Estudo sugere que imunidade à covid-19 pode desaparecer em poucos meses

A imunidade adquirida por anticorpos após a cura da covid-19 pode desaparecer em alguns meses, o que poderá complicar o desenvolvimento de uma vacina eficaz a longo prazo, sugere um estudo britânico divulgado esta segunda-feira. "Este …

60 anos depois, já se sabe o que aconteceu aos 9 russos que desapareceram na Montanha da Morte

Passados 61 anos, o mistério da morte de nove esquiadores russos que faziam uma caminhada pelos Montes Urais, perto da chamada Montanha da Morte, foi finalmente resolvido. Em 1959, nove viajantes russos que faziam uma caminhada …

Médicos Sem Fronteiras é "institucionalmente racista", acusam atuais e ex-colaboradores

Uma declaração assinada por mil atuais e ex-funcionários revela que a Organização Não Governamental (ONG) Médicos Sem Fronteiras (MSF) é "institucionalmente racista" e reforça o colonialismo e a supremacia branca no trabalho humanitário que pratica. Na …

Empresa culpada pela crise de opioides fez contribuições políticas após declarar falência

A Purdue Pharma, empresa culpada pela crise de opioides nos Estados Unidos, fez contribuições políticas após ter sido processada e declarado falência. Os opioides são usados para aliviar a dor, mas também provocam uma sensação exagerada …

Norte-americano morre após ir a festa para provar que a covid-19 é uma farsa

Um norte-americano de 30 anos, de San Antonio, no estado do Texas, morreu de covid-19 depois de ir a uma festa para provar que a doença era uma farsa, informou a media local. O homem foi …

Luso-canadiano quer criar 25 murais dedicados a Amália Rodrigues

Um português a residir no Canadá pretende criar uma “aldeia global virtual” das comunidades portuguesas espalhadas nos vários cantos do mundo, um projeto que envolve a colocação de 25 murais dedicados à fadista Amália Rodrigues. “O …

MP e BdP pedem manutenção de coima a Salgado no processo da compra de ações da ESFG

O Ministério Público e o Banco de Portugal pediram, esta segunda-feira, ao Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão, que mantenha a coima de 75 mil euros aplicada ao ex-presidente do BES no processo da compra …