Desde 2001 que polícias negros alertam para racismo de agentes do Capitólio

Jim Lo Scalzo / EPA

Com a invasão do Capitólio, investiga-se o alegado racismo existente na Polícia do Capitólio. Desde 2001 que agentes negros denunciam casos de discriminação racial no departamento.

Desde 2001, centenas de agentes policiais negros processaram o departamento por discriminação racial. Muitos alegam que colegas caucasianos tratam-nos por nomes pejorativos, como nigga. Caso um agente branco tivesse uma boa relação com um agente negro também era alvo de calúnias.

“Há um problema de racismo neste país, em praticamente todos os estabelecimentos que existem”, disse Kim Dine, antigo chefe da Polícia do Capitólio que deixou a agência em 2016, em declarações à ProPublica.

A invasão de apoiantes de Donald Trump ao Capitólio está sob investigação, havendo suspeitas de que alguns agentes podem ter sido cúmplices ao permitir que os manifestantes entrassem no centro legislativo dos EUA. Enquanto muitos agentes foram filmados a lutar contra os desordeiros, pelo menos 12 outros estão sob investigação por possivelmente ajudá-los.

À BuzzFeed News, dois agentes negros da Polícia do Capitólio confessaram estar enfurecidos com as atuais falhas de liderança. Numa cidade em que 46% das pessoas são negras, apenas 29% dos agentes da Polícia do Capitólio são negros. Em comparação, 52% dos agentes da Polícia Metropolitana de Washington são de cor negra.

Sharon Blackmon-Malloy, uma ex-polícia do Capitólio que foi a principal responsável do processo de discriminação de 2001 movido contra o departamento, disse que não ficou surpreendida que manifestantes pró-Trump tivessem invadido o Capitólio. O caso de 2001, que começou com 250 queixosos, continua pendente.

“Nunca nada foi realmente resolvido. O Congresso ignorou o racismo em na Colina do Capitólio”, disse Blackmon-Malloy à ProPublica. “O 6 de janeiro aconteceu porque ninguém nos levou a sério”.

O aposentado Tenente Frank Adams processou o departamento em 2001 e 2012 por discriminação racial, admitindo ter sido vítima e ter testemunhado racismo e sexismo.

Adams também conta que uma vez encontrou um cartoon na sua mesa de um homem negro a ser saudado por um membro do Ku Klux Klan no céu. Reclamou aos seus superiores, mas diz que desde aí lhe foram negadas oportunidades de promoção e sofreu outras formas de retaliação.

“Eles só se envolvem na fiscalização quando está no ciclo de notícias”, disse Adams. “Eles ignoraram o racismo que está a acontecer no departamento. Eles ignoraram o ódio”.

Daniel Costa Daniel Costa, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Camisola poveira

Vendas da camisola poveira disparam a nível mundial (e já há “uma Amazon” para a comprar)

A camisola poveira, peça de artesanato da Póvoa de Varzim, nunca se vendeu tanto como agora. As vendas dispararam à boleia da polémica apropriação do modelo pela estilista norte-americana Tory Burch que o comercializou como …

Xanana Gusmão dorme à frente de centro de isolamento em protesto (e é filmado a esbofetear pessoas)

Xanana Gusmão quer que o corpo de um homem vítima de covid-19 seja entregue à família para que faça as cerimónias fúnebres. O comportamento do líder histórico timorense, que se encontra em protesto, está a …

SEF oficialmente extinto. Serviço de Estrangeiros e Asilo entra em funções esta quinta-feira

O processo de reestruturação do SEF foi publicado em Diário da República, esta quarta-feira, entrando em vigor no dia seguinte, ou seja, esta quinta-feira. O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) foi oficialmente extinto esta quarta-feira, …

União Europeia não vai renovar contrato com AstraZeneca e Johnson & Johnson

A União Europeia não vai renovar os contratos da vacina contra a covid-19 com empresas como Astrazeneca e Johnson & Johnson no próximo ano. A notícia da decisão de não renovação dos contratos da vacina contra …

Entre um Porto "dominante" e "ineficaz", a bicicleta de Taremi foi um "inútil golo de bandeira"

A imprensa internacional realça a boa prestação do FC Porto e o golo de bandeira de Taremi, que acabou por revelar-se insuficiente para dar continuidade às aspirações portistas. O FC Porto está fora da Liga dos …

Eventual criação do indicador "incidência vizinha" pode influenciar planos do Governo

Esta terça-feira, na reunião no Infarmed, o matemático Óscar Felgueiras defendeu a criação de um novo indicador, "incidência vizinha", que teria como vantagens sinalizar risco associado à proximidade de zonas mais críticas e evitar a …

Relatório secreto de Costa Pinto defende que Banco de Portugal podia ter feito mais no BES

O "Relatório Costa Pinto" argumenta que o Banco de Portugal tinha conhecimento dos problemas do BES e tinha poderes para fazer mais, melhor e mais cedo. O "Relatório Costa Pinto" tem vindo a ser negado ao …

Lopetegui viu Corona em Sevilha e pode avançar com proposta

Julen Lopetegui, treinador do Sevilha, está atento a Tecatito Corona. O extremo portista mostrou-se em bom plano frente ao Chelsea. O antigo treinador dos 'dragões' Julen Lopetegui, atualmente no comando técnico do Sevilha, esteve esta terça-feira …

Especialistas aconselham Governo a não avançar no desconfinamento

Manuel Carmo Gomes, o epidemiologista que deixou de participar nas reuniões no Infarmed, aconselhou o Governo a não avançar para a terceira fase de desconfinamento. E não é o único a defender a suspensão. De acordo …

Oposição quer redução de portagens. Governo responde com cortes ou aumento de impostos

O Governo disse hoje que a redução de portagens nas ex-SCUT "é legal e constitucional", defendendo que a Assembleia da República deve ajudar a encontrar a compensação para encargos de até 149 milhões de euros …