Portas quer praxes estúpidas e perigosas banidas das universidades, Grilo recusa humilhações

José Goulão / wikimedia

O vice-primeiro-ministro, Paulo Portas

O vice-primeiro-ministro, Paulo Portas

O vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, vincou hoje que praxes “estúpidas, perigosas, coercivas e violentas” devem ser banidas das universidades, atribuindo a estas instituições “a primeira responsabilidade pela civilidade”.

A polémica sobre as praxes académicas reacendeu-se após a morte, em dezembro, na praia do Meco, em Sesimbra, de seis estudantes universitários, engolidos pelo mar, muito embora o ministro da Educação e Ciência e o secretário de Estado do Desporto e Juventude não tenham associado o incidente a uma praxe.

“Acho que praxes estúpidas, perigosas, coercivas, violentas não devem ter lugar no ambiente universitário”, sustentou aos jornalistas Paulo Portas, em Lisboa, depois de ter participado na sessão de encerramento de uma conferência sobre ensino privado, organizada pela Confederação Nacional da Educação e Formação.

Ao ser confrontado com o assunto das praxes, Paulo Portas sustentou, ainda, que “a primeira responsabilidade pela civilidade do espaço de uma universidade é, evidentemente, de quem a dirige, a universidade, que tem licença para isso”.

O vice-primeiro-ministro disse também esperar que “o trabalho” do ministro da Educação e Ciência, com as universidades e os estudantes, “dê resultados”.

Na quinta-feira, Nuno Crato recebeu representantes das associações académicas e das universidades, com o intuito de discutir e recolher propostas que visem “evitar que se repitam praxes absurdas e atentatórias da dignidade humana e da dignidade dos estudantes”.

Crato frisou que o Ministério da Educação não rejeita responsabilidades nos abusos cometidos nas praxes, mas lembrou que há responsabilidade de toda a sociedade e que, com as reuniões convocadas, pretendeu manifestar “uma preocupação continuada e reforçada, por ter vindo a lume uma série de informações sobre estas práticas atentatórias da dignidade dos estudantes”.

Ex-ministro da Educação Marçal Grilo recusa humilhações em praxes

O antigo ministro da Educação Marçal Grilo disse hoje não aceitar que jovens sejam maltratados e humilhados em praxes, mas advertiu que não se deve misturar “casos de praxe com casos de polícia”.

“A sociedade não aceita este tipo de comportamento, eu como cidadão recuso-me a aceitar tratamentos de jovens que entram nas universidades e que são maltratados, humilhados e a quem lhes é retirada a sua dignidade”, afirmou o antigo ministro da Educação, em declarações aos jornalistas à margem de uma homenagem realizada esta tarde na Fundação Calouste Gulbenkian ao escritor Vasco Graça Moura.

Sublinhando que não se pode permitir que “nas instituições mais sofisticadas do conhecimento em Portugal se pratiquem atos que são verdadeiros atos de vandalismo”, Marçal Grilo considerou existirem várias maneiras para resolver o problema, sendo necessário antes de mais dialogar, conversar e negociar.

Questionado sobre o caso do Meco, onde a 15 de dezembro morreram seis estudantes universitários que tinham alugado uma casa na zona para passar o fim de semana, o antigo ministro da Educação escusou-se a fazer comentários alegando que “ninguém conhece pormenores sobre o caso”.

“Ninguém tem ideia nenhuma se aquilo se passou com praxe ou sem praxe, depois de praxe ou antes da praxe. Portanto não vale a pensa estar a misturar umas coisas com as outras, como também não vale a pena misturar casos de praxe com casos de polícia”, declarou.

Porém, acrescentou, o caso do Meco “é uma tragédia que importa clarificar”.

O debate sobre a questão das praxes surgiu na sequência da morte de seis jovens na praia do Meco, Sesimbra, a 15 de dezembro. Faziam parte de um grupo de sete estudantes universitários que tinham alugado uma casa na zona, para passar o fim de semana. Segundo as autoridades, uma onda arrastou-os na madrugada de 15 de dezembro, mas um dos universitários conseguiu sobreviver.

A investigação dos acontecimentos está entregue às autoridades judiciais e a Universidade Lusófona, na qual estudavam as vítimas, abriu um inquérito interno para apurar o que se passou.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. PRAXES NA ULHT.
    A ignorância muitas vezes sobrepõe-se á realidade. A praxe académica surgiu na Universidade de Coimbra e é claro que muitas vezes era violenta tendo sido proibida por João V por causa da morte de um aluno. Mais tarde esta tradição foi retomada. Actualmente na ULHT a praxe não é obrigatória e pode haver desistência da mesma em qualquer altura. O praxado (Caloiro também tem direito, desde que comunique aos veteranos, a negar-se a rituais que não aceita (alergias e outros) desde que informe antecipadamente. Os alunos não praxados, na ULHT não são” escorraçados” e confraternizam com os praxados com amizade, executando com os mesmos os respectivos trabalhos de grupo sem qualquer problema. Na ULHT é o que se passa na actualidade. Repito que a ignorância se sobrepõe á realidade. Não generalizem! Já dizia Napoleão que pior que a crueldade é a ignorância. Sabemos de antemão que querem acabar com as tradições deste nosso Portugal. Acrescento que nesta nossa Universidade existem estrangeiros que querem ser praxados. E são por livre iniciativa, não me lembrando ter existido nenhuma queixa de abuso em qualquer Embaixada. Acrescento que na Lusófona não existe bullying, na medida em que os caloiros têm padrinhos que os protegem com amizade. PERGUNTEM AOS CALOIROS! Os abusos não são Praxe! Mas situações passivas de ser punidas judicialmente. Não misturem, sejam coerentes. Não acabem com as tradições. Há muito tempo houve a tentativa.de alguns “fanáticos religiosos” de acabar com o Fado em virtude do grosseirismo; diriam “eles “que se ouvia nos locais onde era cantado. Hoje o Fado é património imaterial da humanidade. As opiniões negativas sobre as Praxes tentando operar como factores de fractura e destruição propositada desta secular tradição somente contribuem para a cimentação das mesmas e possivelmente uma maior união entre os estudantes praxados e colegas amigos não praxados de todas as Escolas e Universidades portuguesas que vão manter esta tradição! A união faz força. (KRUPP).

RESPONDER

Um restaurante acabou de abrir a um quarteirão da Casa Branca. Chama-se "Comida de Imigrante"

Um restaurante chamado "Immigrant Food" ("Comida de Imigrante") abriu a um quarteirão da Casa Branca. O local quer fazer com que ajudar imigrantes seja tão fácil como pedir comida de um menu. Assim, além de comida, …

Trump admite testemunhar no inquérito para a sua destituição

O Presidente dos EUA admitiu, esta segunda-feira, "considerar seriamente" a possibilidade de testemunhar por escrito no inquérito para a sua destituição, que decorre no Congresso. "Embora não tenha feito nada de errado e não goste de …

INE espanhol está a "espiar" telemóveis para estudo estatístico

Um estudo do INE espanhol está a receber duras críticas por alegadamente infringir a privacidade de dados dos cidadãos. O gabinete irá monitorizar os telemóveis dos espanhóis. O Instituto Nacional de Estatística (INE) de Espanha deu …

Donald Tusk vai presidir o Partido Popular Europeu

O presidente do Conselho da União Europeia (UE) é o único candidato à presidência do Partido Popular Europeu (PPE) e vai suceder no cargo ao francês Joseph Daul. Esta será a primeira vez que um europeu …

EUA. Casal vegan vai ser julgado por homicídio depois da morte do filho de 18 meses

Um casal americano, que segue uma alimentação vegan, vai ser julgado por homicídio depois da morte do filho de 18 meses, por malnutrição. Ambos vão permanecer detidos até à data do julgamento, em dezembro. Segundo noticiou …

Carrinha com 52 migrantes entra em Ceuta após derrubar barreiras fronteiriças

Uma carrinha com 52 migrantes rompeu, esta madrugada, as barreiras fronteiriças entre Marrocos e Espanha para entrar no enclave espanhol de Ceuta, incidente que a Guarda Civil espanhola já está a investigar. A carrinha lançou-se a toda …

Chef que renunciou à estrela Michelin espera sair do Guia em 2020

O chef Henrique Leis, que em julho renunciou à estrela Michelin que o seu restaurante detinha há 19 anos, afirma que o seu "compromisso com a Michelin acabou" e espera não ver renovada a distinção …

Morreu a fadista Argentina Santos

A fadista portuguesa morreu, esta segunda-feira, aos 95 anos de idade. As exéquias realizam-se, a partir das 17h00, na Basílica da Estrela, em Lisboa. A fadista Argentina Santos, que esta segunda-feira morreu aos 95 anos, despediu-se …

Governo apresenta queixa no Ministério Público contra 21 pedreiras

O ministro do Ambiente e da Ação Climática anunciou que 21 pedreiras, de um universo de 185, estão em incumprimento por falta de vedações, exigidas pelo levantamento do Governo, tendo sido apresentada queixa ao Ministério …

Adeus EDP Universal. Vem aí a SU Eletricidade, mas os preços não mudam

A EDP Serviço Universal vai deixar de existir a partir de 15 de Janeiro de 2020. Em seu lugar vai nascer a SU Eletricidade, a nova marca do universo EDP que vai abranger os clientes …